O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 147

30

e outras: em ambos os casos estão em causa autarquias locais de caráter supramunicipal (a figura das áreas

metropolitanas previstas no NRJAL não se filia no artigo 236.º, n.º 3, da Constituição; aliás, os únicos

requisitos fixados no artigo 64.º do citado diploma em vista da respetiva criação valem para todas as

“entidades intermunicipais” e, portanto, também para as áreas metropolitanas). Compreende-se, por isso, a

sua recondução pelo NRJAL ao conceito comum de “entidade intermunicipal” (cfr. o artigo 63.º, n.os

1 e 2).

Estas autarquias estão previstas apenas para o continente, abrangendo a totalidade dos municípios aí

sedeados, são criadas simultaneamente e as suas atribuições próprias são prosseguidas em articulação com

os municípios, envolvendo o exercício de competências de planeamento (cfr. os artigos 64.º, n.os

1 e 3, 65.º e

70.º, n.º 1, alínea d), do NRJAL). A correspondência estrutural e funcional com as regiões administrativas,

designadamente com o disposto nos artigos 255.º, 256.º, n.º 1, 257.º e 258.º da Constituição, é patente.

Justifica-se, por conseguinte, a seguinte questão: caso o Decreto n.º 132/XII fosse promulgado e entrasse em

vigor, que papel restaria para as regiões administrativas? Estas ainda teriam algum espaço ao lado das

entidades intermunicipais? O que distingue estas últimas do tipo de autarquia local com caráter supramunicipal

previsto na Constituição é apenas a denominação: o nomen iuris dado pelo legislador ordinário é o de

“entidade intermunicipal”, enquanto a Constituição adota para o mesmo tipo de autarquia a designação de

“região administrativa”.

Contudo, relativamente aos institutos disciplinados na Constituição ou nela simplesmente tipificados, o

legislador ordinário não é livre de os redenominar. Com efeito, as designações constitucionais são – ou podem

ser – elas próprias constitucionalmente significativas (basta pensar em eventuais ressonâncias ideológicas ou

na preocupação de assinalar linhas de continuidade ou descontinuidade com outras tradições constitucionais).

Daí que faça parte da disciplina jurídica constitucionalmente prevista e prescrita, mesmo daquela que se

traduza na previsão de tipos ou de institutos, a própria designação específica adotada, isto é, o nomen iuris

constitucional. Assim, as autarquias locais referidas no artigo 236.º, n.º 1, da Constituição são típicas e

nominadas, no sentido de a cada um dos tipos de tais autarquias não poder deixar de corresponder a

designação constitucionalmente atribuída.

Por outro lado, ainda que tivesse sido observada a denominação constitucionalmente correta, a verdade é

que a criação das comunidades municipais (e o mesmo seria válido para as áreas metropolitanas) pelo artigo

64.º do NRJAL e a eleição dos membros do respetivo órgão deliberativo assente num sistema de

representação maioritária previsto no artigo 67.º, n.º 2, por remissão do artigo 90.º, n.º 1, ambos do mesmo

NRJAL, violaria, respetivamente, os artigos 256.º e 239.º, n.º 2, e 260.º da Constituição.

II. Quanto à segunda alínea da decisão: a não inconstitucionalidade da faculdade de delegação de

competências administrativas do Governo nos municípios e nas entidades intermunicipais (áreas

metropolitanas e comunidades intermunicipais)

Não acompanhei a decisão.

