O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1437

Sessão nocturna de 28 de abril de 1879

DIARIO DA CAMARA DOS SENHORES DEPUTADOS

Mas tambem V. ex.ª sustenta que o processo da submersão é muito efficaz, o no entretanto o sr. Luiz Vaucon, que foi o primeiro que ensaiou o systema da submersão, luctou por muitos annos para provar á França que esse systema que, em partes, deu bons resultados, e em outras não, era comtudo um remedio efficaz! Sabe V. ex.ª porque? Porque os proprietarios faziam essa submersão por fórma que não era a indicada pelo sr. Luiz Vaucon; outros que tinham as suas vinhas muito proximas de regiões phylloxeradas applicavam a submersão, e encontrando mais tarde o phylloxera nas suas vinhas, disiam que a submersão não tinha podido matar o phylloxera!

O que é possivel é que o mesmo succeda ao sulphureto de carbone; algumas têem tirado excellentes resultados. Nem de outra forma se explicava como a companhia «Paris, Lyão, Mediterrâneo» se sujeitasse a tantos sacrificios para manter a fabrica de sulphureto de carbone.

A companhia, que muito havia de soffrer pela destruição das vinhas, procura por todos os meios ao seu alcance demonstrar a efficacia do sulphureto de carbone.

E é possivel que a companhia mantenha esta fabrica para se divertir ou para vender sulphureto sem ganhar, e talvez mesmo perdendo?

O que é positivo é que em certas localidades tem dado excellentes resultados.

É corto que em certas localidades não se tem tirado resultado, porque será, isto? E porque não é efficaz o tratamento, ou porque não é applicado convenientemente?

Não posso responder, nem talvez os homens praticos, nem os homens technicos o possam fazer.

Se forem outras as substancias importadas pela alfandega para ensaios, essas substancias hão do ser em muito pequena quantidade e o paiz não ha de ficar prejudicado. Nem n'um assumpto d'esta ordem se devem levantar questões tão insignificantes.

Em França vae fazer-se o mesmo, o de certo o sr. ministro das obras publicas tem conhecimento que n'uma das ultimas consultas da commissão superior do phylloxera, esta propunha ao governo francez que adoptasse uma disposição que concedesse a entrada livre de direitos a todas as substancias destinadas ao tratamento das vinhas; que se concedesse o transporte gratuito nos caminhos de ferro do estado, á medida do que faziam as companhias particulares.

Disse ainda o sr. Mariano de Carvalho, que a nodoa phylloxerica, quando se manifestava, já não era tempo do se extinguir, porque a doença datava de tres ou quatro annos, e que lavrava com tal força que não era possivel destruil-a.

O illustre deputado, n'este ponto, está enganado. Têem-se tratado muitas vinhas; e algumas nodoas que appareceram nos vinhedos da Côte-d'or, foram tratadas, e com bom resultado.

A pratica tem demonstrado que é preferivel o sulphureto ao arranque.

O arranque teve logar na Suissa com grande enthusiasmo, e, infelizmente, com mau resultado, porque, não só em Colombiers, mas tambem no cantão de Neufchâtel appareceu o phylloxera acima da zona de 100 metros, que era a zona de respeito estabelecida para o arranque.

Parece-me, portanto, que as rasões apresentadas pelo sr. Mariano de Carvalho não procedem para que o projecto não seja approvado.

O sr. J. J. Alves: — Sr. presidente, declarei ha pouco que pedia a palavra contra o projecto que se discute; devo, porém, dizer a V. ex.ª que o respeitarei na parte em que vir possa conter o que tiver de bom e util.

Tratarei da questão tranquillamente; direi muito pouco, e muito menos teria a dizer, se, porventura, a palavra me tivesse sido concedida na occasião em que a pedi e me cabia, e que por uma circumstancia muito extraordinaria me foi cortada: a este respeito permitta-me V. ex.ª que eu declare que não posso louvar a maneira como ás vezes se

procede aqui, em questões que, como esta, longo do serem politicas, são por todos reputadas do alto interesse para o nosso paiz. (Apoiados.)

Questões de tanta gravidade entendo que as devemos debater francamente, ouvindo todas as opiniões; (Apoiados.) entendo que deveriamos sempre proceder de fórma que não transformássemos em questão politica um assumpto de puro interesse nacional. (Apoiados.)

O illustre deputado, o sr. Mariano de Carvalho, precedeu-me nas reflexões que eu tencionava fazer ácerca do artigo que acaba do ser votado.

S. ex.ª referiu se a alguma cousa do que eu pretendia apresentar, o parece-me que não commetterei erro, usando da mesma liberdade que foi permittida aquelle illustre deputado para fallar sobre a doutrina do artigo 1.°, quando está em discussão o artigo 2.°

O sr. Presidente: — Não foi sem observação minha.

O Orador: — Permittindo V. ex.ª que eu continuo a usar da palavra, farei a diligencia possivel para não me desviar do assumpto, referindo-me ás considerações que tinha a fazer no artigo 1.°, que me parece podem, som inconveniente, ter cabida no artigo 2.º, que se discute n'este momento.

Sr. presidente, são differentes os meios aconselhados para combater o phylloxera; são numerosas as substancias que se indicam para tal fim.

A camara ouviu citar como meio seguro o processo da immersão, que nem sempre é exequivel, porque nem em todos os locaes ha facilidade de obter agua.

Entre os agentes chimicos cita-se como mais efficaz o sulphureto de carbone; verdade é que, a par d'este, talvez se podessem considerar não menos eficazes os sulphuretos alcalinos, que operam sem duvida pelo gaz sulphydrico que desenvolvem; cita-se igualmente entro outros corpos o acido phenico, que tem grande consumo na medicina.

Ora o § 2.° do artigo 1.° dá margem a que cada um, a pretexto do phylloxera, possa introduzir sem pagar direitos todos os artigos que lhe aprouver. (Apoiados/)

Entendo que n'este ponto devemos ser muitissimo cautelosos; julgo conveniente estabelecer-se no projecto uma disposição clara, da qual se fique sabendo que as substancias que entrarem com destino á extincção do phylloxera serão designadas, e de efficancia praticamente comprovada. (Apoiados.)

Eram estas reflexões, que me parecem justas, que ou desejava apresentar á consideração da camara, quando se discutia o artigo 1.°; parece-me não ser este meu proceder desarrasoado, principalmente quando me lembro de que o primeiro dever do deputado da nação é ser menos propenso ás paixões partidarias e olhar mais pelos interesses geraes do paiz; (Apoiados.) e oxalá que todos nos convençamos d’isto, porque então havemos de conseguir fazer a prosperidade geral. (Apoiados.)

Mando, portanto, para a mesa um additamento ao artigo 2.°, que contém o meu pensamento, o que passo a ler.

(Leu.)

Se a illustre commissão entender que deve aproveitar estas minhas reflexões, o acceitar o additamento que proponho, ficarei satisfeito," porque d'esta forma parece-me ficar o projecto mais claro, não dando logar a interpretações erradas, das quaes póde resultar prejuizo não pequeno para os interesses do thesouro, pela livre entrada de muitas substancias a titulo de serem applicadas á extincção do phylloxera. (Apoiados.)

A proposito, direi de passagem, e não sei se o governo tem d'isso conhecimento, que parece existirem já na capital os adubos para a extincção do phylloxera, porquanto eu vi, e toda a gente pôde ver o estabelecimento que ha na rua do Jardim do Tabaco, onde em grande rotulo indica existencia, de uma administração do guano anti-phylloxera.