O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

30 I SÉRIE — NÚMERO 31

Mas mais lamentável ainda, Sr. Deputado, é a tentativa de instrumentalizar o Parlamento como instância de

recurso contra decisões judiciárias tomadas pelo Sr. Presidente do Supremo Tribunal de Justiça e pelo Sr.

Procurador-Geral da República.

Aplausos do PS.

Sr. Deputado Francisco Louçã, quer eu, quer o Governo, quer o meu partido estamos muito abertos para

discutir, com total transparência, toda a matéria, toda, que diz respeito à relação entre o Estado e a

comunicação social. E a propósito da TVI, quero reafirmar, mais uma vez (porque parece que é isso que tem

sido muito discutido), o que já disse aqui, no Parlamento. Disse-o ontem e reafirmo hoje: nunca, nunca o

Governo deu qualquer orientação, qualquer ordem para que a PT comprasse ou deixasse de comprar

qualquer estação de televisão.

Protestos do PSD e do PCP.

Sr. Deputado, estou muito à-vontade para discutir a comunicação social e o Estado.

O Sr. Sérgio Sousa Pinto (PS): — Muito bem!

O Sr. Primeiro-Ministro: —Quanto à questão do derrotismo e da confiança, eu sou dos políticos que

acham que nenhum agente político deve desistir da confiança e que a promoção da confiança é

absolutamente essencial para fazer face aos dias difíceis que temos pela frente.

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Difíceis para quem?

O Sr. Primeiro-Ministro: —Não quero esconder que estes dias são exigentes e difíceis mas, no início de

2009, o cenário económico para os próximos anos era muito pior do que é hoje.

Por isso, Sr. Deputado, parto para este exercício com confiança. Com confiança em mim, sim, porque sei

bem a tarefa que tenho pela frente, com confiança no Governo, mas principalmente com confiança nos

portugueses.

Sr. Deputado, sei que não estamos de acordo num ponto. O Sr. Deputado entende que o nosso objectivo

para 2010 devia ser apenas o crescimento económico e o emprego. Compreendo esse ponto de vista, mas

também quero que o Sr. Deputado compreenda que, do meu ponto de vista, a melhor forma de darmos

confiança à nossa economia — e nós já fizemos este exercício antes — é com o sinal de que não admitiremos

que os nossos desequilíbrios nas contas públicas sejam de tal forma excessivos que ponham em causa o

financiamento da nossa economia.

Digo-lhe mais, e o Sr. Ministro das Finanças já o tem declarado também: grande parte dos paradoxos a que

estamos a assistir neste mundo dos mercados financeiros reside no facto de muitos bancos e organizações

financeiras que, no início de 2009, pediram a ajuda dos Estados, no final de 2009, queixaram-se que os

Estados gastaram demais a salvar essas instituições financeiras. Isto é o máximo dos paradoxos e, até, do

cinismo de um certo capitalismo!

Sr. Deputado, reafirmo que, para darmos confiança à nossa economia, precisamos de fazer já um esforço

para que o défice e a dívida portugueses sejam controlados, mas permitindo ainda que esses estímulos à

economia e ao emprego continuem. Essa tem sido a nossa batalha.

Sr. Deputado, finalmente, quero dizer-lhe que ninguém no Governo pensou em 13.º mês nenhum. Nenhum!

E não vai acontecer, nem sequer no 13.º mês dos ordenados dos políticos, Sr. Deputado. Limitei-me a dizer ao

Dr. Paulo Portas, que propõe essa medida, que não concordo com ela. E não concordo pela simples razão de

que não me parece que isso vá resolver o que quer que seja — é apenas um alarmismo e uma procura de

popularidade fácil.

Mas, Sr. Deputado, não me confunda, nem com essas propostas nem com quem tomou decisões de

comprar submarinos, que não fui eu nem este Governo!… Portanto, Sr. Deputado, não confunda, como

