O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

[222]

narmos todos os outros, por ventura conseguiremos o que queremos sustentar? Pelo contrario eu julgo que nós o iriamos cortar pela raiz. He este o momento em que nos he indispensavel tratar de uma força, para que fique em pé tudo o que temos feito a favor de nossa monarquia, e de nossa ventura, eis-aqui o momento em que a população deve tambem por um momento sacrificar-se pura que se possa aumentar em séculos dilatados. Esta he uma consideração. Vou agora mais de perto examinar a questão da população, a fim de ver se pelo artigo se ataca tanto como se diz. Os casamentos aumentão a população quando são feitos com ordem, quando não se encontrão com as leis; mas não sendo com estas circunstancias não se tornão pesados á mesma sociedade? Um casamento feito precipitadamente, (como tem patenteado outro honrado membro que falou) e com o fim de livrar-se, o que o intenta, de servir a Nação, marca duas cousas: primeiramente marca um máo caracter naquelle homem, que quando vê que a patria precisa dos seus serviços se desvia de defendela; e não podem ser bom pai de familias, quem não he bom cidadão: marca também prejuizo para a sociedade, porque não poderão ser bons filhos os que nasção de tal pai. Por outra parte, o homem que procurou tal casamento por evitar um mal que elle supponha, e que longe de ser assim considerado, o devia encarar como um grande bem, e como uma honra concorrer como todos ao sustentaculo da sua Nação, este homem abandonaria em breves dias aquella que tomou por mulher; esta mulher ficaria em estado de não poder tornar a casar, e então aqui a temos em circunstancias de não servir a população. Tenho respondido a um e outro dos Preopinantes; pode ter que os não tenha satisfeito, isso será defeito da minha linguagem, mas não da verdade da minha asserção. Concluo pois, que nas actuaes circunstancias julgo necessaria a approvação do artigo em questão, fazendo-se, se se crê necessario, na sua redacção alguma emenda.
O Sr. Veiga Cabral: - Eu sou inteiramente conforme com o Sr. Marciano de Azevedo, que disse, que devem ficar isentos do recrutamento todos os que forem legitimamente casados, sem se marcar época. Que inconveniente pode acontecer de que assim se verifique? Primeiramente não he máo que se promovão indirectamente os casamentos, pois resulta um bem á sociedade. Em segundo lugar, se observamos o que nos diz a historia, sabemos que o primeiro exercito regular de que nella se faz mansão foi o de Alexandre o Grande, o qual sendo pequeno em numero, pois parece que apenas chegava a 50$ homens, destruiu ao exercito de Dario, e outros; e sabemos que exercito de Alexandre se compunha quasi todo de homens casados. Sem ser preciso recorrer á historia antiga (á qual não he inutil, nem fóra de proposito recorrer), sabemos que muitos dos maiores guerreiros que fizer ao prodigios de valor nas quatro partes do mundo conhecido, erão casados: ahi temos pois homens casados, e soldados. Supponhamos que agora, que se trata do recrutamento, casão muitos homens, e que se não preenche o numero de soldados precisos para o nosso exercito; dá-se uma providencia nova, depois vão-se fazer soldados esses mesmos homens casados, que se acharem em circunstancias de o serem. Por consequencia em se estabelecer a regra de que não sejão alistados para soldados os que são casados, não se faz senão indirectamente promover os casamentos, o que he util á sociedade, e em segundo logar não póde haver prejuizo, porque sendo necessario se fazem soldados esses mesmos casados. Por tanto sou da opinião do Sr. Marciano de Azevedo.
O Sr. Castro: - Direi sómente que esta lei he uma lei provisoria, que durará unicamente tres ou quatro mezes; e por conseguinte poderá approvar-se sem receio, pois na lei permanente se farão as modificações que sujeito necessarias.
O Sr. Silveira approvou o artigo.
O Sr. Brandão: - Sr. Presidente, tem-se tratado muito destas materias de matrimonio, e celibato; mas isto não tem grande connexão com o assumpto: tendo precisão de armas, parece que o artigo ato se devia, e deve ampliar alguma cousa. (Leu o artigo, e continuou ). O matrimonio he o primeiro elemento da sociedade; he verdade; e até daqui retiraria a consequencia, que todo o homem que chega á idade de produzir teria obrigação de pagar esta divida, ou de justificar-se como homem impotente, e incapaz: não tem duvida. Mas se o matrimonio he uma cousa de muito momento, he pela procreação, e a prole; se não ha prole não ha com que gabar tanto este estado. Em consequencia, faltando sujeitos para o recrutamento deverião ser incluidos nelle mesmo os casados que não tem filhos, e assim ficava mais aumentado o viveiro para o dito recrutamento. Porque se o matrimonio he um estado de consideração, o he pela razão expressada, e tanto, que ha nações que lhe tem dado commodos, e distincções publicas; e ate os Romanos, dos homem que tinhão filhos (sem mais attribuições) fizerão uma classe chamada os proleterios. Digo pois que o matrimonio he de muita distincção, tendo filhos, e até os privilegios que os Romanos concedião aos casados erão maiores, ou menores segundo o numero de filhos, de modo que o que tinha cinco filhos ficava livre de tributos. Ora, aumentando o artigo em sorte que porfio ser recrutados os casados que não tenhão filhos (dentro da idade de 17, a 25 annos) me parece que he mais vantajoso. Não sei porque razão devão ser os casados isentos de defenderem-se, e defender aos outros, só se estes outros tiverem finto o contracto de defender aos que não se empreguem em entra cousa que em fazer filhos para o Estado; ruas particularmente quando os não tem, nem com aquella obrigação cumprem, nem por ella devem ser dispensados. Em consequencia disso me parece que o artigo se devo aumentar, dizendo = todos os individuos casados legitimamente, etc. são isentos do recrutamento, menos os que estiverem dentro da idade de 17 até 25 annos, e não tenhão filhos. = Recresce ás razões que tenho manifestado, que os illustres autores do projecto considerarão só uma fracção da Nação, desde 17 até 20 annos, que vem a ser verdadeiramente a outava parte da população. Ora agora, eu terei lido em máos livros, póde bem ser, mas tenho lido em mais de um,