O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 147

14

organização autárquica e, mais concretamente ainda, à forma de organização autárquica consistente nas

autarquias locais constitucionalmente tipificadas (municípios, freguesias e regiões administrativas).

23. Recuperando o acima referido em sede de descrição dos traços gerais caracterizadores do regime

jurídico previsto para as comunidades intermunicipais no NRJAL, estas são «pessoas coletivas de direito

público de âmbito territorial autárquico que integram a administração autónoma municipal» (artigo 63.º, n.º 1),

tendo portanto, natureza de pessoas coletivas territoriais – tal como as autarquias locais.

A criação das comunidades intermunicipais, bem como as suas eventuais modificações supervenientes e

sua extinção, dá-se por via legal e não por via de associativismo municipal, ou seja, pela vontade dos

municípios integrantes (artigo 64.º, n.º 1), o que revela, mais uma vez, equivalência com o regime

constitucionalmente previsto para as categorias de autarquias locais expressamente identificadas na

Constituição, também criadas, modificadas e extintas por lei (artigo 164.º, alínea n), da CRP).

Podem ser encontrados vários outros exemplos dessa equiparação entre os regimes aplicáveis às

comunidades intermunicipais e às autarquias locais nas normas do NRJAL em apreciação. Como foi referido,

no que respeita ao quadro de definição das atribuições, as comunidades intermunicipais gozam, tal como as

autarquias, de uma cláusula geral de atribuições genéricas. O artigo 2.º prevê as atribuições de autarquias e

de comunidades com a mesma cláusula geral e os artigos 7.º, 23.º e 65.º, aplicáveis, respetivamente, a

freguesias, municípios e comunidades têm uma redação em tudo equivalente. O mesmo se pode dizer

relativamente ao artigo 3.º, que tem como epígrafe «Competências», e aos princípios gerais a respeitar na

prossecução das respetivas atribuições e exercício de competências (artigo 4.º) – sempre definidos em

paralelismo com as das autarquias locais. Neste âmbito verifica-se, pois, uma equiparação funcional ou

material às autarquias locais. Um outro aspeto em que se verifica a referida equiparação às autarquias locais é

o da definição das relações entre o Estado e as comunidades intermunicipais, já que estas, tal como as

autarquias (artigo 242.º da CRP), estão sujeitas ao regime da tutela administrativa (n.º 3 do artigo 63.º).

Quando não equipara o regime destas novas entidades intermunicipais diretamente ao regime jurídico

estabelecido para as autarquias locais, o legislador equipara-o ao de outras formas de organização territorial

autárquica, como acontece ao nível orgânico, com a definição dos respetivos órgãos e regime por remissão

expressa e quase integral para a estrutura orgânica das áreas metropolitanas. Também na indicação das

competências das comunidades intermunicipais, por força da utilização da técnica remissiva, mais uma vez

vigora o princípio de equiparação a formas de organização territorial autárquica, no caso, os órgãos das áreas

metropolitanas (artigos 89.º a 93.º).

24. São atribuídos às comunidades intermunicipais poderes públicos em tudo equiparáveis (e equiparados)

aos das autarquias locais. Aí se incluem poderes regulamentares próprios e genéricos, para a emissão de

regulamentos com eficácia externa. Esta competência regulamentar genérica, que pode ter por objeto

quaisquer matérias da competência dos respetivos órgãos, revela mais um aspeto de equiparação das

comunidades às autarquias (cfr. o artigo 70.º, n.º 1, alínea m), aplicável às comunidades por força do artigo

90.º, com o artigo 9.º, n.º 1, alínea f), e com o artigo 25.º, n.º 1, alínea g)), sendo que, relativamente a estas, o

poder regulamentar encontra sede constitucional (artigo 241.º da CRP).

