O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

[131]

cinzas, e seus habitantes morrerão cobertos de gloria, do que sujeitarem-se a existir viz, e abjectos escravos da vontade de um só homem, que tenha por direito divino o poder de Ter as nações em perpetua desgraça, a justiça sempre atropellada, e extintas as fintes da riqueza, e da prosperidade publica. Esses tempos passárão, e já não he possivel tornarem a voltar. Hoje as impresas livres mostrarão aos homens seus direitos; mostrão-lhe a desgraça systematica em que os tem esses que se dizem governados por dinheiro divino; e por tanto se estes pretendendo sustentar esse fingido direito quizessem ainda fazelo valer á força d'armas, e reformarem as casas alheias, combinado-se com alguns amigos internos, o conflicto chegaria á extremidade de se dizer por toda a Peninsula, França, Italia, etc.: Agora ou elles, ou nós os constitucionaes: já não há meio termo; nós fomos os provocados quando a ninguem offendiamos, e só tratavamos de nos
livrar da constante desgraça a que nos reduzia o Governo absoluto, e despotico: os que nos governavão por direito divino nos fizerão constantemente desgraçados, e agora ainda nos accommettem quando transigiamos com elles; pois desfaçamo-nos delles, e vamo-nos remediando com os que governão por direito humano. Então a dynastia do Sr. João VI, que sinceramente se uniu com a Nação portugueza para felicidade sua e della, rodeada do amor de todas as nações constitucionaes, brilharia com gloria nova, e mais ampla, no mesmo tempo em que a indignação geral trataria de pôr termo a que os eternos inimigos do regime constitucional voltassem ainda outra vez da sua emigração para lhe fazer nova guerra, e procurassem derrubar o edificio fabricado na sua emigração para lhe fazer nova guerra, e procurassem derrubar o edificio fabricado na sua ausencia. Como pois esses inimigos do systema representativo conhecem o perigo que correm se o atacassem directamente, quando a opinião publica da Europa chegou a formar-se contra o systema do poder despotico, ou absoluto; assim nós estamos firmes em que se, despresada aquella opinião, os sectarios daquelle monstruoso systema, deslumbrados por sua ambição, se abalançassem a accommetter directamente as liberdades peninsulares, primeiro lhes seria necessario reduzir a Peninsula a cinzas, do que imporem-lhe o jugo infame e detestavel, e que tão injusta provocação seria depois da victoria punida com a total destruição de quem tanto pertendesse atropellar os direitos da natureza. A Peninsula depois de provocada, rugiria como leão açanhado, como rugiu atassalhando Romanos, Godos, Mouros; e Francezes, e convertendo-se em fim em implacavel aggressora de seus aggressores, unindo suas forças aos povos de França, e Italia, ora sopeados por seus governos fanaticos, e intrigantes, faria destruir por uma vez esses despotas incorrigiveis, e estabelecer naquelles paizes governos representativos, constitucionaes, e suaves. Se pois o Sr. Deputado duvida que a regeneração irá por diante, conte que há de ir, e que nada há já que a possa fazer retrogradar; porque as nalções estão cançadas de governos despoticos, que as fazem desgraçadas sob a hypocrita divisa de direito divino, e sob a fabula da legitinidade, e do chamão principio monarquico, devendo chamar-lhe monstruoso despotismo.
O Sr. President: - Srs., eu quero falar sobre este objecto, e peço que o Sr. Vice-Presidente venha para a cadeira; e saíndo do seu lugar disse:
Senhores. Passei da cadeira para estes bancos porque não pude soffrer calado um ataque directo aos principios da nossa regeneração politica, e ao desenvolvimento completo que se lhe dá na Constituição jurada. O Sr. deputado Peixoto tirou esta conclusão dos seus argumentos, que se não devia tratar por ora do premio dos benemeritos, que se não devia tratar por ora do premio dos benemeritos que emprehenderão, e executárão a obra da regeneração; porque esta se achava muito no principio; ainda se não sabia o que era esta regeneração, e o que estava feito era nada em comparação do que estava por fazer, e que pelo complemento da obra he que se devia conhecer a sua utilidade, e não pelos principios. Eu quero tirar uma conclusão inteiramente opposta; isto he, que os benemeritos devem ser remunerados; porque a obra da regeneração está completa; e neste empenho penso me será permittido combater os principios do Sr. deputado, sem que por essa razão haja de parecer que eu me afasto da questão principal. A regeneração politica de um povo consiste na organisação do governo que o deve dirigir; consiste no modo de colocar os poderes politicos, e na marcha que se dá á sua excução. Os grandes principios, e as grandes verdades sobre esta materia estão consagrados na Constituição que todos nós jurámos. Os heroes de 24 de Agosto proclamarão as Cortes, e o Governo representativo; eis a pedra angular da regeneração: convocárão-se estas Cortes, e de quem forão compostas? De Deputados legitimamente eleitos pelos povos. Eis a segunda base de regeneração. E que fizerão estas Cortes? Conservárão a Religião, e a Dynastia, e disserão em um codigo escrito: que todos os annos havia haver Cortes filhas de livre eleição dos povos; que as leis se havião fazer em publico aonde os representantes do povo podessem denunciar sem susto algum as prevaricações publicas, e o abuso dos poderes; que o pensamento se poria na mais activa circulação por meio da imprensa; que o Rei aeria inviolavel, porém que seus ministros serão responsaveis. E com estes dogmas só (ainf«da que não houvesse outros muitos que vão de acordo com estes) não se póde dizer completa a obra da regeneração politica deum povo? E atreve-se o Sr, deputado a avaliar em pouco estes grandes principios? E quem os jurou, e os deve amar chega a ponto de mostrar em publico tanto despreso por elles? Que falta pois á nossa obra? Fazer leis justas que promovão ointeresse geral que não possa ir de acordo com os principios estabelecidos e com o governo que temos adoptado? Sobre tudo qual he a fórma, ou qual será o systema de governo que nos possa melhor garantir o acerto das medidas governativas? Aonde se farão melhor as leis? Será por ventura nos Congressos nacionaes compostos de tão differentes elementos, ou nos gabinetes doas ministros aonde só predominão paixões e interesses particulares?
Ah! Por este modo particular de governo he que muitos suspirão.

R 2