O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-B — NÚMERO 11

10

específicas ou com exigências educativas especiais e o apoio para promoção do sucesso educativo. Entendem,

por isso, que os docentes de QZP apenas deveriam dar resposta a estas circunstâncias especiais e não

substituir a abertura de lugares de quadro, defendendo que a libertação de um lugar de quadro deve dar lugar

à abertura de uma vaga no quadro em vez de ser ocupada ininterruptamente por docentes de QZP.

Defendem a graduação profissional como único critério na colocação de docentes no concurso interno e na

mobilidade interna, devendo os docentes de QZP e de Quadro de Agrupamento ou de Escola concorrer na

mesma prioridade para evitar injustiças.

Solicitam, em suma, a alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho, com as alterações introduzidas

pelo Decreto-Lei n.º 83-A/2014, de 23 de maio, “de forma a plasmar a graduação profissional como único critério

de seleção e colocação dos docentes em todos os momentos concursais e a abertura de lugares de quadro de

Agrupamento”.

III – Análise da petição

Conforme é referido na nota de admissibilidade da petição e, passando a citar:

1. O objeto da petição está especificado e o texto é inteligível, encontrando-se identificados os subscritores,

estando também presentes os demais requisitos formais estabelecidos no artigo 9.º da Lei de Exercício do

Direito de Petição/LDP, Lei n.º 43/90, de 10 de agosto, alterada e republicada pela Lei n.º 45/2007, de 24 de

agosto.

2. Consultada a base de dados da atividade parlamentar, verifica-se que foi apreciada no início de 2015 a

Petição n.º 445/XII (4.ª), cujos peticionários “Solicitam a alteração do n.º 2 do artigo 42.º do Decreto-Lei n.º

132/2012 e que a integração nos quadros cumpra a lista única de graduação a nível nacional”.

3. Atento o referido e dado que a petição em apreciação tem um objeto parcialmente diferente da anterior e

cumpre os requisitos formais estabelecidos, entende-se que não se verificam razões para o seu indeferimento

liminar – nos termos do artigo 12.º da Lei de Exercício do Direito de Petição – pelo que se propõe a admissão

da petição.

4. A matéria peticionada insere-se, em primeira linha, no âmbito da competência do Governo. No entanto,

“compete à Assembleia da República, no exercício de funções de fiscalização, vigiar pelo cumprimento da

Constituição e das leis e apreciar os atos do Governo e da Administração”.

IV – Diligências efetuadas pela Comissão

Dando cumprimento às exigências formais legalmente estabelecidas, dado o número de subscritores da

Petição em apreço, a Comissão efetuou as diligências previstas, nomeadamente a audição dos Peticionários

em sede de Comissão decorrida no dia 5 de janeiro e a publicação do texto da Petição no Diário da Assembleia

da República (DAR).

Foi ainda deliberado pela Comissão que se questionasse o Ministro da Educação e Ciência, os Sindicatos

(FENPROF, FNE e FENEI), o Conselho de Escolas, a Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) e

a Associação Nacional de Professores sobre o objeto da Petição, possibilitando a pronúncia no prazo estipulado

pela Lei do Exercício do Direito de Petição. No decurso deste pedido, a Comissão recebeu os pareceres da

FENPROF, da FNE, do Conselho de Escolas e do Ministro da Educação e Ciência, que se encontram na página

da comissão, na internet referente à Petição ora em apreço e que serão anexados ao presente relatório.

Subsequentemente, a Petição será ainda discutida no Plenário da Assembleia da República e o presente

relatório será enviado a S. Ex.ª o Sr. Presidente da Assembleia da República, aos grupos parlamentares e a S.

Ex.ª o Ministro da Educação, para eventual apresentação de iniciativas legislativas ou para tomada das medidas

que entenderem pertinentes, nos termos do artigo 19.º da Lei do Exercício de Direito de Petição.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
22 DE JANEIRO DE 2016 3 Foi Presidente da Assembleia da República entre 1995 e 2002
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-B — NÚMERO 11 4 Assim, não pode a Assembleia da República de
Pág.Página 4