O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

6 DE DEZEMBRO DE 1975 2965

fundo era precisamente o pacto, o primeiro pacta. Ia-se viver numa espécie de ditadura militar muito bem camuflada e naturalmente muito original.
Hoje, o Conselho da Revolução, composto par homens que são revolucionários, que desejam para Portugal uma sociedade socialista e são ao mesmo tempo democráticos, entende que para se chegar a uma sociedade socialista é preciso não perder também a liberdade. Porque não há dúvida nenhuma de que passar pela ditadura, qualquer que seja o nome da sociedade, neste caso a sociedade burguesa, para uma outra sociedade, dica socialista, não há dúvida nenhuma, Sr. Presidente e Srs. Deputados, que é a maior contradição, o matar absurdo provado pela história contemporânea.

Vozes: - Muito bem!

O Orador: - De resto, uma ditadura nunca pode dar uma democracia...

Uma voz: - Muito bem!

O Orador:-... como uma urze nunca pode dar rosas.

Vozes: - Muito bem!

O Orador: - Até hoje está provado historicamente que, depois daquela grande Revolução de 1917, em que se instaurou esse regime que foi na realidade a aspiração de uma grande parte da humanidade, porque nela se via pelo menos os homens da minha idade, aqueles que eram jovens nessa altura viram nessa Revolução uma esperança da emancipação da pessoa humana, mas o resultado está aí, a ditadura continua, isto contra todas as razões, inclusivamente contra as leis .teóricas propostas pela doutrina de Karl Marx.

Uma voz: - Muito bem!

Aplausos.

O Orador: - Não é verdade que Karl Marx disse que a ditadura do proletariado era uma transição para uma sociedade socialista? Não é verdade que o próprio lenine disse que a ditadura do proletariado não era a ditadura

 de um partido, mas sim uma conjugação de forças dos socialistas; conscientes da vanguarda socialista, juntamente cem a pequena e média burguesia, e com os camponeses. É esta grande maioria que constituía a chamada ditadura do proletariado, como meio intermédio, como processo intermédio para passar para a sociedade socialista. E que é que aconteceu, sobretudo cem Estaline? Essa ditadura foi verdadeiramente a ditadura de um partido, tal como a ditadura de um Hitler. E não conseguiu nem poete conseguir fazer-se a :transformação dialéctica dessa ditadura para um socialismo em liberdade, para um socialismo tal como o definiram Engels e Marx.

Uma voz: - Muito bem!

O Orador: - E é por isso que nós, no Partido Popular Democrático, e também os nossos camaradas do Partido Socialista, dizemos que temos de defender as valores moreia todos, e entre eles está na realidade a liberdade, para que daí passemos para uma sociedade absolutamente livre e autêntica e verdadeiramente socialista. Digo-vos, senhores, que em Portugal as forças que estão empenhadas na revolução são na realidade forças numerosas. Eu estou convencido de que é impossível voltar ao statu quo ante. Apesar de o Partido Comunista nos apresentar sempre o espantalho do fascismo, eu estou convencido de que em Portugal já não é possível um novo Chile. Estou convencido, porque as próprias eleições do dia 25 de Abril assim o provaram. E o meu colega comunista, há pouco, referindo-se a isso disse: «O povo português votou pelo socialismo.» E houve povo português que, votando no Partido Comunista, votou pelo socialismo. E. houve povo português que, votando no Partido Socialista, votou pelo socialismo e até disse mais: e até do Partido Popular Democrático. E houve povo português que, votando no Partido Popular Democrático, votou pelo socialismo humanista, tal como é concebido no belo programa do Partido Popular Democrático.

Vozes: - Muito bem!

Aplausos.

O Orador: - ... Porque afinal de contas fala-se sempre a passagem desta velha sociedade apara uma sociedade socialista, :porquê, por que razão se pretende fazer uma divisão de todas essas forças atacando mentirosamente o Partido Popular Democrática de ser um partido contra-revolucionário e muitas vezes, até, fascista?

Uma voz: - Muito bem!

O Orador: - Eu digo não. Se eu entrei para o Partido Popular Democrático é parque lio seu belo programa. Se eu entrei para o Partido Popular Democrático é porque li os seus estatutos autenticamente democráticos e que estou convencido de que serão conservados, como democratas autênticos que somos, mesmo depois desde nosso congresso que vamos ter no próximo fim de semana.
Nós estamos empenhados na revolução socialista portuguesa. E estamos sinceramente empenhados e estamos convencidos de que Portugal dará um exemplo fazendo uma sociedade em Portugal autenticamente socialista, sem passar pela tal ditadura do proletariado.
O Partido Comunista Português ...

Vozes: - Muito bem!

O Sr. Presidente: - Faltam dois minutos, Sr. Deputado.

O Orador: - ...porque afinal de contas fala-se sempre nestas questões do Partido Comunista Português, e isso quer dizem qualquer coisa.

O Sr. Vital Moreira (PCP): - Quer, quer!