O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1244

Em virtude de resolução da camara dos senhores deputados se publica o seguinte

(Continuado do numero antecedente)

No dia 14 do referido mez o anno continuou a inquirição das testemunhas pela fórma seguinte:

10.ª José Fortunato Machado, presbytero egresso da freguezia de Cever, concelho de Santa Martha de Penaguião, de idade de 58 annos, testemunha jurada aos Santos Evangelhos, em fórma devida.

Perguntado sobre os assumptos da syndicancia, disse:

Que antes do dia da eleição andou o administrador do concelho com os respectivos regedor e empregados de fazenda correndo as freguezias, ameaçando e fazendo penhoras por contribuições em relaxe, a todos os que se recusavam a votar na beta em que elle se empenhava, o que é publico e notorio, chegando a invocar para isto ordem do governador civil, como elle testemunha muitas vezes lhe ouviu.

Que no dia da eleição presenceou, que antes de começar o acto eleitoral já se achava postada uma força militar de infanteria 13 perto do adro da igreja matriz, assembléa da capital do concelho, força que depois retirou para uma casa vizinha para onde bem se via da assembléa eleitoral.

Que os actos eleitoraes n'este dia correram sempre com altercações que muito demoravam o andamento da eleição, achando-se junto da mesa onde se recebiam os votos o administrador do concelho, os regedores vigiando as listas que entravam na urna, como querendo conhece-las pela diversidade da letra com que eram designados os cargos a cuja eleição se destinavam, ao passo que o presidente da mesa tomava nota com o lapis ácerca das listas que iam entrando, e eleitores houve a quem o administrador do concelho, entendendo que lhe eram oppostos depois de votarem tocava-lhes no hombro, e dizia em tom de ameaça «nós fallaremos».

Que durante este processo era publico que no alto da Senhora da Guia, não muito distante da igreja, estavam vinte homens armados, promptos á primeira voz do regedor e para ali eram mandados pelo administrador alguns pipos de vinho.

Que ao pôr do sol d'este dia ainda se não havia concluido a votação, e já era voz corrente que a opposição tinha em seu favor mais de duzentos Votos.

Que n'este meio tempo vieram abaixo aquelles homens do alto da Senhora da Guia, dos quaes ainda viu quatro armados, e entrando desarmados pela igreja dentro fizeram ahi grande confusão dando vivas ao administrador e morras á opposição, e no meio d'esta desordem um vogal da mesa pronunciado a favor do administrador, por nome Rodrigo Teixeira, lançou mão da urna que continha as listas para juiz ordinario já depois de fechada com tres aluquetes, e tentou fugir com ella, do que foi impedido pela gente da assembléa, que n'esta luta fez caír a urna ao chão, quebrando-se dois aluquetes, e ficando a mesma urna algum tanto esmagada, mas ainda fechada, e o cidadão Antonio Augusto Cardoso, que se manifestara pela opposição, abraçou a urna que continha as listas para vereadores, defendendo-a assim de ser roubada, como alguns pertendiam, estando já tambem fechada com tres aluquetes, e foi então