O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1452

DIARIO DA CAMARA DOS SENHORES DEPUTADOS

distrahindo-se para outra parte, o commercio do Porto. E na verdade fundamentados são os receios do commercio, pois que, approvado o imposto excepcional, as mercadorias procurarão os portos onde o imposto 6 menor, do que ficará sendo o que recae sobre as mercadorias que houverem de entrar a barra do Douro.

A camara adhere plenamente ás considerações apresentadas pela associação commercial d'esta cidade nas reiteradas representações que tem feito ácerca d'este objecto, e ha como reproduzidas tambem as considerações que a mesma camara já fez nas suas já referidas representações. Se for approvado, o que se não espera, o imposto excepcional indicado, não o tornando extensivo a todas as alfandegas do reino de 1.ª e 2.ª classe, os resultados serão negativos, o a importante obra do porto artificial talvez desnecessaria, porque diminuindo consideravelmente o commercio, por effeito d’aquelle pernicioso imposto excepcional, inutil se torna a abertura de portos para uma navegação que ficará extremamente reduzida. Acresce ainda que, concluido o caminho de ferro do Douro até á Barca d'Alva a entroncar no caminho de ferro de Salamanca, a consequencia necessaria é o desenvolvimento da importação o exportação pela barra do Douro, so o imposto não for aggravado, mas tornar-se-ha pelo contrario quasi nullo esse movimento esperado, se o imposto excepcional ferir a importação pela barra do Douro como propõe o governo.

A camara pois confia em que os srs. deputados so dignarão prestar a este assumpto a maior attenção, rejeitando o referido imposto, ou então tornando-o extensivo a todas as alfandegas dos portos do reino de l.ª e 2.ª classe.

Porto o paços do concelhos, 24 de abril do 1879. — (Seguem as assignaturas.)