O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

5 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007


Diogo Nuno de Gouveia Torres Feio
José Hélder do Amaral
José Paulo Ferreira Areia de Carvalho
João Guilherme Nobre Prata Fragoso Rebelo
João Nuno Lacerda Teixeira de Melo
Luís Pedro Russo da Mota Soares
Nuno Miguel Miranda de Magalhães
Teresa Margarida Figueiredo de Vasconcelos Caeiro

Bloco de Esquerda (BE):
Alda Maria Gonçalves Pereira Macedo
Ana Isabel Drago Lobato
António Augusto Jordão Chora
Francisco Anacleto Louçã
Helena Maria Moura Pinto
João Pedro Furtado da Cunha Semedo
Luís Emídio Lopes Mateus Fazenda
Mariana Rosa Aiveca Ferreira

Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV):
Francisco Miguel Baudoin Madeira Lopes
Heloísa Augusta Baião de Brito Apolónia

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, não havendo expediente, vamos recomeçar dentro em breve o debate, na generalidade, da proposta de lei n.º 162/X — Orçamento do Estado para 2008, com uma intervenção do Sr. Ministro de Estado e das Finanças. Foi isto que me foi comunicado pelo Sr. Ministro dos Assuntos Parlamentares, que me disse ainda que o Sr. Primeiro-Ministro, tendo procedido à inauguração de um evento internacional no âmbito da Presidência da União Europeia, já está a caminho da Assembleia da República.
Assim sendo, mal chegue o Sr. Ministro de Estado e das Finanças, iniciaremos a sessão com a sua intervenção.

Pausa.

Srs. Deputados, vamos, então, dar início à nossa ordem do dia, continuando a apreciação, na generalidade, da proposta de lei n.º 162/X.
Tem a palavra o Sr. Ministro de Estado e das Finanças.

O Sr. Ministro de Estado e das Finanças (Teixeira dos Santos): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Ao apresentar a proposta de lei do Orçamento do Estado para 2008 o Governo fá-lo com a consciência de que o rumo traçado há dois anos e meio é o rumo certo. O défice das contas públicas reduziu-se para além das já de si ambiciosas metas. Depois da redução do défice para 3,9% do PIB, em 2006, atingiremos, em 2007, um défice de 3% do PIB, colocando-nos, assim, em linha com as exigências do Pacto de Estabilidade e Crescimento.
Também a evolução do rácio da dívida no PIB é neste período melhor do que o esperado, prevendo-se que registe já uma descida em 2007 que será a primeira redução nos últimos sete anos. Portugal deverá, assim, estar em condições de sair da situação de défice excessivo um ano antes do previsto.

Aplausos do PS.

Estes são os resultados obtidos sem recurso a medidas extraordinárias e acompanhados pelo reforço da qualidade e da transparência da informação contabilística. Por isso, são resultados que têm merecido o reconhecimento das principais organizações internacionais, que, em geral, têm aplaudido as reformas efectuadas e em curso no nosso país.
Ao mesmo tempo que ocorreu esta consolidação credível e sem truques, o crescimento da economia passou de 0,5% em 2005 para 1,3% em 2006 e o registado em 2007 está em linha com a previsão de 1,8%.
Um crescimento assente num forte dinamismo das exportações e contando já com o contributo associado à evolução positiva do investimento empresarial. Assim, desde o primeiro trimestre de 2005 até ao final do segundo trimestre de 2007 registou-se uma criação líquida de mais de 60 000 empregos. O desemprego começa já a baixar, invertendo um crescimento inicial que ficou muito longe do agravamento verificado nos três anos dos governos PSD/CDS-PP.
Neste debate parlamentar importa reafirmar que caminhos devemos trilhar no futuro próximo e, ao mesmo

Páginas Relacionadas
Página 0006:
6 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 tempo, tornar bem claro que caminhos não
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 O Sr. Mota Andrade (PS): — Bem lembrado!
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 gravidade da situação orçamental, se viu
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 O Sr. Ministro de Estado e das Finanças:
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 determinação em lutar, com os portuguese
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 O Sr. Diogo Feio (CDS-PP): — É porque é
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 também a economia portuguesa têm sido ca
Pág.Página 12
Página 0015:
15 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 O Sr. Ministro de Estado e das Finan
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 Ontem à noite, eu fiz uma nova pesquisa
Pág.Página 16
Página 0018:
18 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 excelência. Aquilo que os senhores fizer
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): —
Pág.Página 19
Página 0021:
21 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 uma empresa com o Estado, a parte fo
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 Sr. Deputado, é verdade que elogiei medi
Pág.Página 22
Página 0024:
24 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 confrontadas. A segunda questão tem a
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 Não faz sentido que cidadãos contrib
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 O Sr. Presidente: — Para pedir esclareci
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 … por isso mudam de estratégia e entram
Pág.Página 27
Página 0029:
29 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 Quarto facto: o compromisso — errado
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 O Sr. Ministro de Estado e das Finanças:
Pág.Página 30
Página 0032:
32 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 Como considerar socialista um Governo qu
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 interesse dos portugueses, a que, co
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 saber como é possível que trabalhadores
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 Só no ano corrente, os reembolsos do
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr.
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 seguir, no curto prazo. Protes
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 014 | 8 de Novembro de 2007 é que se vai processar esta operação? Fi
Pág.Página 38