O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

4822 | I Série - Número 103 | 17 de Março de 2006

 

crescimento da despesa com pessoal, o início da construção de alguns estabelecimentos, um melhor funcionamento das urgências hospitalares, etc., incluindo a investigação, a garantia da prevenção da pandemia contra a gripe pelos serviços de saúde pública, incluindo doutoramentos clínicos…

O Sr. Presidente: - Queira concluir, Sr. Ministro.

O Orador: - Vou concluir, Sr. Presidente.
As reformas da saúde levam anos a realizar: 10 anos a treinar um profissional; 6 a 8 anos a construir um hospital e 4 a construir um centro de saúde; uma década (não menos!) a criar um modelo de cuidados continuados; 5 anos a cobrir o País com unidades de saúde familiar; 1 ano apenas a "abater" alguns corporativismos; e 5 anos a montar um novo sistema de informação.
Sr.as e Srs. Deputados, o vosso mandato é igual ao meu, tem quatro anos.

Vozes do PSD: - Não sabemos!…

O Orador: - Decorreu pouco mais de um ano. Os Srs. Deputados que não aprenderam neste primeiro ano têm ainda mais três anos e meio para aprender.

O Sr. Hermínio Loureiro (PSD): - Mas não é consigo!

O Orador: - Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: A interpelação a que fomos submetidos não tinha um objecto real, substantivo; era uma interpelação meramente ideológica, adjectiva.

Protestos do BE.

Não surgiu uma única ideia prática, uma única solução, uma única proposta operacional que melhorasse a vida dos cidadãos.
Pergunto: foi tempo perdido?

Vozes do PS: - Não!

O Orador: - De modo algum! Nunca se perde tempo quando se reflecte. E também se aprende, Sr.as e Srs. Deputados - também se aprende com a crítica e com a comunicação.

Vozes do PS: - Muito bem!

O Orador: - A Assembleia cumpriu o seu dever de nos interpelar - sem razões substantivas, provavelmente, mas com utilidade.
Viremos aqui, Sr.as e Srs. Deputados, quantas vezes for necessário. Mas tereis a certeza de que traremos cada vez mais resultados, medidos em ganhos em saúde, em factos, em resultados. Não haverá mais posições defensivas na saúde,…

O Sr. Presidente: - Queira concluir, Sr. Ministro.

O Orador: - … "enfermidade" em relação ao défice ou "captura" pelas corporações.
Nada está já como estava antes. E nada ficará, daqui a três anos e meio, como nos foi deixado há um ano.

Aplausos do PS.

O Sr. Hermínio Loureiro (PSD): - Pode ficar pior!

O Sr. Presidente: - Srs. Deputados, encerrada que está a interpelação n.º 2/X - Sobre o sistema nacional de saúde (BE), vamos entrar no período regimental de votações.
Antes de mais, vamos proceder à verificação do quórum, utilizando o cartão electrónico.

Pausa.

Srs. Deputados, o quadro electrónico regista 124 presenças, às quais se adicionam 16 verificadas visualmente pela Mesa. Temos, pois, quórum de votações.
Começamos por votar o requerimento, apresentado pelo PS, PSD, PCP e CDS-PP, solicitando a prorrogação do prazo de baixa à Comissão de Educação, Ciência e Cultura, sem votação e até ao dia 30 de

Páginas Relacionadas
Página 4823:
4823 | I Série - Número 103 | 17 de Março de 2006   Junho, dos projectos de l
Pág.Página 4823