O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

assim o fez aquelle Governo; celebrando um Tra-ctado -com a ."Bélgica , em que esta eonceáe favor aos vinhos Francezes. e aqtielle favor aos tecidos de linho desta ; mas alli diz se , Sr. Presidente, qife n diminuição desses direitas e um prejuiso directo para os vinhos Francezes, e que ha de augtnentar o consumo dos vinhos Portuguezes. Oh ! ignorância , porque não vindes Francezes aprender economia política a Lisboa! (Riso.)

Sr. Presidente, é necessário qne nos convença* mós que esle negocio devesahir dos limites docam<_-pó particulares='particulares' vejo='vejo' aos='aos' governo='governo' apresentada='apresentada' algumas='algumas' pelo='pelo' fiscaes.='fiscaes.' ler='ler' rio='rio' tem='tem' presidente='presidente' ligas='ligas' ter='ter' como='como' nas='nas' pode-mós='pode-mós' portuguezes='portuguezes' suas='suas' exemplo='exemplo' liga='liga' interesses='interesses' urna='urna' cidades='cidades' tornar='tornar' desfalques='desfalques' tnmar='tnmar' as='as' vantagem='vantagem' estamos='estamos' gue='gue' nações='nações' estão='estão' pediam='pediam' sua='sua' tfactado='tfactado' combatermos='combatermos' entendo='entendo' trnclajo='trnclajo' tenha='tenha' negócios='negócios' cnturavio='cnturavio' merecido='merecido' facto='facto' dos='dos' tracíado='tracíado' qtie='qtie' sinhos='sinhos' ran-dês='ran-dês' rendas='rendas' por='por' essa='essa' sido='sido' essencialmente='essencialmente' razno='razno' outro='outro' sem='sem' similhante='similhante' respeito='respeito' tanta='tanta' joorgue='joorgue' sr='sr' _='_' geographica='geographica' alfândegas='alfândegas' a='a' hannover='hannover' inglaterra.='inglaterra.' e='e' vanlagens='vanlagens' presi='presi' uar='uar' lhe='lhe' linha='linha' podíamos='podíamos' cornmerciaes='cornmerciaes' ourãs='ourãs' o='o' p='p' urn='urn' vantajoso='vantajoso' ouvido='ouvido' tenho='tenho' da='da' defender='defender' lubec='lubec' com='com' de='de' parle='parle' estado='estado' nossos='nossos' celebrado='celebrado' f-ram='f-ram' acho='acho' parte='parte' dio='dio' do='do' mais='mais' dente='dente' mesmo='mesmo' aquelle='aquelle' dizer-íe='dizer-íe' celebração='celebração' ahrnanha='ahrnanha' das='das' favorável='favorável' podiam='podiam' realmen-lê='realmen-lê' navegação='navegação' em='em' fal-lar='fal-lar' económico='económico' sr.='sr.' _.='_.' quiz-tam='quiz-tam' eu='eu' partido-='partido-' douro='douro' na='na' vi='vi' esta='esta' recusa='recusa' vantagens='vantagens' pre-sidenlffj='pre-sidenlffj' rrmiias='rrmiias' que='que' hamburgo='hamburgo' no='no' etlií='etlií' idea='idea' deliu='deliu' fazer='fazer' uma='uma' senão='senão' devem='devem' situação='situação' nós='nós' delia='delia' reflexão='reflexão' nos='nos' para='para' devemos='devemos' jornaes='jornaes' paiz='paiz' wo='wo' devidas='devidas' opposiçào='opposiçào' não='não' contra='contra' quizeram='quizeram' á='á' hespanha='hespanha' os='os' aqui='aqui' é='é' conclusão='conclusão' nosso='nosso' fizemos='fizemos' parece='parece' porqn='porqn' realmente='realmente' quando='quando' resultar='resultar' lo-gar='lo-gar' podem='podem' immen-sãs.='immen-sãs.' estas='estas' porque='porque'>

Sr. Presidente, eu não devo fatigar mais a a t. teci* çâp da Camará, devo attender ao adiantamentoda hora , por conseguinte nada mais accrescenlarei a jrspeilo do Projecto em discussão que eu approvo, no entretanto parece-me que de passagem se pôde responder a uma observação que o Sr. Deputado fez a respeito das Províncias Ultramarinas : disse S. Ex.a que não era a Camará que podia concorrer para o melhoramento daquellas Província?, ao Governo é que isso incumbe, mas eu noto no paragra-phn que diz respeito a esta matéria o seguinte (leu) uqui está o reconhecimento de que o Governo at-tende a similhanles interesses. Sr. Presidente, tudo me aconselha a que termine, e preciso que eu con-

clua , e á vista do que se tem ouvido mui fácil é â concísísâo ^ os ~Srs. "Be-puladbs qííè^®w»tótem o mó* vi mento do Porto não poderam demonstrar que elle não fo«se uma necessidade , por conáegKiintle esta destrrtida a principal difficuldade que pòatam âj5re* sentar para conseguirem que não fosse approvado o Projecto da Com missão, quanto ao Testo como el-les concordam nas suas consequências que são à ob* servancia da Carta que hoje nos rege, pareceíme que não ha motivo para

'O Sr. /. f'\ d,€ Castilkú : —• Habituados , como todos estamos, a ver f requente mente alterar todos os factos, e envenenarem se as intenções , tefrbo motivo para receiar que o período do meu Discurso de hoje não fosse claramente expendido por mim , ou entendido por outros; invoco o testemunho dos Membros desta Casa, para que se dignem confir* mar as palavras , que proferi, a fim de que ama* nhã eu não ouça attribuirern-se-me accusações san» guinarias e infames, tão longe do mea caracter e convicções.

Paliando da Revolução de 1836, disse eu que os revolucionários declaravam só ler tido «m vista dé«« cartar-se dos homens do Poder, e pôr isso derriba* ram a Carta. Chamando a animadversâo sobre tão criminoso^procedimento, disse eu, que menos peri* goso seria para a Sociedade o principio do assassi* nio do que o desorganisador principio dê revoluções fundadas sobre tão vãos motivos; chamei ao assas* sinio, que assim se ousasse praticar, o recurso mais negro, mais medonho, mais anarchico: procurei ornar, .éit-a idéa de quantas precauções de linguagem o espirito me ministrou; mas tive em vista exarni» nar que de doos males ^grandes, iminensos, incom* menso aveis, Um era ainda menor; que o sangue de ma\s vim mar\yr fòraa^evias vima gota jvmla ao mar de sangue de tantas viclimas da Liberdade: que ^contra um assassino ha Leis, ha uma vindicta j)u* blica, ha um exemplo possivel ; mas que acabavam essas Leis, essa vindicta, esse exemplo rio dia $ em qne as Instituições se derribassem. Que o asãassiniò de um homem e urn attentado horrendo > mas quê o assassínio da Sociedade e o attentado dos atten* tados : e que n'tima revolução se envolvem s-émpre ern realidade, ou em probabilidade, não um, mas incalculáveis homicidios. Julgo que a Camará estará lembrada de haverem sido eslas ás expressões, que proferi, (t^o^es: —• E' . verdade, e' verdade.—-Apoiados.)

O Sr. Presidente .• — Deu a hora ; á Ordem do Dia para árnanhâ é a continuação dá de hoje.— Eslá levantada a Sessão. Eraní 4 horas è tréa quartos da tarde.

O REDACTOR j