Páginas Relacionadas
Página 0007:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 7 Comissão, 148/XI (1.ª) — Altera o regime jurídico dos Con
Pág.Página 7
Página 0008:
8 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Primeiro-Ministro: — … para, com o seu voto, con
Pág.Página 8
Página 0009:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 9 registado nos países da OCDE ou inferior à média do regis
Pág.Página 9
Página 0010:
10 I SÉRIE — NÚMERO 31 Importa agora retomar, de novo, o caminho da consolidação or
Pág.Página 10
Página 0011:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 11 quantidade e qualidade na formação dos estudantes do ens
Pág.Página 11
Página 0012:
12 I SÉRIE — NÚMERO 31 Não me parece possível que o Primeiro-Ministro tenha vindo a
Pág.Página 12
Página 0013:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 13 Protestos do PSD. Do meu ponto de vista, a
Pág.Página 13
Página 0014:
14 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: —Tem
Pág.Página 14
Página 0015:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 15 isso resulta dos nossos compromissos na zona euro, mas t
Pág.Página 15
Página 0016:
16 I SÉRIE — NÚMERO 31 No final de 2009, comparando a queda do Produto em Portugal
Pág.Página 16
Página 0017:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 17 O Sr. Primeiro-Ministro: —Fizemos apenas aquilo que deví
Pág.Página 17
Página 0018:
18 I SÉRIE — NÚMERO 31 Queria pedir-lhe que indicasse uma boa razão que explique ao
Pág.Página 18
Página 0019:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 19 O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Considero que esse compor
Pág.Página 19
Página 0020:
20 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Deputado, considero — e disse isso no meu discurso — a d
Pág.Página 20
Página 0021:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 21 O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — E o PEC?
Pág.Página 21
Página 0022:
22 I SÉRIE — NÚMERO 31 Madeira, ainda há meses, e no ano passado, 129 milhões de eu
Pág.Página 22
Página 0023:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 23 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presidente: —Para
Pág.Página 23
Página 0024:
24 I SÉRIE — NÚMERO 31 Como eu dizia, significa 150 milhões de impacto no Orçamento
Pág.Página 24
Página 0025:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 25 O Sr. Primeiro-Ministro: —O que lamento é que, em todas
Pág.Página 25
Página 0026:
26 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do PSD. O Sr. Presidente: —Também para
Pág.Página 26
Página 0027:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 27 O Sr. Primeiro-Ministro: —Agora dizem que é populismo… <
Pág.Página 27
Página 0028:
28 I SÉRIE — NÚMERO 31 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Muito bem! O Sr. F
Pág.Página 28
Página 0029:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 29 Eu vejo bem o que vem por aí!… Quando se fala do
Pág.Página 29
Página 0031:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 31 costuma confundir, essa matéria de submarinos e de 13.º
Pág.Página 31
Página 0032:
32 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — De facto, Sr. Primeiro-Mini
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 33 O Sr. Primeiro-Ministro gosta muito de estatísticas e di
Pág.Página 33
Página 0034:
34 I SÉRIE — NÚMERO 31 Espero que isto tenha respondido à sua pergunta sobre o que
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 35 Mas fazemo-lo em Trás-os-Montes. O que não fazemos é apr
Pág.Página 35
Página 0036:
36 I SÉRIE — NÚMERO 31 que poderiam estar a ser ocupados por jovens deste País, mas
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 37 … não conheço outro partido que seja contra as en
Pág.Página 37
Página 0038:
38 I SÉRIE — NÚMERO 31 Ora, perante este quadro, que, como o Sr. Primeiro-Ministro
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 39 O PSD e o CDS-PP dizem acreditar neste Orçamento como um
Pág.Página 39
Página 0040:
40 I SÉRIE — NÚMERO 31 Primeira, ficámos a saber que para si, Sr. Primeiro-Ministro
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 41 unidose numa única. Nem uma, Sr. Primeiro-Ministro! Mas
Pág.Página 41
Página 0042:
42 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Miguel Frasquilho (PSD): — Eu disse da democrac
Pág.Página 42
Página 0043:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 43 Finalmente, quanto à unidose, Sr. Deputado, quero dizer-
Pág.Página 43
Página 0044:
44 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Presidente: —Os Srs. Deputados Miguel Frasquilho e Ped
Pág.Página 44
Página 0045:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 45 O Sr. Miguel Frasquilho (PSD): — Não foi! Foi de 8,6%! <
Pág.Página 45
Página 0046:
46 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Primeiro-Ministro, como é habitual, este Orçamento traz-
Pág.Página 46
Página 0047:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 47 Gostaria de lhe fazer uma pequena nota sobre a questão d
Pág.Página 47
Página 0048:
48 I SÉRIE — NÚMERO 31 nos possam dar uma visão apropriada, fiel, rigorosa e total
Pág.Página 48
Página 0049:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 49 O Sr. Primeiro-Ministro: —Sr. Presidente, Sr. Dep
Pág.Página 49
Página 0050:
50 I SÉRIE — NÚMERO 31 A Sr.ª Assunção Cristas (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr. Prim
Pág.Página 50
