O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1396

I SÉRIE — NÚMERO 42
como muitas vezes aconteceu, de passarem a barra do Douro e ficarem semanas em casa sem a possibilidade de arranjar o sustento para si e suas famílias. É, no fundo, isto que está em causa, pelo que a obra merece todo o nosso apoio.
Sr. Deputado, foi positivo o ter trazido aqui, à Câmara, esta questão.

Vozes do PSD: — Muito bem!

O Sr. Presidente: — Para responder, se assim o desejar, tem a palavra o Sr. Deputado Pedro Baptista.

O Sr. Pedro Baptista (PS): — Sr. Presidente, Sr. Deputado Manuel Moreira, deixe-me dizer-lhe, em primeiro lugar, depois de agradecer a sua pergunta, que os timings hoje em dia não são propriamente nossos, não são os dos períodos de abertura da discussão pública, nem sequer são os timings parlamentares. Os timings são o que são, e numa sociedade aberta são mais lançados pêlos artigos de opinião, pelas iniciativas civis e pela imprensa do que propriamente por nós, o que nem me parece que seja mau para a democracia, pelo contrário. É neste sentido que proferi a minha intervenção neste momento, em que me pareceu que aquela elite que o Sr. Deputado muito bem estigmatizou estava a pretender pôr em causa este anseio popular e nacional.
Sr. Deputado Manuel Moreira, é verdade que este projecto, esta ideia, este sonho, tem 200, anos; é também verdade que os estudos da APDL começaram há quatro anos. Talvez possamos dizer que o povo português sonha através da História.
O PSD inicia os planos, mas, depois, é o Governo do PS que concretiza e realiza os sonhos dos portugueses.

O Sr. Artur Torres Pereira (PSD): — O melhor é não ir por aí, Sr. Deputado!

O Orador: — Sr. Deputado Manuel Moreira, isto é verdade. Não bastam ideias, é preciso levá-las à prática.

Vozes do PS: — Muito bem!

O Orador: — Eu não teria falado do Governo do PS se V. Ex.ª não tivesse falado do do PSD.
Para terminar, gostaria de dizer que este projecto é o resultado das consultas mais radicais em matéria científica e tecnológica, e que não há alternativa do ponto de vista tecnológico. Estão nele envolvidas as maiores capacidades intelectuais do país, tanto a nível do Instituto Superior Técnico como a nível do Laboratório Nacional de Engenharia Civil e da Faculdade de Engenharia do Porto, uma das mais prestigiadas do mundo, onde se elaboram os estudos hídricos, que foram feitos até à exaustão, apoiados pelo Professor Per Brunn, personalidade de renome a nível mundial.
No que toca ao aspecto artístico, que apontei na minha intervenção, hão podemos permitir que seja levada a cabo uma obra sem grandes cuidados em termos plásticos e arquitectónicos.

Vozes do PS: — Muito bem!

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado João Amaral.

O Sr. João Amaral (PCP): — Sr. Presidente, Srs. Deputados, subo a esta Tribuna para, numa curta intervenção, exprimir um protesto e fazer um apelo: o protesto tem a ver com o Portugal que somos, com a democracia que construímos e com o passado que vivemos. O povo português, e muitos dos que hoje militam na vida política, sofreram duramente com a ditadura, as prisões políticas, a censura, as discriminações políticas, as perseguições, a tortura, até com o assassinato político. O fascismo existiu, Srs. Deputados!

O Sr. Octávio Teixeira (PCP): — Muito bem!

O Orador: — A principal organização que foi responsável pela brutal repressão e pelo esmagamento das liberdades foi a PIDE. A PIDE foi uma organização de terrorismo de Estado, que praticou brutais crimes, contra muitos e muitos portugueses, contra a liberdade e a democracia. Os dirigentes da PIDE são criminosos, com as mãos manchadas do sangue de patriotas, de liberdades esmagadas, de palavras reprimidas.
Aplausos do PCP, de Os Verdes e de alguns Deputados do PS.
O que cimenta a nossa posição de geração é a luta pela liberdade, pela democracia, uma luta em que muitos e muitos foram vítimas da PIDE. É por isto que não podemos deixar de trazer aqui um protesto vigoroso quando vemos que um dos carrascos mais sinistros dos crimes da PIDE se passeou impunemente e provocatoriamente pelas ruas da capital do País. Rosa Casaco é um dos mais altos responsáveis da PIDE, associado a muitos crimes, incluindo a brutal cilada e assassinato de Humberto Delgado e da sua secretária. Exprimo aqui a repulsa por esta indignidade. Rosa Casaco não é um qualquer criminoso. Se não é um PIDE boçal, é ainda mais responsável como criminoso que foi!

Vozes do PCP e do PS: — Muito bem!

O Orador: — Ouvi declarações de membros do Governo condenando a estadia em Portugal deste criminoso. O que se exige é que o Governo venha aqui, à Assembleia, fazer essa condenação, dar as explicações e anunciar esses inquéritos.
Aplausos do PCP e de Os Verdes.

