O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

i^^agenWs? agrícolas; !o/u^êWnclrãpSsr|0tas^

S?^ - -£££!-• O--.?SS?=^^.^;lJjOa^---:Jja^Jsa-..«|-.^.l.S' ^•-^.^/.-.VT-J--^lS^t'.iB^g^-^Jg^j^.^.;=r^

siitíÈdinado.

^.y.éM^-ub^titiiir?

W:*VÍÍ'fí3'.0

^ Qom|s^ao.--de Viticultura; do

' "Ant. '2.'.° 0 Ministério Publico e competente para acusai- ein juízo as transgres-

jgãis

yíonjdiçõj ___„, ____,

?po ^dè '^TàrinlieirÕs ;e ^up^tuicío/joífèujpp

dér flèm-b&t?9lip'-"'rfp-çK'r^^':-*E.^^ay-^'"fion'^" mente» =por Atempo de «embarque em ,na-

Mios-í • • ' •.....'

dos Dap.a-

Art. 3.° Fica revogada a legislação ern

.-.

ibõa; einlÕ^de Marco de '191*; ==W Deputado pelo círculo n.° 18, José Vale de Matos. Cid. '

. ÍRárá^a -comissão ^

- 'Senhores DêputãHõs T — A" lei dê' 28 de

• 7 d{è promoção' para os -oficiais idas .'diversas-

^'classes^1 a armada, estabeleceu copo uma

T;daquèÍàs condições :úm ceçtó-Vtèmp

s barqúe em nàviPs armados, em substitui-

Vçãò do anterior critério que exigia o tempo

de embarque fora dos portos do, cõnti-

riaçãO'dà marinha colonial, ;a maior parte do serviço da marinha de guerra era feito nas colónias, e assirn se compreendia que existisse aquela condição de promoção, embora fosse então certo, como o é hoje, que o facto de estar embarcado nas colónias não dava melhor preparação para a promoção aos postos seguintes do que o embarque na metrópole. Hoje, contudo, que está feita a separação, torna-se não só desnecessário, mas mesmo impossível satisfazer àquela condjção de promoção; por isso, mui j-istamente a referida lei estabeleceu .para os oficiais a condição de tempo de embarque em navios

^armados, epa 'au^sti

5%---2 ~-' ="t^*"?í.X.4rt: ^hf"?- .Vf'==35ÍÍ jdj

j

^

* ••yHB.V '-^"'rv^ify^av-vyjJF^v;-.-;?-^^.-..^»;rtTfjyjH^s-ji.-j . i*-, i.,-.«^.A.-i-i5

' -

;delás

vd& fpr,o^£ão^]JeÍpUmpti^ para pbyiarí aíêstés iincóiíveniélité'-^fa *"'

-.'.'•- .ja.j. .jsaiiTi • -1 ^J'--Ht.

_ ^ laRmgmpjrtOjr.

Art. 2.° Fica revogada* a legislação em contrário.

{Sala ,das S.essões- d;a tàdpSj ^Í0 de Março1 d

"-

•l -. ff ' r "'

Fcoposta de lei

iCtoios^
os laços7que mais profundamente podem estreitar as relações entre Portugal e o :BçaJBÍl, .figura^ ^i^mente,jíàjíayegaeão di-^rfe^i^4ê/!^^ente;-e%tre^Ps: r -í--- ^' '. -:*i" " -. • • " •"; " ' •"»' •'~ ': •-"•'i"- '' - -- - •*
tórieas, ;e ,da •distância, ;so vvehcida em -muitos dias -ide viagem, Bambas-ganham com essa forma de ap~roximagâP', ípórquè ^vài tín-
>car interesses, naturalmente solidários, quê a bem conhecida ganância estrangeira tem estado a ferir, contando apenas com .a incompreensão dos problemas nacionais ou,
, antes ,talvez, cpm JÁ,, ipjérjbia^qú.^dpminã a nossa população, cujo idealprovidencialista a tem feito, quási sempre, abdicar do esforço próprio.5 -f ,
A permuta literária, a comunhão dó princípios políticos e as afinidades étnicas são laços que prendem no campo das especulações filosóficas e que seriam bastantes no tempo em que as sociedades viviam na fase contemplativa.