O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

19 DE ABRIL DE 2018

17

Porém, fica cada vez mais a sensação de que o atual Governo vive à custa dos resultados que herdou.

Perante investidores internacionais, e tendo em vista captar investimento estrangeiro, institutos tutelados pelo

Ministério das Finanças ainda continuam a apresentar as reformas implementadas pelo anterior Governo

PSD/CDS-PP como um caso de sucesso, num claro contraste com o discurso político dos líderes de PS, BE e

PCP que as diabolizam.

A realidade é que volvidos mais de dois anos de governação, ainda não se conhece, pelo menos no campo

económico, uma única reforma, dita estrutural, que tenha sido adotada pelo atual Governo socialista.

O atual Governo vive de uma conjuntura económica positiva que herdou, a par dos resultados das medidas

que foram tomadas pelos seus antecessores. No entanto, nada tem feito para garantir a sustentabilidade desta

realidade que é hoje mais positiva do que quando a troika aterrou em Portugal.

Também não se conhece uma única medida de fomento ao investimento, bem pelo contrário, o que

naturalmente tem motivado críticas por parte dos representantes das empresas.

Não podemos igualmente deixar de lamentar a falta de valorização, de reconhecimento, e mesmo de respeito

pela Concertação Social, a qual já não é chamada a pronunciar-se sobre alterações à legislação laboral. Tão

pouco foi conseguido um acordo para o aumento da Retribuição Mensal Mínima Garantida (RMMG) para 2018,

facto que não encontra precedentes nos últimos aumentos, sem esquecer que o Governo não cumpriu o acordo

acordado para o aumento da RMMG para 2017.

Apesar de ainda vivermos numa conjuntura económica positiva, para a qual o Governo em nada tem

contribuído com as suas políticas, começam a surgir alguns sinais preocupantes.

Desde logo, o investimento estrangeiro, concretamente o industrial, tem estado em queda, o que só pode ser

motivo para preocupação, principalmente no caso de uma pequena e aberta economia como o é a portuguesa.

Fonte: Banco de Portugal

O cenário também não é nada otimista se analisarmos os principais rankings internacionais relacionados

com a competitividade da economia portuguesa.

Se analisarmos, por exemplo, os relatórios divulgados pelo World Economic Forum, concretamente o “The

Global Competitiveness Report”, constata-se que no relatório de 2015, Portugal ocupava a 38.ª posição ao nível

da competitividade, sendo que, no relatório de 2017 (o mais recente), Portugal já se encontrava na 42.ª posição.

O nosso país está pior numa das mais relevantes montras internacionais da competitividade. É urgente fazer

algo.

Quando nos focamos nos valores mais recentes do crescimento económico, é verdade que Portugal está a

crescer. No entanto está a crescer menos face a muitos dos seus parceiros europeus, sendo que grande parte

desses países possui taxas de IRC inferiores às de Portugal.

