O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

13 DE NOVEMBRO DE 1998 685

Aplausos do PSD.

Pode poupar-se na compra de pisos na Torre das Antas para instalar serviços que já têm sítios onde se instalar, no Porto, a segunda cidade do País!

Aplausos do PSD.

Pode V. Ex.ª nomear um novo presidente da TAP, alguém que perceba do assunto e, com isso, conseguir uma gestão mais eficaz, que precise menos dos dinheiros públicos!

Aplausos do PSD.

Pode a Sr.ª Ministra da Saúde ter algum controlo na despesa do Serviço Nacional de Saúde, pois algum já significaria muitos milhões de poupança!

Aplausos do PSD.

Pode haver menos viagens de membros do Governo em Falcon para programas recreativos!

Aplausos do PSD.

Podem, Sr. Deputado e Sr. Ministro das Finanças, fazer-se novas embaixadas portuguesas no estrangeiro, mas nunca a exemplo daquilo que está a fazer-se em Berlim, pois consta do PIDDAC que se vai fazer uma embaixada portuguesa em Berlim que custa 5,6 milhões de contos. Poupa-se, e muito, se se tiver cuidado em coisas destas!

Aplausos do PSD.

Poupa-se, Sr. Deputado e Sr. Ministro das Finanças, com algum controlo nas obras da Junta Autónoma de Estradas!
Poupa-se em muitas outras coisas que eu poderia dizer, mas esta é a resposta «à Partido Socialista».
Vou dar-lhe, agora, a resposta «à PSD», que é a seguinte: tudo isto que referi, somado, representa alguns milhões, digo-lhe que até com pouco significado, mas falta o principal. Sabe o que é o principal? E ter-se a coragem política para fazer as reformas que são necessárias para que a despesa corrente não continue a subir da forma que estava a subir! Por isso, o principal onde se deve cortar é na falta de coragem política! E aí que se deve cortar!

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: - Entretanto, inscreveu-se, também para pedir esclarecimentos, o Sr. Deputado Lino de Carvalho.
Para o mesmo fim, tem a palavra o Sr. Deputado Henrique Neto.

O Sr. Henrique Neto (PS): - Sr. Presidente, Sr. Deputado Rui Rio, o povo diz, e o povo tem sempre razão, «diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és».

Risos do PS.

Pode poupar-se na compra de instalações para o Governo na Expo 98, porque essas instalações já existem, não é preciso comprar mais!

O Sr. José Junqueiro (PS): - Coisa que não acontece no seu partido!

O Orador: - ... tenho vindo a observar, desde que estou nesta Câmara, a sua evolução e vejo o Sr. Deputado com cada vez mais tiques do Partido Social Democrata, os quais são cada vez mais evidentes na capacidade que o Sr. Deputado tem de se afastar da realidade e do senso comum e daquilo que as pessoas normais vêem em relação à sociedade portuguesa e à economia.
Posso dizer que lamento, por razões pessoais, e que fico satisfeito, por razões políticas porque, quanto mais irrealistas forem os vossos argumentos, quanto mais as vossas considerações se afastarem da realidade objectiva - e o artigo que V. Ex.ª escreveu num dos jornais do passado fim-de-semana é uma sucessão de fantasias -, mais evidente se torna a qualquer observador, ao bom senso natural de qualquer cidadão, que o seu partido não tem quaisquer condições, por essa razão, para além de outras, de ser alternativa política ao Partido Socialista.
E dou-lhe só dois ou três exemplos desse afastamento da realidade. O senhor disse que o investimento público diminuiu, mas, Sr. Deputado, como o Sr. Primeiro-Ministro e o Sr. Ministro das Finanças disseram, depois de dois anos de grande investimento público e de grandes obras públicas, o Governo conseguiu arranjar projectos para 1999 que continuam a fazer crescer o investimento público!

Vozes do PSD: - Onde?!

O Orador: - Se em percentagem não cresceu tanto como no ano anterior, uns zeros qualquer coisa menos, continua a crescer acima dos valores excepcionais de 1997 e 1998!

O Sr. Luís Marques Guedes (PSD): - Estou pasmado!

O Orador: - Como é que as pessoas que vão ver construídas as auto-estradas que o Sr. Ministro João Cravinho tem anunciado e que diz que dobram a capacidade de construção de auto-estradas vão acreditar em V. Ex.ª?
Sr. Deputado, como é que as pessoas, os empresários portugueses, podem acreditar em V. Ex.ª, se pagam, actualmente, os juros mais baixos de há 30 anos a esta parte? Como é que eles podem pensar que V. Ex.ª tem razão, se têm hoje condições de investimento, de criação de empresas, como nunca tiveram? Como é que eles podem acreditar que há um descontrolo orçamental, se cada vez há mais empregos em Portugal? E, sejamos francos, nem todos se esqueceram do Sr. Ministro Braga de Macedo! Ainda há muita gente em Portugal que sabe o que foi a governação do PSD no tempo do Ministro Braga de Macedo, exactamente nesse capítulo do controlo ou descontrolo orçamental!
Finalmente, vou referir um ponto adicional. V. Ex.ª falou da TAP e eu gostaria de trazer aqui esta questão porque me parece um absurdo que o Partido Social Democrata não compreenda, e deveria compreender, que a TAP é uma empresa a caminho da privatização, não é Estado! É uma empresa a caminho da privatização que tem de concorrer com outras empresas! E, no dia em que a TAP anunciou que, eventualmente, não ia realizar alguns voos, a Lufthansa aumentou os seus voos de Frankfurt para

Páginas Relacionadas
Página 0686:
686 I SÉRIE - NÚMERO 20  o Porto e, provavelmente, outras linhas aéreas vão também fazê-lo!
Pág.Página 686
Página 0696:
696 I SÉRIE - NÚMERO 20  Risos do PS. ... ou seja, para o dilema que aqui se coloca,
Pág.Página 696