Páginas Relacionadas
Página 1391:
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 1998 I SÉRIE - NÚMERO 42 DIÁRIO da Assembleia da República,
Pág.Página 1391
Página 1392:
1392 I SÉRIE - NÚMERO 42 O Sr. Presidente: - Srs. Deputados, temos quorum, pelo que declaro
Pág.Página 1392
Página 1393:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1393 Álvaro dos Santos Amaro. Amândio Santa Cruz Domingues Bast
Pág.Página 1393
Página 1394:
1394 I SÉRIE-NÚMERO 42 ANTES DA ORDEM DO DIA O Sr. Presidente: - Srs. Deputados, o Sr
Pág.Página 1394
Página 1395:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1395 O Sr. Presidente: - Informo a Câmara que se inscreveram, para
Pág.Página 1395
Página 1397:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1397 cima quando esse membro do Governo é quem tutela as Forças
Pág.Página 1397
Página 1398:
1398 I SÉRIE —NÚMERO 42 O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado Carlos Encarnaçã
Pág.Página 1398
Página 1399:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1399 Srs. Deputados, já que invocaram o facto de estarmos acompanha
Pág.Página 1399
Página 1400:
SÉRIE-NÚMERO 42 milhões de contos em quatro anos, dos quais 2,7 milhões se destinam à insta
Pág.Página 1400
Página 1401:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1401 região, aproveitando este património para o nível de desenvolv
Pág.Página 1401
Página 1402:
1402 I SÉRIE - NÚMERO 42 Sr. Deputado António Gouveia, realizou-se, há alguns dias, um semi
Pág.Página 1402
Página 1403:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1403 O Sr. Carlos Alberto Santos. (PS): - Sr. Presidente, peç
Pág.Página 1403
Página 1404:
1404 I SÉRIE-NÚMERO 42 da Assembleia Municipal de Sever do Vouga, pelo que aos Deputado
Pág.Página 1404
Página 1405:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1405 Como sabem, o Governo tem valorizado o reforço das relações en
Pág.Página 1405
Página 1406:
SÉRIE - NÚMERO 42 A Sr. Ana Catarina Mendonça (PS): - Sr. Presidente, Sr.ªS e Srs. Deputado
Pág.Página 1406
Página 1407:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1407 O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr.Deputado Nuno Abeca
Pág.Página 1407
Página 1408:
SÉRIE - NÚMERO 42 1408 de Fundação da Organização Ibero-Americana de Juventude. A impor
Pág.Página 1408
Página 1409:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1409 relevo para a política internacional em matéria de juventude,
Pág.Página 1409
Página 1410:
1410 I SÉRIE - NUMERO 42 revê. Romper com o consenso social que rodeia a lei actual, desequ
Pág.Página 1410
Página 1411:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1411 está em tentar alterar a lei do aborto por uma operação, de co
Pág.Página 1411
Página 1412:
I SÉRIE - NÚMERO 42 1412 O Orador: - E quando, no ano passado, este assunto não «passou» aq
Pág.Página 1412
Página 1413:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1413 sensação com que fiquei foi- e peço novamente desculpa- a
Pág.Página 1413
Página 1414:
I SÉRIE-NÚMERO 42 1414 por ele. Teremos, seguramente, algum mérito pelo facto de o ter alca
Pág.Página 1414
Página 1415:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1415 em causa, sim, a vontade mobilizada do povo português para col
Pág.Página 1415
Página 1416:
I SÉRIE - NÚMERO 42 1416 O Sr. Presidente: - Para uma intervenção, tem a palavra o Sc. Depu
Pág.Página 1416
Página 1417:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1417 que o PSD, como partido, estava condenado a dividir-se. Por is
Pág.Página 1417
Página 1418:
I SÉRIE - NÚMERO 42 1418 Orador: - A questão que se coloca nesse domínio é que, de facto, a
Pág.Página 1418
Página 1419:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1419 V. Ex.ª confunde tudo porque não tem resposta para dar nem à s
Pág.Página 1419
Página 1420:
SÉRIE-NUMERO 42 1420 O Sr. Presidente: - Sr.ª Deputada, não há tradição nesta. Casa de defe
Pág.Página 1420
Página 1421:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1421 defesa dos que sofrem e dos que têm a sua vida em risco, sejam
Pág.Página 1421
Página 1422:
SÉRIE - NUMERO 42 De qualquer modo, tem a liberdade de usar da palavra como entender, porqu
Pág.Página 1422
Página 1423:
20 DE FEVEREIRO DE 1998 1423 Sr. Presidente, Srs. Deputados: Já hoje tivemos a oportunidade
Pág.Página 1423
Página 1424:
I SÉRIE-NUMERO 42 1424 O Sr. Presidente: - Srs. Deputados, está em apreciação. Não have
Pág.Página 1424
Página 1425:
 
Pág.Página 1425
Página 1426:
1426 I SÉRIE-NÚMERO 42 Diário da republica 1 - Preço de página para venda avulso. 9$5
Pág.Página 1426