Páginas Relacionadas
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 8 À conjuntura apresentada supra, sublinha-se
Pág.Página 8
Página 0009:
19 DE ABRIL DE 2018 9 Não deveria ser assim. Sempre defendemos que a reposição de r
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 10 Segundo o Eurostat, nos últimos dez anos,
Pág.Página 10
Página 0011:
19 DE ABRIL DE 2018 11 2.2 O Caso particular da fiscalidade sobre os combustíveis (
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 12 Em Portugal, o peso dos impostos so
Pág.Página 12
Página 0013:
19 DE ABRIL DE 2018 13 Em junho de 2017 Portugal estava acima da média da Zona Euro
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 14 Posto isto, nada justifica que o Governo m
Pág.Página 14
Página 0015:
19 DE ABRIL DE 2018 15 2.4 Investimento no SNS (variação em %) A real
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 16 3. Crescimento económico A recupera
Pág.Página 16
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 18 Países que simultaneamente cresceram mais
Pág.Página 18
Página 0019:
19 DE ABRIL DE 2018 19 Fonte: Eurostat Não se co
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 20 Banco de Portugal Cr
Pág.Página 20
Página 0021:
19 DE ABRIL DE 2018 21 Há hoje uma nova oportunidade para atrair pessoas num mundo
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 22 Em 2017 assistimos ao regredir da produtiv
Pág.Página 22
Página 0023:
19 DE ABRIL DE 2018 23 Desta forma terão sempre particular relevância as questões r
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 24 A Linha de Cascais continua a ser um dos e
Pág.Página 24
Página 0025:
19 DE ABRIL DE 2018 25 A consequência deste estrangulamento por parte do Ministério
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 26 especialidades e hospitais, apesar de, est
Pág.Página 26
Página 0027:
19 DE ABRIL DE 2018 27 Conforme o CDS-PP tem vindo a afirmar, o acesso, a qualidade
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 28 C. Sucesso na Educação não se alcança com
Pág.Página 28
Página 0029:
19 DE ABRIL DE 2018 29 diárias nas instituições de ensino e a taxa de execução do o
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 30 acumulam num fundo pessoal, são sim usadas
Pág.Página 30
Página 0031:
19 DE ABRIL DE 2018 31 concertada, mudar as políticas com o intuito de enfrentar de
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 32 medida concreta para a prossecução deste o
Pág.Página 32
Página 0033:
19 DE ABRIL DE 2018 33 G. Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas (FEA
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 34 I. Alterações à lei do trabalho, o desresp
Pág.Página 34
Página 0035:
19 DE ABRIL DE 2018 35 alteração muitos trabalhadores passaram a preferir receber e
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 36 O interior do País deve, assim, ser alvo d
Pág.Página 36
Página 0037:
19 DE ABRIL DE 2018 37 – Quanto ao Fundo Nacional para a Reabilitação do Edificado,
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 38 Com tal Estratégia, pretendia o anterior G
Pág.Página 38
Página 0039:
19 DE ABRIL DE 2018 39 o País já está a sentir e, por outro lado, que o prepare par
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 40 Como o Governo, também o CDS-PP enunciou j
Pág.Página 40
Página 0041:
19 DE ABRIL DE 2018 41  Recursos Tecnológicos: consideramos adequado que o Governo
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 42 P. Uma Segurança Descurada Apesar d
Pág.Página 42
Página 0043:
19 DE ABRIL DE 2018 43 combate de incêndios florestais. Para 2018, no que respeita
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 44 Preconiza ainda o PNR:  O reforço
Pág.Página 44
Página 0045:
19 DE ABRIL DE 2018 45 para que os privados invistam na floresta de produção atravé
Pág.Página 45
Página 0046:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 46 O Governo tem vindo a desenvolver a sua po
Pág.Página 46
Página 0047:
19 DE ABRIL DE 2018 47 Pelas características mediterrânicas do nosso país, a água é
Pág.Página 47
Página 0048:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 48 Todas estas atividades têm de ser devidame
Pág.Página 48
Página 0049:
19 DE ABRIL DE 2018 49 iii) Deve avançar-se com uma medida de Crédito Fiscal Extrao
Pág.Página 49
Página 0050:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 50 xii)Deve definir-se uma rede de referencia
Pág.Página 50
Página 0051:
19 DE ABRIL DE 2018 51 viii) Estudar alterações ao estatuto de trabalhador-estudant
Pág.Página 51
Página 0052:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 52 iv) Efetuar um diagnóstico social das famí
Pág.Página 52
Página 0053:
19 DE ABRIL DE 2018 53 J. No âmbito das políticas de promoção da coesão social e te
Pág.Página 53
Página 0054:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 54 i) Promover a criação de oferta de habitaç
Pág.Página 54
Página 0055:
19 DE ABRIL DE 2018 55 da sua competência, sempre passível de recurso para os tribu
Pág.Página 55
Página 0056:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 56 P. Na área da Segurança, o PNR deve dar at
Pág.Página 56
Página 0057:
19 DE ABRIL DE 2018 57 i. Pôr em prática as medidas, ativas e passivas, de prevençã
Pág.Página 57
Página 0058:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 58 x) O PNR deve assumir claramente a vontade
Pág.Página 58