O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

19 DE ABRIL DE 2018

27

Conforme o CDS-PP tem vindo a afirmar, o acesso, a qualidade na saúde e a sustentabilidade do SNS são

prioridades inquestionáveis, das quais não abdicamos. É, por isso, essencial perceber o impacto dos

pagamentos em atraso no funcionamento do SNS e na assistência prestada aos utentes.

A reforma dos Cuidados de Saúde Primários tem estado parada. Nos Cuidados Continuados, o número de

camas da Rede é insuficiente para as necessidades, havendo cerca de 1700 pessoas referenciadas a aguardar

vaga. Os investimentos na Saúde Mental têm sido, ao contrário do prometido, muito residuais. Foi prometido um

Plano para as Demências, mas ainda não existe. O Estatuto do Cuidador Informal continua por criar. O

Enfermeiro de Família continua por implementar. Os sucessivos atrasos na abertura dos concursos têm levado

à indesejável proliferação de médicos indiferenciados. No período da gripe, e apesar dos hospitais terem os

seus planos de contingência preparados, não podiam abrir mais camas para dar resposta ao aumento de

afluência, porque o Ministério das Finanças não autorizava e assistimos a milhares de utentes internados em

macas, nos corredores dos hospitais, em condições completamente indignas. Inúmeras unidades de saúde

precisam de obras de requalificação, modernização e ampliação, algumas já têm a autorização do Ministério da

Saúde – como a ala pediátrica do Hospital de São João, no Porto, ou o Hospital de São Bernardo, em Setúbal,

entre tantos outros –, mas as obras não podem avançar porque o Ministério das Finanças não autoriza. A maioria

dos equipamentos para realização de meios complementares de diagnóstico e terapêutica estão avariados ou

obsoletos, mas os hospitais não os podem mandar reparar nem substituir, porque não lhes são atribuídas verbas.

Inúmeras unidades de saúde deparam-se com falta de material básico.

Não podemos deixar de falar, também, no descontentamento generalizado e na exaustão que se verifica

junto dos profissionais de saúde, a quem o Governo gerou expectativas que não consegue cumprir. Somos

permanentemente confrontados com greves de médicos, enfermeiros e outros profissionais que não se

conformam com a falta de condições para poderem exercer o seu trabalho com qualidade, em segurança e de

acordo com as expectativas que o Governo lhes criou.

Conforme o CDS-PP tem vindo a alertar nos últimos quase três anos, não bastam boas intenções para

garantir a sustentabilidade do SNS, nem um SNS de qualidade e acessível a todos.

São precisas medidas que sustentem estas boas intenções2. São precisas medidas que funcionem. São

precisas medidas que apresentem resultados efetivos e não apenas um rol de boas intenções que mais não

fazem do que demonstrar que o Governo está completamente alheado da realidade. O Governo tem vindo a

insistir numa retórica de propaganda que não salva o SNS e, por muito que o negue, a verdade é que temos um

Ministro da Saúde refém do Ministro das Finanças e que não consegue pôr em marcha medidas essenciais para

resolver os problemas.

E isto acontece porque, ao contrário do que o Governo apregoa, não há dinheiro para implementar medidas.

Ao contrário do que o Governo apregoa, a austeridade não acabou. As cativações na saúde têm sido sucessivas

e têm sido usadas pelo Governo não como um instrumento de boa gestão, mas como um instrumento de redução

do défice público. Na realidade, estamos perante uma austeridade encapotada que está a asfixiar o SNS. Está

à vista de todos que a Saúde não é uma prioridade para o Governo.

O acesso à Saúde é um direito constitucionalmente garantido a todos os portugueses e não podemos permitir

que o Governo lhes negue esse direito, como tem estado a fazer.

E é lamentável assistir ao Governo a irresponsavelmente fingir que está tudo bem e assistir ao BE e ao PCP

que, ao mesmo tempo que suportam o Governo, irresponsavelmente fingem que fazem oposição e são

inconsequentes ao viabilizarem esta ação governativa.

2 São precisas medidas que assegurem o pagamento das dívidas; que diminuam os prazos médios de pagamento aos fornecedores; que devolvam autonomia às administrações hospitalares; que reforcem os recursos humanos na Saúde; que garantam a fixação de médicos nas zonas carenciadas; que diminuam os tempos de espera para consulta, para cirurgia e para exames complementares de diagnóstico e terapêutica, que são demasiado longos; que garantam o acesso dos internos de medicina à especialidade que pretendem; que assegurem que as unidades de saúde não se deparam com falta de material; que permitam às unidades de saúde substituir os equipamentos que estão avariados e/ou obsoletos; que promovam o acesso aos Cuidados Continuados; que assegurem o acesso a cuidados de Saúde Mental; que assegurem o acesso a Cuidados Paliativos; que assegurem que os hospitais têm verba para comprar medicamentos; que descongelem a reforma dos Cuidados de Saúde Primários, que está parada; que disponibilizem às direções clínicas e de serviços dos hospitais condições de trabalho e de prestação de cuidados de saúde de qualidade.

