O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1694

DIARIO DA CAMARA DOS SENHORES DEPUTADOS

posto. Mas em poucas nações a repugnancia pelo serviço militar será tão grande como em Portugal, especialmente n'alguns districtos.

Considerado o serviço militar como o mais violento dos impostos, devia merecer ao governo a maxima consideração e attenção.

Portanto, desde que o governo foi avisado de que n'um districto do paiz, no intuito de atacar a liberdade do suffragio, eram infringidas todas as disposições legaes sobre recrutamento, e menosprezados todos os principios do decoro pessoal, devia tomar desde logo providencias energicas para pôr cobro a taes abusos.

Não estranhe o governo que eu levanto esta questão. A questão do recrutamento de Braga o da eleição de Villa Nova de Famalicão não podia passar desapercebida n'um parlamento liberal. (Apoiados.)

Têem-se praticado muitas o muitas iniquidades nas escusas e exclusões do recrutamento. Mas não ha exemplo do um governo assistir, como o actual, de braços cruzados a factos os mais revoltantes, de que chegava a noticia todos os dias ao seu conhecimento.

Começou em julho ou agosto com os trabalhos preparatorios para as eleições do deputados o serviço das exclusões do recrutamento, que dava em resultado serem doentes todos os mancebos de vinte a vinte o um anno3, residentes no districto de Braga, e especialmente no concelho de Villa Nova de Famalicão.

A junta do revisão excluiu d» serviço militar os mancebos que se lhe apresentaram, e que já antecipadamente sabiam a sorte benevola que os esperava.

Em Villa Nova do Famalicão a questão era vital, porque o padroeiro d'aquelles feitos heroicos era o deputado ministerial por este circulo.

Em Villa Nova de Famalicão chegou a esgotar-se o recenseamento d’aquelle anno.

Foram chamados á inspecção todos os recenseados dos annos anteriores, sujeitos ao serviço militar n'aquelle concelho, para a todos aproveitar a exclusão do serviço do exercito, com prejuizo da moralidade publica e da liberdade eleitoral.

Quanto mais se approximava o dia da eleição maior era a febre que accommettia a auctoridade publica de atacar com a arma do recrutamento a consciencia do eleitor. Por isso em 18 de setembro, estando fixado para a eleição o dia 13 de outubro, expedia o administrador do concelho de Villa Nova de Famalicão á respectiva camara municipal o seguinte officio:

«Administração do concelho de Villa Nova de Famalicão— Copia — 32—lll.mo o ex.mo sr. — Levo ás mãos de v. ex.ª a inclusa relação de 87 mancebos pertencentes ao recrutamento dos annos de 1864, 1865, 1867, 1868,1870, 1871, 1872, 1873, 1874, 1875, 1876 e 1877, a fim de que v. ex.ª se digne mandal-os substituir.

«Deus guardo a v. ex.a—Famalicão, 18 de setembro de 1878. — lll.mo e ex.mo sr. presidente da camara d'este concelho. = O administrador do concelho, José Carlos de Medeiros.»

Eram 87 os mancebos que tinham ido á inspecção a Braga no dia 14 de setembro, e tinham sido todos julgados incapazes do serviço militar!

Villa Nova de Famalicão, terra das mais sadias do reino, muito apetecida pelos empregados que gosam de pouca saude, era assolada na vespera da eleição geral de deputados por uma epidemia tão formidável, que dos 87 individuos que foram á inspecção em Braga no dia 14 do setembro nem um foi julgado apto para o serviço militar!

Os mancebos doentes não eram só os do anno de 1877. Tornava-se necessario alargar o jubileu, a fim de compor os negocios eleitoraes, e por isso foram intimados para se sujeitarem á inspecção os rapazes sorteados em todos os annos desde 1864,

Pois estavam todos tão doentes, que nem um só escapou de ser excluido por incapaz para o serviço do exercito!

Parecia que n'aquella occasião eleitoral se tinha transferido o clima de Cacheu ou de Bissau para Villa Nova de Famalicão, que aliás é considerada como uma das terras mais sadias do reino. (Apoiados.)

Era em 18 do setembro, vinte e cinco dias antes da eleição do deputados, que o administrador do concelho de Villa Nova de Famalicão participava á camara municipal, que não tinha sido apurado para o serviço do exercito nem um nó da lista de 87 mancebos, incluidos nos recenseamentos desde 1864 a 1877.

Mas a auctoridade tinha grande pressa em continuar com o serviço das inspecções aos mancebos recrutados. O negocio urgia, e as difficuldades cresciam todos os dias, levantavam-se debaixo dos pós, aggravavam-se a todo o momento. É o que acontece sempre que se são de caminho direito pára se entrar n'uma sonda escabrosa; redobram logo os attrictos e os embaraços. (Apoiados.)

A camara municipal não se dava muita pressa em enviar ao administrador do concelho uma nova lista de 87 mancebos, ou porque não quizesse associar-se a estes attentados eleitoraes, ou porque não quizesse desacreditado o clima do concelho, que, reputado até ahi sadio, passava a ser considerado insalubre.

Em todo o caso, a camara municipal não se mostrava muito pressurosa em formular nova lista do 87 mancebos, os quaes tambem haviam do ser excluidos, como foram, do serviço militar, vistas as conveniencias eleitoraes. Por isso cinco dias depois, em 23 de setembro, expedia o administrador do concelho novo officio á camara municipal, que dizia assim:

«Administração do concelho de Famalicão — Copia— 176. — lll.mo o ex.as sr. — Rogo a v. ex.ª se sirva fazer convocar a camara municipal da digna presidencia de v. ex.ª para se reunir em sessão extraordinaria no dia 25 do corrente, a fim de tomar conhecimento e mandar dar expediente ao meu officio n.º 32, de 18 do corrente mez, no qual pedia a substituição dos mancebos constantes da relação que acompanhou o meu dito officio.

«Deus guarde a v. ex.ª Famalicão, 23 de setembro de 1878. —lll.mo e ex.mo sr. presidente da camara municipal d'este concelho.»

No dia immediato, 24 de setembro, a camara municipal respondia ao administrador do concelho que no dia 27 tinha sessão extraordinaria, o que então trataria do assumpto.

Diz o officio:

«Municipalidade de Villa Nova do Famalicão. — Copia. —lll.mo e ex.mo sr. — Em resposta ao officio do v. ex.ª, sob n.º 176, datado de hontem 23 do corrente, em que pede a convocação de uma sessão extraordinaria da camara de minha presidencia, para o proximo dia 25, a fim do tomar conhecimento e mandar dar expediente a um outro officio de v. ex.ª, sob n.º 32, de 18 do corrente, em que pedia a substituição de 87 mancebos constantes da relação que acompanhou este ultimo officio, cumpre-me declarar a v. ex.ª que, tendo eu feito convocar a mesma camara para se constituir em sessão extraordinaria no proximo dia 27, a fim de tratar de assumpto que muito interessa a este municipio, e não me parecendo da maxima urgencia a convocação da camara para o fim indicado no dito sou officio, vou novamente avisar aos srs. vereadores, de que na mesma sessão sé tratará tambem do assumpto por v. ex.ª recommendado.

«Deus guarde a v. ex.ª Villa Nova de Famalicão, 24 de outubro do 1878. —lll.mo o ex.mo sr. administrador d'este concelho. = O presidente, Barão de Trovisqueira.»

E no mesmo dia os honrados habitantes de Villa Nova do Famalicão, alem de outras queixas que já tinham feito subir aos poderes do estado, por tão graves attentados, enviavam aos ministerios da guerra e do reino uma represen-