O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 50

106

3 - O valor amortizável do direito de contratação inclui, ainda, as quantias pagas pela sociedade desportiva

à entidade de onde provém o jogador como contrapartida da transferência, as importâncias pagas ao próprio

jogador pelo facto de celebrar ou renovar o contrato e os montantes pagos pela sociedade desportiva a

agentes, mandatários ou intermediários, relativos a transferências de jogadores.

4 - A quota anual de amortização que pode ser aceite como gasto fiscal éa que corresponde à aplicação

das taxas de amortização determinadas em função da duração do contrato celebrado com a sociedade,

utilizando o método das quotas constantes.

5 - Exclui-se do disposto no número anterior os valores pagos ou, por qualquer forma, atribuídos a

quaisquer entidades residentes fora do território português e aí submetidas a um regime fiscal claramente mais

favorável, designadamente quando o território de residência da mesma conste da lista aprovada por portaria

do Ministro das Finanças.

6 - Considera-se Revisor Oficial de Contas independente aquele que não faça parte do clube ou da

sociedade desportiva, nem com estes possua relações especiais, nos termos do n.º 4 do artigo 63.º do Código

do IRC.

Artigo 4.º

Reinvestimento dos valores de realização

À diferença positiva entre as mais-valias e as menos-valias realizadas mediante transmissão onerosa dos

elementos do ativo referidos no artigo anterior é aplicável, com as devidas adaptações, o disposto no artigo

48.º do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas, desde que o valor da realização

correspondente à totalidade desses elementos seja reinvestido na contratação de jogadores ou na aquisição

de bens do ativo tangível afetos a fins desportivos, até ao final do terceiro exercício seguinte ao da realização.

Artigo 5.º

Isenção de IMT, selo e emolumentos

1 - Às sociedades que se reorganizem nos termos do Decreto-Lei n.º [Reg. DL 483/2012], podem ser

concedidos os seguintes benefícios:

a) Isenção de IMT relativamente à transmissão de bens imóveis necessários à reorganização, desde que

esta seja reconhecida de interesse municipal pelo órgão autárquico competente;

b) Isenção de imposto do selo, dos emolumentos e de outros encargos legais que se mostrem devidos

pela prática de todos os atos inseridos no processo de reorganização.

2 - Para efeitos do disposto no número anterior, considera-se reorganização:

a) A constituição de sociedades desportivas, mediante integração da totalidade ou de parte dos ativos dos

clubes desportivos afetos ao exercício de uma atividade que constitua, do ponto de vista técnico, uma

exploração autónoma, desde que essa atividade deixe de ser exercida pelo clube desportivo e passe a sê-lo

pela sociedade desportiva;

b) A incorporação por sociedades desportivas da totalidade ou de parte dos ativos dos clubes desportivos

afetos ao exercício de uma atividade que constitua, do ponto de vista técnico, uma exploração autónoma,

desde que essa atividade deixe de ser exercida pelo clube desportivo e passe a sê-lo pela sociedade

desportiva;

c) A constituição de sociedades mediante a integração de parte dos ativos dos clubes desportivos afetos

ao exercício de uma atividade que constitua, do ponto de vista técnico, uma exploração autónoma, desde que

essa atividade deixe de ser exercida pelo clube e passe a sê-lo pela nova sociedade e o capital desta seja

maioritariamente detido por uma sociedade desportiva ou pelo clube fundador;

d) A incorporação, por uma sociedade já constituída, de parte dos ativos de clubes desportivos afetos ao

exercício de uma atividade que constitua, do ponto de vista técnico, uma exploração autónoma, desde que

Páginas Relacionadas
Página 0108:
II SÉRIE-A — NÚMERO 50 108 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 52/XII (2
Pág.Página 108
Página 0109:
12 DE DEZEMBRO DE 2012 109 estrutural da violência exercida contra as mulheres é ba
Pág.Página 109
Página 0110:
II SÉRIE-A — NÚMERO 50 110 A Convenção esclarece, ainda, que “as medi
Pág.Página 110
Página 0111:
12 DE DEZEMBRO DE 2012 111 O artigo 16.º dedica-se aos Programas preventivos de int
Pág.Página 111
Página 0112:
II SÉRIE-A — NÚMERO 50 112 qualquer outra mutilação total ou parcial
Pág.Página 112
Página 0113:
12 DE DEZEMBRO DE 2012 113 do artigo 1.º da Convenção de 1951 relativa ao Estatuto
Pág.Página 113
Página 0114:
II SÉRIE-A — NÚMERO 50 114 Além do GREVIO, a Convenção prevê a criaçã
Pág.Página 114
Página 0115:
12 DE DEZEMBRO DE 2012 115 O Capítulo XI contém as matérias relativasàs Emendas à C
Pág.Página 115
Página 0116:
II SÉRIE-A — NÚMERO 50 116 contra as mulheres e raparigas, a Convençã
Pág.Página 116