O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 4

32

Os magistrados no ativo não podem ser nomeados árbitros. Esta incompatibilidade está prevista na lei

desde a reforma de 2001, operada Loi organique n° 2001-539 du 25 juin 2001 relative au statut des magistrats

et au Conseil supérieur de la magistrature, que alterou o estatuto dos magistrados.

No entanto, esta proibição não afeta juízes que estejam na reforma.

IV. Iniciativas legislativas e petições pendentes sobre a mesma matéria

 Iniciativas legislativas

Efetuada uma pesquisa à base de dados da atividade parlamentar verificou-se que se encontram

pendentes as seguintes iniciativas sobre matéria idêntica e conexa:

Projeto de Lei 786/XIII/3.ª (CDS-PP) – Quarta alteração ao Decreto-Lei n.º 10/2011, de 20 de janeiro, que

aprova o Regime Jurídico da Arbitragem em Matéria Tributária.

Projeto de Lei 934/XIII/3.ª (PCP) – Proíbe o Estado de recorrer à arbitragem como forma de resolução de

litígios em matéria administrativa e fiscal.

Projeto de Lei n.º 941/XIII/3.ª (BE) – Termina com a possibilidade de recurso à arbitragem, por parte do

Estado e pessoas coletivas públicas.

 Petições

Consultada a base de dados da Atividade Parlamentar (AP), não se identificou qualquer petição pendente,

neste momento, sobre matéria idêntica.

V. Consultas e contributos

Em 16 de julho de 2018 foram pedidos pareceres às seguintes entidades: Conselho Superior do Ministério

Público, Ordem dos Advogados, Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais e Associação

Portuguesa de Arbitragem.

Os mesmos ficarão disponíveis na página da iniciativa assim que forem recebidos.

VI. Apreciação das consequências da aprovação e dos previsíveis encargos com a sua aplicação

Em face da informação disponível, não é possível determinar ou quantificar eventuais encargos resultantes

da aprovação da presente iniciativa.

———

PROJETO DE LEI N.º 956/XIII/3.ª

(PROMOÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO)

Parecer da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas e nota técnica elaborada pelos

serviços de apoio

Parecer

Índice

Parte I – Considerandos

Páginas Relacionadas
Página 0033:
26 DE setembro DE 2018 33 Parte II – Opinião do Deputado Autor do Parecer Pa
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 4 34  uma rede de transportes públicos sustentáv
Pág.Página 34
Página 0035:
26 DE setembro DE 2018 35 política nacional de turismo é “… prosseguida por um conj
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 4 36 território nacional de forma mais homogénea
Pág.Página 36
Página 0037:
26 DE setembro DE 2018 37 IV. Iniciativas legislativas e petições pendentes sobre a
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 4 38 Assim, os Deputados do Grupo parlamentar de
Pág.Página 38
Página 0039:
26 DE setembro DE 2018 39 entanto, no sentido de salvaguardar o disposto no n.º 2 d
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 4 40 económicos, sociais, culturais e ambientais,
Pág.Página 40
Página 0041:
26 DE setembro DE 2018 41 Outro elemento relevante para a análise da iniciativa é o
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 4 42 Atualmente as empresas de turismo na UE estã
Pág.Página 42
Página 0043:
26 DE setembro DE 2018 43 Refere os projetos “Interreg Europe” (fornecem apoio na c
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 4 44 No website do Ministerio de Agricultura, Pes
Pág.Página 44
Página 0045:
26 DE setembro DE 2018 45 Uma das áreas em que tem vindo a prestar serviços é nos p
Pág.Página 45