O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

 

O Sr. Presidente (João Cravinho): - Srs. Deputados, temos quórum, pelo que declaro aberta a reunião.

Eram 15 horas e 50 minutos.

Srs. Deputados, vamos dar início à reunião da Comissão de Economia e Finanças com o Sr. Ministro da Economia, que se faz acompanhar dos Srs. Secretários de Estado, a quem cumprimento.
Como é hábito, primeiro, os representantes dos grupos parlamentares terão oportunidade de intervir durante 10 minutos, estando inscrito, desde já, o Sr. Deputado Maximiano Martins.
Antes disso, porém, quero recordar os Srs. Deputados de que, às 18 horas, teremos uma reunião com um alto funcionário do Fundo Monetário Internacional, Chefe da Divisão dos Países do Sul da Europa. Peço, pois, aos Srs. Deputados, sobretudo aos Srs. Deputados coordenadores, que tenham isso presente.
Tem a palavra o Sr. Deputado Maximiano Martins.

O Sr. Maximiano Martins (PS): - Sr. Presidente, Sr. Ministro, Srs. Secretários de Estado: Estamos, de novo, num processo de debate, de contraditório, sempre muito útil, mas nem sempre avançamos aquilo que queremos e que o País exige. É que indicadores recentes, designadamente indicadores de confiança do Instituto Nacional de Estatística, mostram que ao nível quer dos consumidores, quer da indústria, quer das obras públicas, quer do comércio, mas, sobretudo, ao nível dos consumidores, os indicadores de confiança atingiram os seus mínimos históricos. Infelizmente para nós, o mínimo histórico não é tão antigo quanto isso, mas é, apesar de tudo, do momento da adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia. Há uma grande preocupação com a situação económica futura do País, com o aumento do desemprego, e uma pouquíssima disponibilidade para a aquisição de certos bens, designadamente de habitação própria.
Significa isto que a viragem da confiança não se deu e que a imagem que continua a passar é a de o Governo privilegiar o curto prazo e o equilíbrio das finanças públicas, sem cuidar da economia real e da competitividade. Eu já disse isto, mas repito: os indicadores mostram-no e muitos economistas e empresários também têm tomado posição pública neste sentido.
Sei que certamente o Sr. Ministro reconhece a relevância deste problema e a importância da conciliação de objectivos em política económica. Amante que é da teoria económica, certamente dará o seu contributo para que essa conciliação de objectivos não seja definitivamente sacrificada.
Sr. Ministro, existem, para os meios empresariais e os agentes económicos e sociais, alguns factores que explicam esta baixa confiança. Um deles é a situação relativa à proposta dos pagamentos especiais por conta neste Orçamento do Estado é um deles, matéria sobre a qual o Sr. Deputado Fernando Serrasqueiro fará, depois, uma intervenção mais em detalhe.
Mas, de um modo mais alargado, de norte a sul do País e nas ilhas, ouvem-se preocupações, como esta "Face ao aumento do número de empresas em falência e do desemprego, nomeadamente entre os jovens (…)", que têm levado a iniciativas várias, uma das quais terá sido uma reunião de emergência da Comissão Política Distrital do Porto do PSD, nesta semana. Só que, Sr. Ministro, é certamente mais difícil mobilizar o País do que sossegar o líder distrital portuense do PSD e evitar a sua demissão.
Evidentemente, não tenho razões para não acreditar na boa fé do Ministro da Economia, mas a verdade é que estas preocupações sobre a confiança e as expectativas são um traço marcante da conjuntura económica, em Portugal.
Admito também que tenha sido genuíno o incómodo do Ministro da Economia, mais próximo das empresas, quando questionado, no nosso último debate nesta Câmara, sobre a ausência de estratégia de privatizações. Porém, faço lembrar que um quadro elevado do PSD e do meio empresarial disse recentemente algo mais forte do que aquilo que eu disse, ao afirmar, ainda neste fim-de-semana, algo do género: "Já passaram seis meses e ainda ninguém viu nada, a situação é quase vergonhosa,…" (a expressão não é minha) "… mas a culpa não é de quem fala mas, sim, do silêncio ensurdecedor do Ministro da Economia". Quem diz isto é Luís Todo Bom.
As notícias de hoje sobre a privatização da Portucel podem ser o prenúncio da clarificação estratégica nesta matéria. Tudo temos de fazer para que isso aconteça e para que a Assembleia da República possa acompanhar esses processos. É que a ausência de informação não é certamente um elemento que ajude à criação de um clima económico favorável.
Admito igualmente que as declarações do Sr. Ministro sobre o Programa para a Produtividade e Crescimento da Economia (PPCE) pretendam ajudar à mudança do clima económico. Mas, Sr. Ministro, importa que esse discurso seja o discurso de todo o Governo, para reganhar a confiança dos portugueses na sua economia e na nossa sociedade, e que as declarações sejam credíveis, pela sua coerência e pelos conteúdos e qualidade das políticas.
Sobre conteúdos e qualidade das políticas, não é esta a ocasião para falar, vamos ter tempo para fazê-lo noutra altura. Mas sem dúvida - já o disse e reafirmo-o -, em breve, quereremos julgar as mudanças, por exemplo, na qualidade do investimento, induzidas pelas medidas anunciadas no quadro do PPCE, em particular do SIME (Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial) - fá-lo-emos a seu devido tempo.
Bem como julgaremos as consequências decorrentes da intervenção da banca na análise e crivo dos projectos de investimento. Veremos se as políticas públicas mantêm algum peso ou se estão a ser destruídas, se existe tratamento discriminatório na base de clientes bancários e, ou, das pequenas e médias empresas.
Bem como julgaremos os progressos tanto anunciados para o capital de risco.
Todas estas matérias são de maturação mais lenta e não nos ocupam agora, mas quero reafirmar a vontade, em nome dos eleitores que nos elegem, de, a seu tempo, apreciarmos o conteúdo e a qualidade das políticas e não apenas os títulos.
Sobre a coerência das políticas, há algo que vale a pena procurar esclarecer já hoje. É que os debates na especialidade revelaram algumas contradições e uma aparente falta de coordenação governamental. Poderá o Sr. Ministro da Economia esclarecer-nos sobre o que se passa?
Por exemplo, no âmbito do licenciamento industrial, o Ministro da Economia anunciou prazos curtos de decisão, prazos curtos de parecer das entidades participantes, e que, findos esses prazos, haveria licenciamento tácito. Já o Ministro das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente disse que não, que não haveria licenciamento tácito.

