O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

47 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011

três vertentes da contabilidade – orçamental, patrimonial e analítica – permitindo conhecer com maior rigor a situação financeira das diferentes entidades públicas, bem como os custos dos bens e serviços produzidos. A adopção de sistemas de informação de gestão modernos e a utilização da informática de gestão é uma opção crucial da modernização do processo orçamental. A adopção destes sistemas deve, também obrigar a um redesenho de processos e de procedimentos orçamentais e contabilísticos. De facto, os atuais processos e procedimentos foram desenhados há cerca de 20 anos. Neste período de tempo verificou-se uma enorme evolução dos sistemas de informação de gestão. Os ganhos da utilização destes novos sistemas decorrem não tanto da adopção de uma nova plataforma tecnológica, mas do redesenho de processo e procedimentos que uma nova plataforma tecnológica permite.
Em Portugal tem-se seguido a via de introdução novos sistemas de informação sem alteração concomitante dos processos. A ausência desta reengenharia de processos orçamentais e contabilísticos tem consequências para a qualidade da informação, para o controlo e para os custos de implementação. De facto, os sistemas de informação de gestão tendem a incluir processos que refletem standards internacionais, pelo que o abandono das idiossincrasias nacionais facilita consideravelmente a transição para sistemas de informação mais sofisticados.
Esta opção significa uma extensa revisão dos atuais procedimentos orçamentais e contabilísticos e da prestação de contas, quer relativamente à forma quer relativamente ao conteúdo. De facto, por um lado, a documentação de prestação de contas é extensa, confusa e muitas vezes repetitiva. Por outro lado, a prestação de contas deve permitir medir e comparar resultados. Estes devem ser comparados com o passado, com a restante economia e com outros sectores públicos. Estas três dimensões de avaliação impõem que o processo de prestação de contas seja estável ao longo do tempo; que utilize, tanto quanto possível, princípios, métodos e valorizações idênticos aos utilizados pela restante economia; e que siga, ainda que com possíveis adaptações a situações concretas, as normas internacionais de contabilidade.
No âmbito da assistência técnica prevista no PAEF, foi sugerido que fossem utilizados os princípios da Internacional Public Sector Accounting Standads (IPSAS) na apresentação de contas das entidades do sector público. De acordo com as instituições internacionais, a adopção destes princípios contabilísticos aumentaria a transparência na prestação de contas e a responsabilização. Contudo, o reporte de informação em base de caixa manter-se-ia uma parte importante do processo de prestação de contas devido à necessidade de prever as necessidades de tesouraria e financiamento em termos globais.
Um outro aspeto referido no âmbito da assistência técnica é a necessidade da certificação externa das contas no âmbito do processo de prestação de contas. Este desenvolvimento obrigará a uma reformulação significativa do processo de avaliação e certificação externa da Conta Geral do Estado e das contas das diversas entidades públicas.

2.5.6. Conselho das Finanças Públicas Será criado um órgão independente – o Conselho das Finanças Públicas (CFP) – cuja missão consiste em pronunciar-se sobre os objectivos e cenários orçamentais, a sustentabilidade das contas públicas e o cumprimento das regras relativas ao saldo orçamental, à despesa da administração central e ao endividamento das Regiões Autónomas e Autarquias Locais (Artigo 12º-I da LEO). A experiência internacional revela que a criação de uma entidade independente desta natureza permite aumentar de forma significativa a transparência sobre a situação orçamental e patrimonial do sector público. O CFP será, assim, instrumental para a melhoria do processo de decisão política e, portanto, para a qualidade da Democracia. Será igualmente fundamental na recuperação da credibilidade externa do País perante os investidores internacionais. A Assembleia da República aprovou os Estatutos do CFP no final de setembro de 2011. A nomeação dos membros do Conselho Superior do CFP ocorrerá antes do final de 2011, sendo expectável que o Conselho inicie a sua atividade nos primeiros meses de 2012. Os membros do Conselho Superior serão nomeados pelo Conselho de Ministros sob proposta conjunta do Presidente do Tribunal de Contas e do Governador do Banco de Portugal.

