O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

4 | II Série B - Número: 060 | 10 de Dezembro de 2010

Nasceu em Lisboa no ano de 1942. Concluiu a Licenciatura em Economia no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (ISEG) em 1964 e o Doutoramento na Universidade Católica Portuguesa em 1982.
Era Professor de Economia e Director do Instituto de Estudos Europeus desta instituição.
A sua extensa vida profissional, quer no meio académico, quer no mundo empresarial, quer em funções públicas, ficou sempre caracterizada pelo seu empenhamento ilimitado, pela sua capacidade de trabalho e pelo seu sentido do dever.
De facto, após cumprir o serviço militar como Oficial da Reserva Naval, entre 1964 e 1967, iniciou a sua carreira profissional como Assistente Técnico do Serviço de Estatística e Estudos Económicos e, mais tarde, entre 1985 e 1989 voltou ao Banco de Portugal como consultor económico. Ao longo do seu percurso exerceu também esta função de consultor económico para várias empresas, instituições e governos.
É uma referência na história política portuguesa e na integração de Portugal na União Europeia. Entre 1975 e 1979 foi Embaixador de Portugal em Bona e, entre 1979 e 1983, foi Chefe de Missão de Portugal junto das Comunidades Europeias em Bruxelas, tendo sido responsável pelas negociações para a adesão de Portugal.
No IX Governo Constitucional, entre 1983 e 1985, foi Ministro das Finanças. Nessa qualidade foi signatário dos Actos de Adesão de Portugal e da Espanha à União Europeia.
Actuou sempre de uma forma activa e construtiva na sociedade. Foi membro fundador de diversas entidades, tais como o Instituto Humanismo e Desenvolvimento e o CR XXI — Clube de Reflexão. Entre 1987 e 1996 foi membro da Comissão Nacional de Justiça e Paz. Exerceu, ainda, cargos sociais em diversas instituições, nomeadamente na Associação Portuguesa de Economistas, na Associação Portuguesa de Analistas Financeiros e na Associação dos Oficiais da Reserva Naval. Era Presidente da Fundação LusoEspanhola.
Nos últimos anos, mais distanciado da vida política, nunca deixou de intervir na defesa de causas que considerava estratégicas para Portugal, as quais sobrepunha sempre aos problemas conjunturais do País.
Realça-se o estudo que coordenou O Hypercluster da economia do mar que avaliou as potencialidades que este recurso criaria no nosso país.
Enquanto lutava contra a doença continuou a participar civicamente na nossa sociedade, com palavras que devem merecer a nossa reflexão.
De facto, Ernâni Lopes partiu.
Mas o seu exemplo, os seus alertas, o seu sentido de responsabilidade, a sua credibilidade, o seu pensamento sobre Portugal perdurará no amanhã.
A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, manifesta o seu pesar pelo falecimento de Ernâni Rodrigues Lopes e endereça à sua família sinceras condolências.

Palácio de São Bento, 9 de Dezembro de 2010 Os Deputados: Francisco de Assis (PS) — Miguel Macedo (PSD) — Manuela Ferreira Leite (PSD) — Jorge Strecht (PS) — Fernando Negrão (PSD) — Duarte Pacheco (PSD) — Pedro Duarte (PSD) — Paula Barros (PS) — Rui Prudêncio (PS).

———

PETIÇÃO N.º 61/XI (1.ª) (APRESENTADA POR HUGO ALEXANDRE LOPES LAIBAÇAS E OUTROS, SOLICITANDO À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA O NÃO ENCERRAMENTO TOTAL DA LINHA FERROVIÁRIA ENTRE LISBOA E ÉVORA E, CONSEQUENTEMENTE, A MANUTENÇÃO DA CIRCULAÇÃO DO COMBOIO INTERCIDADES QUE FAZ A LIGAÇÃO ÉVORA-LISBOA-ÉVORA)

Relatório final da Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações

Parte I Introdução

Páginas Relacionadas
Página 0002:
2 | II Série B - Número: 060 | 10 de Dezembro de 2010 VOTO N.º 77/XI (2.ª) DE CONGRATULAÇÃO
Pág.Página 2