O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

416

DIARIO DA CAMARA DOS SENHORES DEPUTADOS

Discurso do sr. deputado Osorio de Vasconcellos, pronunciado na sessão de 9 de fevereiro, que devia ler-se a pag. 316, col. 1.', d'este Diario.

O Sr. Osorio de Vasconcellos: — Poucas palavras vou dizer sobre o assumpto, e de certo não fallaria n'esta questão se porventura não tivesse tido o gosto de ouvir o o sr. Camara Leme, com cujas idéas concordo em parte.

O illustre deputado, o sr. camara Leme, teve a rara habilidade de fazer com que, tanto a opposição como a maioria, concordassem n'um ponto, o que não admira, porquanto o illustre deputado, com o desejo de defender o sr. ministro do reino, não fez mais do que justificar os reparos justíssimos e as censuras que esta portaria mal fadada e tão mal defendida suscitou á opposição. (Apoiados.)

Antes de responder em breves termos á argumentação bastante transparente, para não dizer innocente, do sr. ministro do reino, seja-me permittido congratular-me com o sr. Camara Leme, por s. ex.ª ter levantado a sua voz auctorisada em todos os assumptos, mas principalmente n'este, defendendo o serviço militar obrigatorio.

Sr. presidente, é hoje demonstrado, pôr factos incontestaveis, que não hà exercito possivel perante a organisação da sociedade moderna senão aquelle que tem como base de recrutamento toda a população valida do paiz. (Apoiados.)

Sr. presidente, tudo que não seja isto, poderá concorrer para se armar uma guarda pretoriana a favor de um governo, mas nunca uma instituição util, um exercito valente, um exercito perfeitamente adestrado, que tire do paiz a força necessaria para o combate, e que assegure a independencia nacional. (Apoiados.)

Sr. presidente, admira-me como o illustre ministro do reino Ousou modificar por esta portaria uma lei que foi votada ha tres annos pelo parlamento, lei que o illustre presidente do conselho teve 0 cuidado de ausentar e defender com a sua palavra, dizendo que a approvação d'ella