Páginas Relacionadas
Página 0341:
  Portanto, aí, há, sem dúvida, matéria que deve ser clarificada, para que se saiba exactam
Pág.Página 341
Página 0342:
  inicialmente, claramente acima dos compromissos comunitários; não é de repente que se ger
Pág.Página 342
Página 0343:
  por parte dos partidos da oposição em apontar casos pontuais, em apontar, como eu também
Pág.Página 343
Página 0344:
  Sobre o Programa para a Produtividade e Crescimento Económico (PPCE), diz o Sr. Deputado
Pág.Página 344
Página 0345:
  Ministros estarão, naturalmente, de acordo com elas - seria um pouco absurdo que houvesse
Pág.Página 345
Página 0346:
  O Sr. Deputado diz que foram empurradas despesas para 2004 e 2005, não vejo isso - nem sa
Pág.Página 346
Página 0347:
  risco, o reforço dos capitais permanentes das PME); terceiro eixo, a promoção das empresa
Pág.Página 347
Página 0348:
  as grandes mudanças estruturais - e, há pouco, esqueci-me de referir o licenciamento indu
Pág.Página 348
Página 0349:
  das empresas na cadeia de valor, que já referi, o que também estamos a procurar desenvolv
Pág.Página 349
Página 0350:
  sido aprovado o regulamento relativo a estes fundos, pelo que, neste momento, ele é um in
Pág.Página 350
Página 0351:
  O Sr. Diogo Feio (CDS-PP): - Sr. Presidente, Sr. Ministro da Economia, Srs. Secretários d
Pág.Página 351
Página 0352:
  hoje problemas muito graves na fase de criação de uma empresa, neste semestre concentrámo
Pág.Página 352
Página 0353:
  existem hoje, e que são para qualquer país, como sabem, elementos essenciais da promoção
Pág.Página 353
Página 0354:
  dificuldades gerais e económicas por que passa o País, é, obviamente, criar todas as cond
Pág.Página 354
Página 0355:
  Outra questão, Sr. Ministro, tem a ver com o INETI (Instituto Nacional de Engenharia e Te
Pág.Página 355
Página 0356:
  arrastar-se, em média, pelo menos, ano e meio até serem aprovadas nas várias entidades of
Pág.Página 356
Página 0357:
  como também centros de resultados, visto que podemos ter os centros de decisão cá e, por
Pág.Página 357
Página 0358:
  Ainda bem que esta discussão está a acontecer hoje, porque decidimos este modelo de priva
Pág.Página 358
Página 0359:
  à regra. Se existir uma "regra inteligente", que estabeleça um conjunto de coisas, há sem
Pág.Página 359
Página 0360:
  pelas outras entidades que estão na Comissão Permanente de Concertação Social, não há qua
Pág.Página 360
Página 0361:
  Portanto, Sr. Deputado Lino de Carvalho, este é um tema sensível, que reconhecemos ser di
Pág.Página 361
Página 0362:
  O Sr. José Apolinário (PS): - Sr. Presidente, Srs. Secretários de Estado, Sr. Ministro, d
Pág.Página 362
Página 0363:
  perfeitamente democratizada, não havendo necessidade de criar estruturas burocráticas.
Pág.Página 363
Página 0364:
  cabeça, Sr. Ministro, que ter-se-á referido a um qualquer evento que eu não conheço. No e
Pág.Página 364
Página 0365:
  Quanto à linha de crédito para o sector, devo dizer que se trata de uma linha de crédito,
Pág.Página 365
Página 0366:
  O Sr. Joaquim Pina Moura (PS): - Sr. Presidente, dá-me licença que use da palavra?
Pág.Página 366
Página 0367:
  montantes mais elevados. Vamos ver se a conjuntura ainda o permite. No entanto, como refe
Pág.Página 367