O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

4110 | I Série - Número 105 | 18 de Julho de 2001

 

Quero, por isso, desejar-lhe - e insisto em dizer que o faço não só em meu nome pessoal, mas também em nome da minha bancada - as maiores felicidades na sua actividade profissional e na sua vida pessoal.

Aplausos gerais.

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado Francisco de Assis.

O Sr. Francisco de Assis (PS): - Sr. Presidente, também em nome da minha bancada e em meu nome, quero associar-me às considerações que V. Ex.ª acabou de fazer.
Tive já oportunidade, no fim-de-semana passado, de escrever um pequeno depoimento para um jornal acerca da personalidade política do Dr. Octávio Teixeira e tudo quanto lá escrevi reflecte a posição do Grupo Parlamentar do Partido Socialista.
Inquestionavelmente, o Dr. Octávio Teixeira faz parte de uma categoria rara de homens políticos, pelo seu mérito, pela sua inteligência, pelo seu rigor e pela sua seriedade, que conseguem concitar a admiração e o respeito de todos os seus adversários políticos. E ele fê-lo sempre sem abdicar, num só momento, das suas convicções doutrinárias, antes, e até pelo contrário, afirmando-as de forma exemplar aqui, na Assembleia da República.
Penso que à personalidade e à acção, como parlamentar, do Dr. Octávio Teixeira ficarão indelevelmente associadas algumas imagens: a imagem do rigor, a imagem da inteligência, a imagem da seriedade e a imagem da tolerância, que era o que eu, nesta ocasião, mais queria salientar.
Participando activamente nos debates, batendo-se, com grande firmeza e com grande entusiasmo, na defesa das suas causas, que não raras vezes são distintas e até opostas àquelas que eu e o meu grupo parlamentar defendemos, nunca lhe vi, aqui, um gesto de intolerância, mas sempre uma postura de grande serenidade. Se há lembrança que nos vai ficar da sua participação parlamentar creio que é essa: uma serenidade inteligente, uma serenidade séria e uma serenidade profundamente tolerante.
Como testemunho pessoal, devo dizer que o Dr. Octávio Teixeira me ensinou - e isso não será uma das mais pequenas homenagens que nesta circunstância lhe posso fazer - a olhar de maneira diferente para uma certa esquerda que está à esquerda do Partido Socialista.
Quero desejar-lhe as maiores felicidades na sua vida pessoal e, em nome do interesse do País, desejo que prossiga a sua vida cívica e a sua vida política.

Aplausos gerais.

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado Basílio Horta.

O Sr. Basílio Horta (CDS-PP): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Também, em nome pessoal e da minha bancada, quero associar-me à homenagem ao Sr. Deputado Octávio Teixeira, para a qual V. Ex.ª, de forma tão feliz, nos convoca.
Quero dizer ao Sr. Deputado Octávio Teixeira que apreciamos o seu talento político, que é mais genuíno de ser apreciado quando, contra nós, tantas vezes foi exercido. E, portanto, apreciamo-lo. Apreciamos a sua correcção, a sua seriedade e, fundamentalmente, a sua lealdade.
V. Ex.ª era uma pessoa com quem se podia combinar determinadas iniciativas e procedimentos, e a sua palavra sempre valeu ouro.
É por isso que, para além dos elogios merecidos que a sua bancada, seguramente, lhe dá, eles são mais valiosos quando vêm da oposição, porque é realmente o reconhecimento do político e do homem.
Hoje, este Parlamento fica mais pobre com a sua saída, particularmente no momento em que era necessário que ficasse mais rico.
Quero desejar-lhe, sinceramente, como sabe, as maiores felicidades pessoais e profissionais. E fica nesta Casa o seu exemplo, que espero que seja seguido e que seja o caminho que a todos nos deve iluminar.

Aplausos gerais.

O Sr. Presidente: - Tem a palavra a Sr.ª Deputada Isabel Castro.

A Sr.ª Isabel Castro (Os Verdes): - Sr. Presidente, não quero deixar de me associar às palavras que, tão justamente, V. Ex.ª entendeu, hoje, proferir por vermos partir, em primeiro lugar, um grande amigo, devo dizê-lo, e, indiscutivelmente, bem mais do que isso, alguém que honrou este Parlamento e que deixa nele uma marca extremamente forte, que, segundo me parece, raras pessoas poderão deixar.
O enorme rigor, uma enorme competência, um enorme respeito pelos outros, o honrar a sua palavra, o que é particularmente importante, aliado a uma enorme dose de bom senso e sensibilidade fazem do Deputado Octávio Teixeira não só um Deputado que marca, seguramente, a história parlamentar do seu Grupo Parlamentar, a história do seu Partido e este Parlamento mas também uma pessoa que nos é muito querida. Por isso espero, vivamente, que, nas opções que tomou, possa continuar a fazer aquilo que sempre fez: defender o interesse público e bater-se firmemente pelas suas convicções, que aprendemos aqui a respeitar.

Aplausos gerais.

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado Luís Fazenda.

O Sr. Luís Fazenda (BE): - Sr. Presidente, em nome do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, também quero associar-me à homenagem que o Sr. Presidente já aqui fez ao Sr. Deputado Octávio Teixeira.
Devo dizer que o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda teve sempre uma enorme admiração pela sua contribuição rigorosa, pela forma como interveio a vários níveis nos debates parlamentares e nas comissões e, ainda mais do que isto - se bem que esse rigor e a qualidade que emprestou às suas intervenções seja importantíssimo -, a lealdade, o procedimento sério e correcto, que para todos nós e para mim em particular foi um aprendizado, o enorme espírito de abertura de diálogo político e a fraternidade pessoal, que eu gostaria de sublinhar.
Também nós queremos desejar-lhe as maiores felicidades políticas, profissionais e pessoais.

Aplausos gerais.

Páginas Relacionadas
Página 4112:
4112 | I Série - Número 105 | 18 de Julho de 2001   Visto não haver pedidos d
Pág.Página 4112
Página 4113:
4113 | I Série - Número 105 | 18 de Julho de 2001   VIII, 394/VIII, 428/VIII,
Pág.Página 4113
Página 4114:
4114 | I Série - Número 105 | 18 de Julho de 2001   A situação que se vivia e
Pág.Página 4114