O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 I SÉRIE — NÚMERO 31

Madeira, ainda há meses, e no ano passado, 129 milhões de euros e quando o limite de endividamento

estabelecido por este Parlamento para este ano é de 50 milhões de euros?!

Aplausos do CDS-PP.

Protestos do PS.

Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, que autoridade tem o senhor para criticar um limite de endividamento

de 50 milhões de euros, quando o senhor e o seu Governo autorizaram para o Dr. Jardim (como costumam

dizer) 129 milhões de euros no ano passado?

Vozes do CDS-PP: —Muito bem!

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Em segundo lugar, Sr. Primeiro-Ministro, tenho todo o direito de lhe

dizer, em nome da minha bancada, que não há nenhuma irresponsabilidade nem nenhum populismo em dizer-

lhe que se o senhor ameaçou com uma crise política por 50 milhões de euros na lei das finanças regionais tem

o dever de explicar a este Parlamento por que é que nas empresas públicas não financeiras e financeiras, o

senhor — o seu Governo — se prepara para gastar 2668 milhões de euros no ano de 2010.

Protestos do PS.

Por que é que os aumentos de capital aumentam, os empréstimos aumentam e os subsídios às empresas

públicas aumentam no ano de 2010, quando o senhor pede contenção e espírito de sacrifício a todos os

demais?

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — É para privatizar!

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Sabe, Sr. Primeiro-Ministro, é que os 50 milhões de euros são 0,03% do

Produto, enquanto aquilo que o senhor se prepara, através do seu Governo, para pedir para gastar nas

empresas públicas é 1,62% do Produto. É bastante mais grave e está por explicar.

Vozes do CDS-PP: —Muito bem!

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Finalmente, Sr. Primeiro-Ministro, vem falar-me em demagogia e em

populismo depois de o seu colega Ministro das Finanças — a meu ver, bem! — ter admitido em entrevistas

que, se tivesse que pedir o sinal de reduzir os salários dos dirigentes políticos e das empresas públicas, fá-lo-

ia?!

O Sr. Presidente: —Queira concluir, Sr. Deputado.

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Então, por que é que o Ministro das Finanças é sensato e o CDS-PP é

demagogo?!

Vozes do CDS-PP: —Muito bem!

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Estou apenas a pedir-lhe que seja consequente.

Quando o Dr. Francisco de Assis diz que admite pensar nisso também é demagogo?!

Ó Sr. Primeiro-Ministro, estou a pedir-lhe que seja consequente. Deu um aumento de 2,9% em ano de

eleições e agora quer «correr tudo a zero», incluindo os salários mais baixos, para obter a compreensão das

pessoas e, sobretudo, reganhar autoridade. Entendo que todos os dirigentes políticos e de empresas públicas

devem dar um gesto, um sinal e o exemplo.

Páginas Relacionadas
Página 0023:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 23 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presidente: —Para
Pág.Página 23
Página 0024:
24 I SÉRIE — NÚMERO 31 Como eu dizia, significa 150 milhões de impacto no Orçamento
Pág.Página 24
Página 0025:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 25 O Sr. Primeiro-Ministro: —O que lamento é que, em todas
Pág.Página 25