O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

20 DE MARÇO DE 1998 1723

à lei-quadro no sentido de não ser necessária a realização de eleições antecipadas nesses municípios.

O Sr. Luís Marques Guedes (PSD): - Vai alterar as regras!

O Orador: - Gostaria também de manifestar aos vimaranenses a minha profunda convicção de que Guimarães continuará á ser um município da maior importância e projecção, quer na futura região de Entre Douro e Minho, quer no País. E, mais do que isso, estou profundamente convicto de que o desenvolvimento de Guimarães só terá a ganhar com uma boa relação com Vizela, em vez de deixar continuar a deteriorar-se uma situação que todos sabiam que, mais cedo ou mais tarde, teria de ser alterada.
Queria deixar aqui uma palavra especial de profundo apreço pela forma elevada e frontal como o Sr. Presidente da Câmara de Guimarães, o nosso camarada e amigo António Magalhães, tem encarado este momento difícil da vida do seu município.

Vozes do PS: - Muito bem!

O Orador: - Da mesma forma, quero deixar aqui a minha profunda confiança de que os futuros dirigentes autárquicos de Vizela terão a inteligência de perceber que o desenvolvimento do seu município terá de ter como trave-mestra uma boa relação com o município de Guimarães.

A Sr.ª Maria Celeste Correia (PS): - Muito bem!

O Orador: - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Gostaria de deixar aqui uma última palavra aos vizelenses. Em todo este processo, houve excessos que nós condenámos e condenamos,- mas, ao contrário de alguns que sempre viram na luta dos vizelenses um movimento retrógrado, eu acho que ele representou sempre um sinal de modernidade da sociedade portuguesa enquanto manifestação inquebrantável ,de cidadania.
De todos estes anos ficaram muitas imagens inesquecíveis, mas permito-me recordar agora uma que me sensibilizou particularmente. Alguns dias antes das últimas eleições autárquicas, uma cadeia de televisão realizou um directo de Vizela, a partir de um salão pode se encontravam muitas dezenas de vizelenses. O ambiente era, naturalmente, triste, pois aproximavam-se mais umas eleições autárquicas em que não poderiam votar para o seu município.
As tantas, o locutor resolve perguntar para toda a sala, para todas aquelas muitas dezenas de pessoas, se havia alguém que não acreditasse que o PS iria cumprir a sua promessa de criar o município de Vizela. Nem um só braço se levantou! Àqueles vizelenses, na tristeza daquele salão, já só lhes restava o seu sonho, a sua determinação e a confiança nas promessas do Partido Socialista.

O Sr. Gonçalo Ribeiro da Costa (CDS-PP): - Se não fosse o PP, ainda estariam á viver desse sonho!

O Orador: - Compromissos aqui reiterados, no ano passado, pelo líder da bancada do PS. Pois bem, chegou a hora de o PS honrar as suas promessas aos vizelenses.

O Sr. Gonçalo Ribeiro da Costa (CDS-PP): - Até que enfim! Já tardava!

O Orador: - O PS vai cumprir aquilo que prometeu.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: - Lembro aos cidadãos que se encontram nas galerias que não podem manifestar-se, nem favoravelmente, nem desfavoravelmente. Tenham paciência, mas é a regra da Casa.
Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado Manuel Monteiro.

O Sr. Manuel Monteiro (CDS-PP): - Sr. Presidente, Sr. Deputado Acácio Barreiros, em primeiro lugar, permita-me que o cumprimente, a si e à bancada do PS, pelo facto de o Partido Socialista manifestar um acto de coragem política, tendo em atenção os problemas sérios seguramente sérios! - que enfrenta neste momento, quanto mais não seja em virtude da ameaça feita pelo Sr. Presidente da Câmara de Guimarães de poder abandonar o próprio PS.

O Sr. Gonçalo Ribeiro da Costa (CDS-PP): - Muito bem!

O Orador: - Em segundo lugar, queria saudar V. Ex.ª e o Partido Socialista por, finalmente, votar a favor da criação do concelho de Vizela, pois pensamos que daí decorrem todas as vantagens, a bem da clarificação política e do que cada um de nós pensa sobre a nossa intervenção política.
Após esta saudação, queria dizer a V. Ex.ª três coisas. A primeira é que nós não mandamos no PS!

Vozes do PS: - Era o que faltava!

O Orador: - Se o Partido Socialista é contra esta iniciativa, se está tão zangado e tão discordante com ela, então, não vote favoravelmente a nossa iniciativa.

Vozes do CDS-PP: - Muito bem!

O Orador: - E quero dizer-lhe o seguinte: nós votaremos sempre a favor da vossa,...

O Sr. Gonçalo Ribeiro da Costa (CDS-PP): - Essa é a diferença!

- O Orador: - ... porque esse é. o compromisso que temos com o Partido Socialista,...

Vozes do PSD: - Têm?!...

O Orador: - ...aliás, que temos com o País,...

Vozes do PSD: - Ah!...

O Orador: - Não, peço desculpa...

O Sr. Presidente: - Srs. Deputados, façam silêncio, por favor. Os lapsos de linguagem corrigem-se.

O Orador: - Sr. Presidente, há males que vêm por bem e, se V. Ex.ª e me permite, quero dizer que não tenho - podia ter, claramente - um compromisso com o PS. Só faltava que não pudesse tê-lo!

Vozes do CDS-PP: - Muito bem!

Páginas Relacionadas
Página 1743:
2O DE MARÇO DE 1998 1743 também um texto de substituição, apresentado pelo Partido Social D
Pág.Página 1743
Página 1744:
1744 I SÉRIE - NÚMERO 51 O Orador: - É uma posição de coerência, que contrasta com a teimos
Pág.Página 1744