O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

APPENDICE A SESSÃO DE 3 DE MARÇO DE 1888 666-G

É preciso que s. exa. claramente nos diga isto.
S. exa. disse que deviamos sair porque não mantemos a ordem!
Mas a ordem está já mantida em toda a parte; (Apoiados.) e as proprias violencias de que se queixou s. exa. foram praticadas precisamente para manter a ordem. (Apoiados.)
Quer s. exa. que saiamos do poder por causa dos addicionaes?
Mas nós recebemos auctorisação para lançar 555.000$000 réis e pedimos apenas 325:000$000 réis. Não ó possível sairmos por esta rasão. (Apoiados.)
Não digo que tenhamos direito a corôas civicas, mas parece-me que temos direito a algum louvor por termos deixado de usar de uma auctorisação parlamentar em beneficio dos contribuintes. (Apoiados )
Quer s. exa. que nós saiamos d'aqui purgue houve sangue na Madeira, em Cantanhede, em Pombal, e não sei em que outras partes? No tempo em que o illustre deputado foi ministro ou foram governo os seus amigos, muitas vezes houve sangue e desordens; (Apoiados.) e isso nunca foi motivo para se pedirem as cabeças dos illustres ministros d'essa epocha.
Quer e. exa. que nós saiamos do governo porque se violou a liberdade de imprensa em Braga?
Eu já mostrei em ambas as camaras que não se praticou em Braga sombra de attentado contra a liberdade de imprensa; adoptaram-se apenas algumas disposições policiaes a respeito da venda de pasquins, nos quaes se fazia provocação á desordem e á revolução. Em todo o caso lá estão os tribunaes para julgar. O processo foi entregue aos tribunaes e elles julgarão se da parte da auctoridade houve abuso ou não. Se houve, aquelles que se julgarem offendidos nos seus direitos, podem queixar-se perante elles. Felizmente no nosso paiz, os tribunaes têem a independencia necessaria para fazerem justiça a todos.
Mas devemos sair d'aqui, dizia s. exa., porque a anarchia se alastra por toda a parte, porque a desordem em todo o reino é completa.
Oh! sr. presidente, mas a par d'esta desordem, d'esta anarchia, que tanto afflige o illustre deputado, as receitas crescem e o credito nacional affirma-se nos mercados estrangeiros e nos mercados internos. (Apoiados.)
Diz s. exa. ao governo não póde ficar; o que está ahi não é governo, é desgoverno ».
E eu digo a s. exa. que até hoje, pelas maiorias parlamentares que acompanham o governo, e por todas as manifestações do suffragio popular, o paiz só pronuncia mais a favor do actual desgoverno do que do governo de que o illustre deputado fez parte.
Tenho dito.
Vozes: - Muito bem.