Os interesses prosseguidos por estas entidades não coincidem necessariamente com os interesses

particulares de cada um dos municípios que as integram. As respetivas atribuições podem surgir como

justapostas ou mesmo sobrepostas às dos municípios. Esse é o resultado expresso da lei que se refere a

interesses próprios das populações destas entidades, a propósito da definição das suas atribuições (artigos

2.º, 7.º, 23.º e 65.º).

Além disso, as comunidades intermunicipais funcionam como uma estrutura organizativa com poderes

supramunicipais, o que sugere um grau superior às autarquias locais existentes (municípios e freguesias). De

facto, no diploma em apreciação, estabelecem-se várias competências daquelas entidades que implicam

poderes relativos aos municípios, como o de emitir pareceres sobre o exercício de competências das

assembleias municipais, mas também o poder de deliberar sobre «a forma de imputação material aos

municípios integrantes da [comunidade intermunicipal] das despesas não cobertas por receitas próprias»

(artigo 70.º, n.º 1, alíneas n) e bb), por força do artigo 90.º). A previsão de poderes públicos próprios no âmbito

Páginas Relacionadas
Página 0003:
5 DE JUNHO DE 2013 3 DECRETO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA N.º 132/XII (ESTABEL
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 4 Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 296/
Pág.Página 4
Página 0005:
5 DE JUNHO DE 2013 5 2. Resumidamente, são os seguintes os fundamentos invocados pa
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 6 5. As normas objeto do pedido de apreciação
Pág.Página 6
Página 0007:
5 DE JUNHO DE 2013 7 Artigo 4.º Entrada em vigor Sem prejuízo do dispos
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 8 O Decreto n.º 132/XII estabelece o regime j
Pág.Página 8
Página 0009:
5 DE JUNHO DE 2013 9 de definir expressamente a organização do poder político ao ní
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 10 14. Importa igualmente referir que
Pág.Página 10
Página 0011:
5 DE JUNHO DE 2013 11 Artigo 63.º Natureza e regime 1 – As entidades in
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 12 17. O conjunto de normas em apreciação inc
Pág.Página 12
Página 0013:
5 DE JUNHO DE 2013 13 As suas atribuições são definidas logo no artigo 2.º da parte
Pág.Página 13
Página 0015:
5 DE JUNHO DE 2013 15 municipal vai ao ponto de se estabelecer a possibilidade do «
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 16 Constituição Portuguesa Anotada, R. Medeir
Pág.Página 16
Página 0017:
5 DE JUNHO DE 2013 17 29. Conclui-se, assim, que as normas relativas à criação, ao
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 18 Artigo 102.º Intangibilidade das atr
Pág.Página 18
Página 0019:
5 DE JUNHO DE 2013 19 Artigo 107.º Intangibilidade das atribuições e âmbito d
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 20 regime de parceria (artigo 8.º, n.º 2, da
Pág.Página 20
Página 0021:
5 DE JUNHO DE 2013 21 2, da CRP e o princípio da legalidade administrativa, constan
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 22 É certo que no diploma não se enumeram ou
Pág.Página 22
Página 0023:
5 DE JUNHO DE 2013 23 Reportando-nos ao regime da delegação de poderes em apreciaçã
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 24 poder de dispor inovatoriamente sobre a ma
Pág.Página 24
Página 0025:
5 DE JUNHO DE 2013 25 com competência para delegar, mereçam um mínimo de densificaç
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 26 impugnadas e ao restante preceituado onde
Pág.Página 26
Página 0027:
5 DE JUNHO DE 2013 27 (iii) – pela inconstitucionalidade consequente do artigo 1.º
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 28 Maria Lúcia Amaral. DECLARAÇÃ
Pág.Página 28
Página 0029:
5 DE JUNHO DE 2013 29 determinável o âmbito subjetivo (ativo) da delegação, sem nec
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 30 e outras: em ambos os casos estão em causa
Pág.Página 30
Página 0031:
5 DE JUNHO DE 2013 31 materiae), justifica-se materialmente a opção por uma habilit
Pág.Página 31