O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

(311 )

cessívamente. Aqui jpor muitas vezes sé tem dito que o serviço prestado por taes Auctoridades há .concorrido pelo menos tanto como a força para os bons resultados obtidos ate hoje. Mas.o Coronel Fontoura (nã'õ posso ser suspeito quando me opponho á sua saída desta Camará) o Cdronel Fontoura, disse um dos Srs. Ministros, tem conhecimentos espeeiaes da-quelle território; o Coronel Fontoura é necessário para aconselhar o Com mandante aclual, que está no /Algarve. (O Sr» Presidente do Conselho:—• Coadjuvar, disse eu j) bens; estou protnpto para rectificar quaesquer expressões inexactas = coadjuvar ==.muito bem; o illustre Presidente do Conselho de Ministros é um militar j e um dos Militares mais distinctos, unindo ao valor pessoal muitíssima perícia: depois de faílar nelle seria irrisório fatiar de mim ; mas em fim direi que S. Ex.a tem miiitadò com distincção, e que eu vi fazer a guerra durante sete annos, e já tive a mania de ler quantos livros militares mevinbam á mão, e de os procurar; eaffirtno que a maior parte das informações que são necessárias para fazer uma guerra de montanhas prove'm dos conhecimentos lo^ cães que os habitantes do Paiz ministram aos chefes e commandantes da» forças que alli têem de operar : • os Francezes invadiram o nosso território * e penetraram ate' os últimos recônditos cie muitas serranias de Portugal ; os próprios habitantes foram por elles descobertos, e como desencantados; e muitos pereceram victimas dacobiça e crueldade dos invasores, não escapando a estes nem. os menos volumosos effeitos, mettidos emescondrijos , que pareciam impenetráveis aos mesmos práticos do terreno: e e bem certo que nenhum Commandante > nenhum Official tinha estado nessas montanhas. E' útil conhecer os terrenos em que se faz a guerra; mas as informações dos habitantes satisfazem quando ha um Chefe activo e Ira-. bil com officiaes de confiança. Eu conheci no Brasil um distincto Official Portuguez^ no tempo em que também servi militarmente ás ordens de um General de nobre, reputação ; esse OfTicial foi encarregado de percorrer bosques impenetráveis!) eéxtensissimos a distancia de mais de 120 legoas da Capital dá Província, .em perseguição de uns 400 facinorosos todos a cavallo, elle os achou, elle osanniquilou, tendo atravessado bosques, bosques por onde ateentâo ninguém penetrava; esses bosques, que são tão antigos corno o Mundo. Osmatutos e os caboucos suppriram a falta do conhecimento desse Paiz, que os oíficiaes europeus nunca tinham visto. Eu quero os talentos e o valor do bravíssimo militar, que se assenta daquelle lado, quando for .necessário commandar tropas regulares, eleva-las ao combate com inimigos dignos delle; mas não posso approvar4 ao menos com o meu voto, que o Sr. Deputado saia daqui só por que tem conhecimentos locaes da Serra do Algarve. Agora pelo que toca á coadjuvaçâo: a respeito de cpadjuvaçâo, Sr. Presidente, entendo que um auxilio nunca e'para desprezar; e que uma boa coadjuvaçâo é necessária em toda a parte, por que e bem certo que um Commandante. em Chefe tem necessidade de Officiaes para desempenharem as suas ordens; mas entendo também que as operações de quê se tracta não são tão diffi-cultosas, nem os movimentos tão complicados, que ^seja necessária a coadjuvaçâo determinada de um Official, quando e' tamanho o mérito do hábil e distincto militar que está no Algarve.

Sr. Presidente, algum dia costumava o Go.verno