Páginas Relacionadas
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 8 À conjuntura apresentada supra, sublinha-se
Pág.Página 8
Página 0009:
19 DE ABRIL DE 2018 9 Não deveria ser assim. Sempre defendemos que a reposição de r
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 10 Segundo o Eurostat, nos últimos dez anos,
Pág.Página 10
Página 0011:
19 DE ABRIL DE 2018 11 2.2 O Caso particular da fiscalidade sobre os combustíveis (
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 12 Em Portugal, o peso dos impostos so
Pág.Página 12
Página 0013:
19 DE ABRIL DE 2018 13 Em junho de 2017 Portugal estava acima da média da Zona Euro
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 14 Posto isto, nada justifica que o Governo m
Pág.Página 14
Página 0015:
19 DE ABRIL DE 2018 15 2.4 Investimento no SNS (variação em %) A real
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 16 3. Crescimento económico A recupera
Pág.Página 16
Página 0017:
19 DE ABRIL DE 2018 17 Porém, fica cada vez mais a sensação de que o atual Governo
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 18 Países que simultaneamente cresceram mais
Pág.Página 18
Página 0019:
19 DE ABRIL DE 2018 19 Fonte: Eurostat Não se co
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 20 Banco de Portugal Cr
Pág.Página 20
Página 0021:
19 DE ABRIL DE 2018 21 Há hoje uma nova oportunidade para atrair pessoas num mundo
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 22 Em 2017 assistimos ao regredir da produtiv
Pág.Página 22
Página 0023:
19 DE ABRIL DE 2018 23 Desta forma terão sempre particular relevância as questões r
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 24 A Linha de Cascais continua a ser um dos e
Pág.Página 24
Página 0025:
19 DE ABRIL DE 2018 25 A consequência deste estrangulamento por parte do Ministério
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 26 especialidades e hospitais, apesar de, est
Pág.Página 26
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 28 C. Sucesso na Educação não se alcança com
Pág.Página 28
Página 0029:
19 DE ABRIL DE 2018 29 diárias nas instituições de ensino e a taxa de execução do o
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 30 acumulam num fundo pessoal, são sim usadas
Pág.Página 30
Página 0031:
19 DE ABRIL DE 2018 31 concertada, mudar as políticas com o intuito de enfrentar de
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 32 medida concreta para a prossecução deste o
Pág.Página 32
Página 0033:
19 DE ABRIL DE 2018 33 G. Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas (FEA
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 34 I. Alterações à lei do trabalho, o desresp
Pág.Página 34
Página 0035:
19 DE ABRIL DE 2018 35 alteração muitos trabalhadores passaram a preferir receber e
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 36 O interior do País deve, assim, ser alvo d
Pág.Página 36
Página 0037:
19 DE ABRIL DE 2018 37 – Quanto ao Fundo Nacional para a Reabilitação do Edificado,
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 38 Com tal Estratégia, pretendia o anterior G
Pág.Página 38
Página 0039:
19 DE ABRIL DE 2018 39 o País já está a sentir e, por outro lado, que o prepare par
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 40 Como o Governo, também o CDS-PP enunciou j
Pág.Página 40
Página 0041:
19 DE ABRIL DE 2018 41  Recursos Tecnológicos: consideramos adequado que o Governo
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 42 P. Uma Segurança Descurada Apesar d
Pág.Página 42
Página 0043:
19 DE ABRIL DE 2018 43 combate de incêndios florestais. Para 2018, no que respeita
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 44 Preconiza ainda o PNR:  O reforço
Pág.Página 44
Página 0045:
19 DE ABRIL DE 2018 45 para que os privados invistam na floresta de produção atravé
Pág.Página 45
Página 0046:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 46 O Governo tem vindo a desenvolver a sua po
Pág.Página 46
Página 0047:
19 DE ABRIL DE 2018 47 Pelas características mediterrânicas do nosso país, a água é
Pág.Página 47
Página 0048:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 48 Todas estas atividades têm de ser devidame
Pág.Página 48
Página 0049:
19 DE ABRIL DE 2018 49 iii) Deve avançar-se com uma medida de Crédito Fiscal Extrao
Pág.Página 49
Página 0050:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 50 xii)Deve definir-se uma rede de referencia
Pág.Página 50
Página 0051:
19 DE ABRIL DE 2018 51 viii) Estudar alterações ao estatuto de trabalhador-estudant
Pág.Página 51
Página 0052:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 52 iv) Efetuar um diagnóstico social das famí
Pág.Página 52
Página 0053:
19 DE ABRIL DE 2018 53 J. No âmbito das políticas de promoção da coesão social e te
Pág.Página 53
Página 0054:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 54 i) Promover a criação de oferta de habitaç
Pág.Página 54
Página 0055:
19 DE ABRIL DE 2018 55 da sua competência, sempre passível de recurso para os tribu
Pág.Página 55
Página 0056:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 56 P. Na área da Segurança, o PNR deve dar at
Pág.Página 56
Página 0057:
19 DE ABRIL DE 2018 57 i. Pôr em prática as medidas, ativas e passivas, de prevençã
Pág.Página 57
Página 0058:
II SÉRIE-A — NÚMERO 101 58 x) O PNR deve assumir claramente a vontade
Pág.Página 58