O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

6 DE JULHO DE 2018

29

i) A eliminação do descanso compensatório em caso de prestação de trabalho suplementar, assegurando-

se, em qualquer caso, o descanso diário e o descanso semanal obrigatório;

ii) A redução para metade dos valores pagos a título de acréscimo de retribuição;

iii) Em consonância com estas alterações, a redução para metade do acréscimo de retribuição devida por

trabalho normal prestado em dia feriado em empresa não obrigada a suspender o funcionamento nesse dia.

Deve sublinhar-se que estas medidas assumirão caráter imperativo relativamente aos instrumentos de

regulamentação coletiva de trabalho e aos contratos individuais de trabalho, pelo período de dois anos,

contados da entrada em vigor das alterações ao Código do Trabalho. Após este período, no que concerne aos

valores devidos a título de acréscimo de pagamento por trabalho suplementar ou de trabalho normal prestado

em dia feriado em empresas não obrigadas a suspender o funcionamento nesse dia, e, caso as disposições

que os preveem não sejam objeto de modificação, serão estes valores reduzidos a metade, até aos montantes

previstos no Código do Trabalho.

No âmbito das medidas acima elencadas, o Governo teve em linha de conta o previsto no Memorando de

Entendimento, cujo ponto 4.6 refere21 a revisão da retribuição especial pela prestação de trabalho suplementar

prevista no Código do Trabalho: (i) redução para o máximo de 50% (dos atuais 50% para a primeira hora de

trabalho suplementar, 75% para as horas seguintes e 100% para o trabalho suplementar em dia de descanso

semanal ou em feriado); (ii) eliminação do descanso compensatório correspondente a 25% do trabalho

suplementar prestado. Estas normas podem ser alteradas, para mais ou para menos, por convenção coletiva

de trabalho.

Também noCompromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego foi reconhecida a necessidade

de aproximar os valores devidos em caso de prestação de trabalho suplementar daqueles que são aplicados

em países concorrentes, assegurando contudo a adequada compensação do trabalhador pelo esforço

acrescido inerente a este tipo de prestação. Neste sentido, as partes subscritoras do Compromisso

convencionaram:

i) Eliminar, com carácter imperativo, relativamente a IRCT’s ou contratos de trabalho, o descanso

compensatório, assegurando-se, em qualquer caso, o descanso diário e o descanso semanal obrigatório;

ii) Reduzir para metade os montantes pagos a título de acréscimo pela retribuição de trabalho suplementar

(25% na primeira hora ou fração desta e 37,5% por hora ou fração subsequente, em caso de trabalho

suplementar prestado em dia útil; 50% por cada hora ou fração, em caso de trabalho suplementar prestado em

dia de descanso semanal, obrigatório ou complementar, ou em feriado;

iii) Reduzir para metade os montantes atuais devidos a título de acréscimo retributivo pela prestação de

trabalho suplementar constantes de IRCT ou contrato de trabalho;

iv) Durante dois anos, contados da entrada em vigor da lei que proceda às referidas reduções, os limites

legais, com a redução operada, têm natureza absolutamente imperativa sobre quaisquer IRCT’s ou contratos

de trabalho;

v) Decorrido o prazo de dois anos referido no item iv), aplicam-se os limites constantes de IRCT ou

contrato de trabalho, reduzidos nos termos do item iii) se entretanto os mesmos limites não tiverem sido objeto

de alteração, em sede de IRCT ou contrato de trabalho, caso em que se aplicarão os montantes resultantes

dessas alterações;

Reduzir para metade a retribuição do trabalho normal prestado em dia feriado em empresa não obrigada a

suspender o funcionamento, sem prejuízo da manutenção da possibilidade de opção do empregador pelo

descanso compensatório.

Nos termos do Código do Trabalho, é considerado trabalho suplementar aquele que é prestado fora do

horário de trabalho, excluindo-se desta noção as situações relacionadas com a isenção de horário, com

trabalho compensatório, com trabalho durante o período de tolerância, com o tempo utilizado pelo trabalhador

em ações e formação profissional, com trabalho prestado para compensar situações de falta ou de ausência

do trabalhador, com trabalho prestado para compensar a possibilidade de encerramento da empresa para

21Vd. pág. 23.

Páginas Relacionadas
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 14 cidadãos, de modo a assegurar o conhecimen
Pág.Página 14
Página 0015:
6 DE JULHO DE 2018 15 PROJETO DE LEI N.º 903/XIII (3.ª) (REVERTE OS CORTES I
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 16 Uma vez que as iniciativas versam sobre ma
Pág.Página 16
Página 0017:
6 DE JULHO DE 2018 17 disponível na Parte IV – Anexos deste parecer.
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 18 PARTE III – CONCLUSÕES Tendo
Pág.Página 18
Página 0019:
6 DE JULHO DE 2018 19 Índice I. Análise sucinta dos factos, si
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 20 Tomam a forma de projeto de lei, em confor
Pág.Página 20
Página 0021:
6 DE JULHO DE 2018 21  Verificação do cumprimento da lei formulário – Projet
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 22 O título está conforme com as regras de le
Pág.Página 22
Página 0023:
6 DE JULHO DE 2018 23 o seu objeto, mostrando-se conforme ao disposto no n.º 2 do a
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 24 necessário à luz da alínea a) do n.º 3 do
Pág.Página 24
Página 0025:
6 DE JULHO DE 2018 25 Os autores não promoveram a republicação, em anexo, da Lei Ge
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 26 Em 2009, com a aprovação do atual Código d
Pág.Página 26
Página 0027:
6 DE JULHO DE 2018 27 Regulamentação Coletiva de Trabalho (IRCT), que prevejam a ma
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 28 num Estudo18 publicado em janeiro de 2013,
Pág.Página 28
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 30 férias junto a uma ponte ou feriado (cfr.
Pág.Página 30
Página 0031:
6 DE JULHO DE 2018 31 Iniciativas Estado Projeto de Lei n.º 898/XIII (3.ª) (
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 32 recuperação das enormes energias sacrifica
Pág.Página 32
Página 0033:
6 DE JULHO DE 2018 33 períodos de descanso mais amplos: 41, 39, 37 (Alemanha e Eslo
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 34 descanso necessário, mediante a limitação
Pág.Página 34
Página 0035:
6 DE JULHO DE 2018 35 FRANÇA Setor Privado – Regime de Férias
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 36 referido regime é regulado pelo Décret n.°
Pág.Página 36
Página 0037:
6 DE JULHO DE 2018 37 Na ausência de acordo, a quota (anual) é fixada em 220 horas
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 38 ocasiões especiais. Por outro lado, quando
Pág.Página 38
Página 0039:
6 DE JULHO DE 2018 39 parágrafo 2, da Convenção n.º 1). Outros instrumentos
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 137 40 n.º 608/XIII (3.ª) (PCP). Exemplifica-se c
Pág.Página 40