O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

705

DIARIO DA CAMARA DOS SENHORES DEPUTADOS

rios, devia vir a esta casa pedir a revogação dellas. (Apoiados.)

O que o governo fez não se explica nem se comprehende. (Apoiados.)

Tendo maioria em ambas as casas do parlamento, e não discuto agora a maneira por que essa maioria foi obtida, o que podia muito bem fazer, (Apoiados.) se o governo não linha, como de feito não tem nas leis actuaes, auctorisação para fazer ao sr. Paiva de Andrada as concessões que realmente lhe foz, o que era logico, o que era indispensavel, o que era coherente, era vir pedir ás côrtes a alteração d'essas leis. (Apoiados.)

Isto que nós temos não é systema parlamentar. (Apoiados.) isto é o absolutismo mascarado com as formulas constitucionaes, e eu, entre o absolutismo franco e aberto e o absolutismo mascarado, como nós o temos, prefiro o primeiro. Sim, prefiro o primeiro, porque á hypocrisia, prefiro a franqueza, á mentira prefiro a verdade. (Apoiados.) Abaixo essa mascara que nunca se arranca, mascara que é eterna, (Apoiados.) mascara, com que não se cessa do illudir o povo. Venha antes o absolutismo puro. Este póde ter na resistencia popular um correctivo prompto e efficaz; esse só póde trazer como resultado a corrupção do povo, pelo mau exemplo, o por ultimo a dissolução social. (Apoiadas.)

Tenho concluido.

Vozes: — Muito bem, muito bem.

(O orador foi comprimentado por muitos srs. deputados.)

E N.° 100

Senhores deputados da nação. — Os abaixo assignados, presidente e membros da junta de parochia da freguezia de Esmoriz, concelho da Feira, districto administrativo de Aveiro, e bem assim a maioria dos cidadãos da mesma, como se mostra da comparação do numero de suas assignaturas. com o documento junto, vem representar-vos a violencia que soffrerão, se approvardes a proposta de lei n.º 75-B, na parto respeitante á annexação ria freguezia de Esmoriz ao concelho do Ovar.

A extrema distancia entre esta freguezia e Ovar, o estado das communicações com a capital d'aquelle concelho, as difficuldades e custo pecuniario do transporte pela via ferrea, os habitos contrahidos, tudo faz considerar aos abaixo assignados a annexação proposta como um graúdo mal, contra o qual representam. E se a sua representação não valer perante vós, como a expressão sincera da opinião da quasi unanimidade n'esta freguezia, ha de valer, pelo menos, como protesto vivo contra a violencia que a proposta tenta impor aos representantes da nação.

Senhores. À enormidade dos incommodos, e assas pesados encargos, que a annexação projectada causará a esta freguezia, só é comparável a do crime que forjou assignaturas na representação que o illustre ministro, na melhor fé certamente, mas illudido n'ella, affirma como motivo da sua iniciativa. Contra a verdade de tal representação protestam altamente os abaixo assignados, affirmando. mais uma vez o sou persistente desejo de continuarem a pertencer ao concelho da Feira.

Hoje que a sciencia e a lei tendem a substitui]- na administração a liberdade local á centralisação, hoje que a nossa administração, graças aos esforços do illustre ministro do reino e illustração do parlamento, entrou rasgadamente n'esse caminho, os abaixo assignados esperam que os seus votos sejam acolhidos por elle o por vós, muitos dos quaes cooperaram na obra do progredimento das nossas instituições administrativas, e assim — P. que remettida esta petição á vossa respectiva commissão, a quem foi submettido o exame da citada proposta do lei n.º 75-B, defiraes ao requerido, rejeitando-a. E. II. SI. — (Seguem as assignaturas.)

Sessão de 5 de março de 1879