O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 101 10

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 316/XIII (1.ª)

PELO COMBATE À PRECARIEDADE NA ESTIVA

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 334/XIII (1.ª)

PELA ALTERAÇÃO DO REGIME JURÍDICO DO TRABALHO PORTUÁRIO

Informação da Comissão de Trabalho e Segurança Social relativa à discussão do diploma ao abrigo

do artigo 128.º do Regimento da Assembleia da República

1. Quinze Deputados do Grupo Parlamentar do Partido Comunista Português tomaram a iniciativa de

apresentar o Projeto de Resolução n.º 316/XIII (1.ª) (PCP), ao abrigo do disposto na alínea b) do artigo 156.º da

Constituição da República Portuguesa e da alínea b) do n.º 1 do artigo 4.º do Regimento da Assembleia da

República (RAR).

2. Dezanove Deputados do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda tomaram a iniciativa de apresentar o

Projeto de Resolução n.º 334/XIII (1.ª) (BE), ao abrigo do disposto na alínea b) do artigo 156.º da Constituição

da República Portuguesa e da alínea b) do n.º 1 do artigo 4.º do Regimento da Assembleia da República (RAR).

3. As iniciativas deram entrada na Assembleia da República, respetivamente, a 12 e 25 de maio 2016; foram

admitidas a 13 e a 27 de maio e baixaram nestas mesmas datas à Comissão de Trabalho e Segurança Social.

4. Os projetos de resolução contêm uma designação que traduz o objeto e bem assim uma exposição de

motivos.

5. Não tendo sido solicitado por qualquer grupo parlamentar que a respetiva discussão se realizasse em

reunião plenária, nos termos do artigo 128.º do RAR, a mesma teve lugar na reunião da Comissão de Trabalho

e Segurança Social de 15 de junho de 2016 nos seguintes termos:

 O Sr. Deputado Bruno Dias (PCP) introduziu a discussão sublinhando que o fim da audição com o

Sindicato dos Estivadores, Trabalhadores de Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal na

Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas permitiu a presença da respetiva direção, que saudou,

naquela sala para acompanhar a discussão que agora tinha início.

Esclareceu que a realidade que se vive nos portos nacionais é de ataque generalizado aos direitos dos

trabalhadores, com a degradação das condições de trabalho e das relações laborais, mas também com a

degradação das condições da segurança operacional e da qualidade do serviço na estiva. Daí que a situação

que o sector está a atravessar venha suscitar a exigência de uma resposta efetiva do poder político e das

autoridades competentes, não só nas medidas concretas para combater a precariedade, mas desde logo nas

necessárias alterações ao regime de trabalho portuário, no sentido de revogar as normas gravosas desse

diploma.

O projeto de resolução apresentado pelo GP do PCP faz referência a três elementos principais. Em primeiro

lugar, no que diz respeito ao efetivo portuário, para o PCP, a forma natural de funcionamento dos portos

portugueses, que permitiria salvaguardar esse princípio, seria a de uma administração pública dos portos que

assegurasse diretamente todas as operações portuárias, constituindo esse efetivo portuário no quadro das

próprias empresas públicas que asseguram a administração portuária.

Mas não é essa a realidade existente. O sector portuário foi dos primeiros a ser liberalizado, com a entrega

da maioria da atividade portuária a grupos económicos através de concessão. Este desenvolvimento negativo,

só por si, não é impeditivo que o efetivo portuário fosse constituído no interior das administrações portuárias,

desde que se impusesse aos operadores privados o recurso a trabalhadores da administração portuária para a

realização do trabalho portuário.

Mas também não foi essa a opção tomada. O caminho seguido até 2011 foi o da criação, em cada porto, de

uma empresa de trabalho portuário (ETP), onde se encontra o essencial do efetivo portuário, empresa que

depois fornece os estivadores necessários às operações de cada operador portuário. Essas ETP são

propriedade do conjunto das empresas operadoras portuárias.

Páginas Relacionadas
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 4 PROJETO DE LEI N.º 271/XIII (1.ª) REVOGA A
Pág.Página 4
Página 0005:
24 DE JUNHO DE 2016 5 a) (…); b) (…); c) (…); d) (…); e
Pág.Página 5