O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

6 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, a nossa reunião de hoje é preenchida com um agendamento potestativo do Bloco de Esquerda sobre os projectos de lei n.os 485/X — Cria o regime jurídico do divórcio a pedido de um dos cônjuges (BE) e 486/X — Altera o prazo de separação de facto para efeitos da obtenção do divórcio (BE).
Para apresentar estes dois projectos, em nome do Bloco de Esquerda, tem a palavra a Sr.ª Deputada Helena Pinto.

A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Sr. Presidente, Sr.as Deputadas, Srs. Deputados: O Bloco de Esquerda reapresenta, hoje, o tema do divórcio a debate na Assembleia da República.
Há um ano atrás, mais precisamente em Maio de 2007, debatemos um projecto de lei que visava a criação de um novo regime jurídico do divórcio a pedido de um dos cônjuges. Este projecto deu origem a um grande debate que ultrapassou as paredes desta Assembleia, e assim deve ser quando se trata de matérias que envolvem a vida de cidadãos e de cidadãs.
Hoje, o Bloco de Esquerda reapresenta o seu projecto de lei onde incorporou todas as críticas construtivas que na altura foram feitas.
A convicção de há um ano atrás é hoje exactamente a mesma: se para celebrar um casamento – um contrato jurídico mas um contrato especial – são precisas duas vontades expressas, para manter esse casamento continuam a ser necessárias essas mesmas vontades. Ninguém deve ser obrigado a estar casado contra a sua própria vontade.

Vozes do BE: — Muito bem!

A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Não existe justificação para que se mantenham casamentos unilaterais em que a vontade de um se sobrepõe à vontade de outro.
A proposta do Bloco de Esquerda é muito clara: defendemos a possibilidade de declarar o divórcio a pedido de um dos cônjuges sem necessidade do calvário de justificações de motivos. Repito: sem justificação de motivos, sem a obrigação de invocar situações que justifiquem o fim do casamento, sem culpabilizar ninguém por esse final! Quando o amor acaba não existe culpa, não devem existir juízos valor, muito menos para serem esses juízos emitidos por um tribunal que não seja a consciência de cada um e de cada uma.

O Sr. Fernando Rosas (BE): — Muito bem!

A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Ninguém tem que justificar, muito menos expor em praça pública, por que deixou de querer estar casado com outra pessoa. As razões de cada pessoa apenas a ela dizem respeito, são emocionais, individuais e não devem estar sujeitas ao escrutínio público e à avaliação de outrem.
Manter a necessidade de invocação de qualquer motivo, mesmo que o Partido Socialista venha agora tentar fazer crer o contrário,…

O Sr. Jorge Strecht (PS): — O contrário?!

A Sr.ª Helena Pinto (BE): — … conduz necessariamente a uma avaliação do comportamento, a uma exposição da vida íntima e a um inerente juízo de culpabilidade.
Não podemos esquecer que é o apuramento da culpa que hoje arrasta a maioria dos divórcios pelos tribunais durante longos anos, durante os quais se «conflitualiza» e a agudiza ainda mais a relação e se instrumentalizam os filhos, envolvidos numa luta que não deve ser deles.
Hoje, com a actual lei, nestas situações, e quando um dos cônjuges não quer o divórcio, o outro vê-se obrigado a violar um dos deveres conjugais, mesmo que não o queira, e mesmo assim tem que esperar que o outro cônjuge se sinta ofendido face a essa violação e requeira o divórcio.
Defendemos o fim do divórcio com culpa. Por isso, defendemos hoje, como há um ano atrás, o divórcio a pedido de um dos cônjuges, sem necessidade de invocar motivos.

Páginas Relacionadas
Página 0007:
7 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Aplausos do BE. As alterações que
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Presidente: — Há dois Srs. Deputados
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Presidente: — Para responder, tem
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 … e até disseram que o nosso projecto era
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Nuno Teixeira de Melo (CDS-PP):
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 diversas fragilidades e demarcámo-nos dele
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. António Filipe (PCP): — Mas a qu
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Portanto, é esta a nossa posição de princí
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 E, Sr.ª Deputada Helena Pinto, sem que
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Sr.ª Deputada, a verdade é que no dia segu
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 requerente induz situações eticamente
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Fernando Rosas (BE): — Muito bem! Mu
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Luís Fazenda (BE): — Isso é falso!<
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Do nosso ponto de vista, não é satisfatóri
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Devo dizer, em absoluta honestidade intel
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Miguel Macedo (PSD): — Do meu ponto
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Presidente: — Para pedir esclare
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Entendemos que não devemos estar a confund
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 desconhecido da Mesa da Assembleia da
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 continuado e uma manifestação de boa fé po
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 bem mais progressistas, bem mais ousad
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Era o que faltava que, num Estado democrát
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 Por isso é que, ao longo destes 10 mes
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, o Sr.
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O que votamos hoje não é só a viabiliz
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Pedro Santana Lopes (PSD): — Esperam
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — É eviden
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 porque aquilo que o Sr. Deputado acabou aq
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 064 | 28 de Março de 2008 O Sr. Presidente: — Faça favor, Sr. Deput
Pág.Página 35