A “delegação de competências” prevista no artigo 99.º e seguintes do Anexo I do Decreto n.º 132/XII

(“NRJAL”) – no seguimento da “descentralização administrativa” disciplinada no artigo 94.º e seguintes do

mesmo diploma - apresenta-se, por um lado, e devido a implicar uma relação intersubjetiva, como uma figura

afim da delegação de poderes em sentido próprio – em rigor, trata-se de uma delegação de atribuiçõesou

funções - que concorre para uma maior eficácia da ação administrativa, para aproximar os serviços das

populações e para reforçar o princípio da autonomia local na sua vertente participativa (a «autonomia-

participação»), uma vez que permite alargar o âmbito de atuação autárquico a domínios de relevante interesse

local – pelo menos, por ora – legalmente atribuídos ao Estado. A concretização da mesma “delegação” por via

de contrato interadministrativo garante, por outro lado, a salvaguarda dos interesses relevantes de ambos os

contraentes públicos, incluindo o da unidade de ação administrativa, sendo tal contrato, para mais, o

instrumento adequado à harmonização do desempenho das respetivas atribuições (cfr. o artigo 338.º, n.º 1, do

Código dos Contratos Públicos; v. também o artigo 100.º, n.º 1, do NRJAL).

Num quadro constitucional em que o legislador reconhece uma ampla sobreposição de áreas de atuação

do Estado e das autarquias locais delimitada, positivamente, pelos domínios de interesses próprios e,

negativamente, pelos domínios de atuação exclusiva de cada entidade (por imposição legal ou ratione

Páginas Relacionadas
Página 0003:
5 DE JUNHO DE 2013 3 DECRETO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA N.º 132/XII (ESTABEL
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 4 Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 296/
Pág.Página 4
Página 0005:
5 DE JUNHO DE 2013 5 2. Resumidamente, são os seguintes os fundamentos invocados pa
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 6 5. As normas objeto do pedido de apreciação
Pág.Página 6
Página 0007:
5 DE JUNHO DE 2013 7 Artigo 4.º Entrada em vigor Sem prejuízo do dispos
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 8 O Decreto n.º 132/XII estabelece o regime j
Pág.Página 8
Página 0009:
5 DE JUNHO DE 2013 9 de definir expressamente a organização do poder político ao ní
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 10 14. Importa igualmente referir que
Pág.Página 10
Página 0011:
5 DE JUNHO DE 2013 11 Artigo 63.º Natureza e regime 1 – As entidades in
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 12 17. O conjunto de normas em apreciação inc
Pág.Página 12
Página 0013:
5 DE JUNHO DE 2013 13 As suas atribuições são definidas logo no artigo 2.º da parte
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 14 organização autárquica e, mais concretamen
Pág.Página 14
Página 0015:
5 DE JUNHO DE 2013 15 municipal vai ao ponto de se estabelecer a possibilidade do «
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 16 Constituição Portuguesa Anotada, R. Medeir
Pág.Página 16
Página 0017:
5 DE JUNHO DE 2013 17 29. Conclui-se, assim, que as normas relativas à criação, ao
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 18 Artigo 102.º Intangibilidade das atr
Pág.Página 18
Página 0019:
5 DE JUNHO DE 2013 19 Artigo 107.º Intangibilidade das atribuições e âmbito d
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 20 regime de parceria (artigo 8.º, n.º 2, da
Pág.Página 20
Página 0021:
5 DE JUNHO DE 2013 21 2, da CRP e o princípio da legalidade administrativa, constan
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 22 É certo que no diploma não se enumeram ou
Pág.Página 22
Página 0023:
5 DE JUNHO DE 2013 23 Reportando-nos ao regime da delegação de poderes em apreciaçã
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 24 poder de dispor inovatoriamente sobre a ma
Pág.Página 24
Página 0025:
5 DE JUNHO DE 2013 25 com competência para delegar, mereçam um mínimo de densificaç
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 26 impugnadas e ao restante preceituado onde
Pág.Página 26
Página 0027:
5 DE JUNHO DE 2013 27 (iii) – pela inconstitucionalidade consequente do artigo 1.º
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 147 28 Maria Lúcia Amaral. DECLARAÇÃ
Pág.Página 28
Página 0029:
5 DE JUNHO DE 2013 29 determinável o âmbito subjetivo (ativo) da delegação, sem nec
Pág.Página 29
Página 0031:
5 DE JUNHO DE 2013 31 materiae), justifica-se materialmente a opção por uma habilit
Pág.Página 31