Páginas Relacionadas
Página 0002:
2 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 PROPOSTA DE LEI N.º 31/XII (1.ª) (APR
Pág.Página 2
Página 0003:
3 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Artigo 5.º Disposição final É p
Pág.Página 3
Página 0004:
4 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 2.5.1. Apresentação 2.5.2. Regras orç
Pág.Página 4
Página 0005:
5 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 5.10. Ciência 5.10.1. Investigação Ci
Pág.Página 5
Página 0006:
6 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Gráfico 1. PIB – Portugal e alguns do
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 ultrapassado em condições excepcionai
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Analisando a evolução da receita corr
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Gráfico 6. Saldos Orçamentais previst
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 primeira notificação do Procedimento
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 objectivos orçamentais para um horiz
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Gráfico 10. Posição de investimento
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Gráfico 12. Taxas de rendibilidade d
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 permanecido relativamente inalterada
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 económicas e financeiras do PAEF. A
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Adicionalmente, embora as condições
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Esta deterioração acentuada reflecti
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 • Apoio às empresas e à exportação,
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Quadro 2. Principais Indicadores (ta
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 de taxas do IVA reduzidas para norma
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Administração Local a referida infor
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 A adopção destas medidas foi ainda m
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 insustentáveis, em particular as ass
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Do lado da receita, importa destacar
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Quadro 5. Défice Orçamental 2011: Ob
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 2.3. Estratégia de Consolidação Orça
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 2.3.1. Finanças e Administração Públ
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 públicas (de direito público), regid
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Ao nível da Administração Regional e
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 compromissos internacionais assumido
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Para habilitar à medida agora propos
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Esta medida abrange todas as prestaç
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Reforço dos mecanismos de mobilidade
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Serviços partilhados na Administraçã
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Administração Pública. Serão também
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Segurança Social Durante a vigência
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 aumento previsto de encargos finance
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 tributário e as garantias dos contri
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 anti abuso por parte da administraçã
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Finalmente, cria-se um programa espe
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 2.4.6. Imposto sobre o Rendimento da
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Em simultâneo, efetua-se uma redução
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 benefícios fiscais, nomeadamente os
Pág.Página 43
Página 0044:
44 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Regularização tributária de elemento
Pág.Página 44
Página 0045:
45 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 quadro orçamental plurianual; orçame
Pág.Página 45
Página 0046:
46 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 2.5.4. Orçamento por Programas O Orç
Pág.Página 46
Página 0048:
48 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 2.5.7. Questões operacionais e calen
Pág.Página 48
Página 0049:
49 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 No quadro da integração operativa do
Pág.Página 49
Página 0050:
50 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 prévia aferição da situação existent
Pág.Página 50
Página 0051:
51 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 promovendo uma maior flexibilidade e
Pág.Página 51
Página 0052:
52 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 3.3.4. Família e Natalidade O apoio
Pág.Página 52
Página 0053:
53 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 A reforma na administração local pas
Pág.Página 53
Página 0054:
54 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 gravidade deste crime e à necessidad
Pág.Página 54
Página 0055:
55 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 4 – 4.ª Opção – Política Externa e d
Pág.Página 55
Página 0056:
56 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 para a economia europeia e nacional
Pág.Página 56
Página 0057:
57 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 destacando-se as ONGD e entidades do
Pág.Página 57
Página 0058:
58 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 A reforma e modernização da rede con
Pág.Página 58
Página 0059:
59 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 A proximidade histórica, cultural e
Pág.Página 59
Página 0060:
60 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 balança comercial é um factor recorr
Pág.Página 60
Página 0061:
61 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 5.1.3. Programa Estratégico para o E
Pág.Página 61
Página 0062:
62 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 No que respeita à valorização da ofe
Pág.Página 62
Página 0063:
63 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 trabalhador. Pretende-se possibilita
Pág.Página 63
Página 0064:
64 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 efeitos dos aumentos tarifários para
Pág.Página 64
Página 0065:
65 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Garantir fontes de energia final a pre
Pág.Página 65
Página 0066:
66 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Deverá ser feito um esforço no senti
Pág.Página 66
Página 0067:
67 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 uma nova estratégia para a conservaç
Pág.Página 67
Página 0068:
68 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Rever a estratégia de gestão de recurs
Pág.Página 68
Página 0069:
69 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Melhorar a transparência da informaç
Pág.Página 69
Página 0070:
70 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 Reordenar a rede escolar do sistema de
Pág.Página 70
Página 0071:
71 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 5.10.3. Formação de recursos altamen
Pág.Página 71
Página 0072:
72 | II Série A - Número: 074 | 30 de Novembro de 2011 área da pirataria de música, de cine
Pág.Página 72