O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 24 42

 Aprofundar a diplomacia económica, sobretudo na vertente internacionalização e promoção do

comércio internacional;

 Um novo folego à política de cooperação para o desenvolvimento, uma vez definido o novo modelo de

atuação.

Um Portugal Global

No que respeita ao multilateralismo, definido nas Grandes Opções do Plano para 2016-2019 como “princípio

básico da orientação política externa portuguesa”, destacam-se as seguintes medidas para 2017:

 “Participação ativa no sistema das Nações Unidas, com destaque para o mandato como membro do

Conselho de Direitos Humanos (2015-2017), para a Aliança das Civilizações e para a promoção da

educação e da cultura, designadamente como membro eleito do Comité do Património Mundial da

UNESCO (2013-2017)”;

 “Ênfase na dimensão de diplomacia para os direitos humanos”;

 “Acompanhamento e defesa, perante a Comissão de Limites da Plataforma Continental das Nações

Unidas, da proposta de extensão da plataforma continental de Portugal”;

Tendo em conta o atual contexto global marcado pela “multiplicidade e complexidade” das ameaças à

segurança internacional, que obrigam a uma maior cooperação e convergência entre os países na defesa dos

princípios do modelo civilizacional baseados na paz, democracia e respeito pelos Direitos Humanos, considera-

se necessária uma atuação reforçada no que respeita a:

 Valorizar a afirmação e reputação de Portugal no mundo como defensor e promotor desses mesmos

princípios;

 “Simplificar e sistematizar a cooperação técnico-militar, potenciando-a, sempre que possível, num

contexto mais abrangente de cooperação internacional, promovendo novas abordagens no quadro da

CPLP ou a nível bilateral, com programas inovadores, nas áreas da formação, do treino e das

indústrias de defesa”;

 “Aprofundar a cooperação entre as Forças Armadas e as Forças e Serviços de Segurança, com o

desenvolvimento de um enquadramento de coordenação, face ao caráter único das ameaças e riscos

com que agora nos confrontamos, nomeadamente no plano da ciberdefesa.”

No que respeita às relações bilaterais, Portugal privilegiará o diálogo com países com quem tem laços

identitários e históricos e onde possuí interesses específicos. Neste sentido, destacam-se as relações bilaterais

com parceiros europeus importantes como a Espanha e o Reino Unido; com países latino-americanos, em

particular o Brasil, um parceiro no âmbito da CPLP; os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, reforçando

as relações de cooperação e económicas; Timor-Leste permanece um parceiro importante na geografia asiática;

e os Estados Unidos da América, pela importância do Acordo de Cooperação e Defesa, mas também pela

cooperação económica e nos domínios da ciência e tecnologia e ensino superior.

No âmbito das políticas de cooperação para o desenvolvimento, destaca-se a aprovação do novo modelo

de atuação que tem em linha de conta os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030.

Promover-se-á o modelo de cooperação triangular, alargando o escopo dos programas à América Latina, África

Ocidental e Norte de África.

As medidas preconizadas para o estreitamento da ligação às comunidades portuguesas passam pela

modernização dos serviços da rede consular incluindo o seu reforço em áreas geográficas prioritárias, em

particular na UE e nos EUA, bem como medidas adicionais de apoio às comunidades que vivem em contextos

e circunstancias mais difíceis. Neste ponto ainda é de salientar a adoção de medidas que visam facilitar o

investimento de empresários portugueses na diáspora no país. O documento refere ainda que serão lançadas

iniciativas de informação às comunidades sobre direitos laborais e questões fiscais.

Páginas Relacionadas
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 14 COMISSÃO DE ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADE
Pág.Página 14
Página 0015:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 15  Melhoria da gestão do sistema judicial e descongestionam
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 16 Em matéria de prevenção e combate à criminalidade,
Pág.Página 16
Página 0017:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 17 Cumpre dizer, contudo, que a proposta de lei de Orçamento
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 18 Unidade: Euros ORÇAMENTO GERAL Designaçã
Pág.Página 18
Página 0019:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 19 I c) 3.2. Gestão Administrativa e Financeira do Ministério
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 20 Unidade: Euros Órgãos e Serviços do Sistema Jud
Pág.Página 20
Página 0021:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 21 I c) 3.5. Investimentos (Capítulo 50) Relati
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 22 Unidade: Euros 2016 2017 VARIAÇÃO
Pág.Página 22
Página 0023:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 23 Refere o relatório que acompanha o OE 2017, que “O elevado
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 24 I c) 7. Despesa por medidas dos programas De acord
Pág.Página 24
Página 0025:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 25 Tribunal de Contas - secção regional dos 1.291.706 1.334.2
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 26  Artigo 211.º (Alteração do Regulamento das Custas Proce
Pág.Página 26
Página 0027:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 27 PARTE IV – ANEXOS Anexa-se, qu
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 28 À Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberda
Pág.Página 28
Página 0029:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 29 Neste âmbito propõe-se: a libertação do maior númer
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 30  Simplificação do processo contraordenacional, através d
Pág.Página 30
Página 0031:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 31  Artigo 84.º (Interconexão de dados no âmbito das contrao
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 32 O acréscimo de 2,0% da despesa do subsector Estado result
Pág.Página 32
Página 0033:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 33  Desenvolvimentos orçamentais (Fonte: Mapas OE-12
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 34 1. O Governo apresentou à Assembleia da República,
Pág.Página 34
Página 0035:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 35 PARECER SECTORIAL – ÁREA DA IGUALDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 36 – Prosseguir o debate com os parceiros sociais de modo a
Pág.Página 36
Página 0037:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 37 2. Proposta de Orçamento – Desenvolvimentos orçamen
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 38 Por fim, no que respeita à promoção da igualdade no traba
Pág.Página 38
Página 0039:
3 DE NOVEMBRO DE 2016 39 Artigo 211.º Alteração ao Regulamento das Custas Pr
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 24 40 4. Nas Grandes Opções do Plano, na área da Igualdade e Nã
Pág.Página 40