Página 0051:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 51 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presidente: —Par
Pág.Página 51
Página 0052:
52 I SÉRIE — NÚMERO 31 Mais: o Governo quer penalizar os trabalhadores no activo e
Pág.Página 52
Página 0053:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 53 Segunda questão, Sr. Primeiro-Ministro: há pouco, notei
Pág.Página 53
Página 0054:
54 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Não, isso é falso! Nós íamo
Pág.Página 54
Página 0055:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 55 O Sr. Primeiro-Ministro: —… uma avaliação que não é aval
Pág.Página 55
Página 0056:
56 I SÉRIE — NÚMERO 31 asO Sr. Presidente: —Sr. e Srs. Deputados, há ainda mais ci
Pág.Página 56
Página 0057:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 57 Ora, o que é que aconteceu, Sr. Primeiro-Ministro? Nem u
Pág.Página 57
Página 0058:
58 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Primeiro-Ministro, o seu Orçamento não responde, sobretu
Pág.Página 58
Página 0059:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 59 o Governo a discriminar, de forma tão grosseira, os muni
Pág.Página 59
Página 0060:
60 I SÉRIE — NÚMERO 31 do Ministro das Obras Públicas. Ele não disse que estava de
Pág.Página 60
Página 0061:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 61 mostrou disponível para falar ou negociar com o Governo,
Pág.Página 61
Página 0062:
62 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: —Srs. Deputa
Pág.Página 62
Página 0063:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 63 E era tão necessário e importante que o fizéssemo
Pág.Página 63
Página 0064:
64 I SÉRIE — NÚMERO 31 Não é o défice, Sr. Primeiro-Ministro, que nos pressiona, é
Pág.Página 64
Página 0065:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 65 Vozes do PSD: —Muito bem! A Sr.ª Manuela F
Pág.Página 65
Página 0066:
66 I SÉRIE — NÚMERO 31 No meio deste panorama, o Primeiro-Ministro teve sort
Pág.Página 66
Página 0067:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 67 Protestos do PSD. Foi um discurso d
Pág.Página 67
Página 0068:
68 I SÉRIE — NÚMERO 31 E é exactamente oposto porque, quando o senhor diz qu
Pág.Página 68
Página 0069:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 69 No entanto, a minha pergunta quase ficava sem objecto qu
Pág.Página 69
Página 0070:
70 I SÉRIE — NÚMERO 31 é que as normas que o Ministro das Finanças agora invoca par
Pág.Página 70
Página 0071:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 71 Aplausos do PSD. O Sr. Presidente: —Para p
Pág.Página 71
Página 0072:
72 I SÉRIE — NÚMERO 31 A Sr.ª Manuela Ferreira Leite (PSD): — Sr. Presidente
Pág.Página 72
Página 0073:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 73 asSr. Presidente, Sr. e Srs. Deputados: Com o Orçamento
Pág.Página 73
Página 0074:
74 I SÉRIE — NÚMERO 31 — alargamento do número de pessoas abrangidas pelos contrato
Pág.Página 74
Página 0075:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 75 Triste Partido Socialista que, contrariando as melhores
Pág.Página 75
Página 0076:
76 I SÉRIE — NÚMERO 31 … é uma decepção porque revela uma fraca capacidade de diálo
Pág.Página 76
Página 0077:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 77 Aplausos do CDS-PP. Neste momento, com resp
Pág.Página 77
Página 0078:
78 I SÉRIE — NÚMERO 31 O corte na despesa é feito, pois, essencialmente, à custa da
Pág.Página 78
Página 0079:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 79 E, nas receitas não fiscais, será crível um aumento de 2
Pág.Página 79
Página 0080:
80 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presidente: —P
Pág.Página 80
Página 0081:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 81 rasgar os seus próprios compromissos e mudar as regras a
Pág.Página 81
Página 0082:
82 I SÉRIE — NÚMERO 31 conseguiu uma, não conseguiu a outra, mas vai viabilizar o O
Pág.Página 82
Página 0083:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 83 a precariedade porque punia o recurso a recibos verdes c
Pág.Página 83
Página 0084:
84 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. José Gusmão (BE): — Apresentámos a mesma resolução a e
Pág.Página 84
Página 0085:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 85 Uma proposta que acentua a desigualdade na distribuição
Pág.Página 85
Página 0086:
86 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Presidente, Srs. Deputados: Com esta proposta de Orçamen
Pág.Página 86
Página 0087:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 87 O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Mas também na ár
Pág.Página 87
Página 0088:
88 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Presidente, Srs. Deputados: Portugal precisa de concreti
Pág.Página 88
Página 0089:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 89 potencial de crescimento do País. Só assim podemos, efec
Pág.Página 89
Página 0090:
90 I SÉRIE — NÚMERO 31 controlo das admissões. Passam ainda pelo controlo da despes
Pág.Página 90
Página 0091:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 91 e viáveis, nos curto, médio e longo prazos, que promovam
Pág.Página 91
Página 0092:
92 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Afonso Candal (PS): — Sr. Presidente, Sr. Minis
Pág.Página 92
Página 0093:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 93 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Muito bem!
Pág.Página 93
Página 0094:
94 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Deputado lembrou que 2009 foi um ano pródigo em engano
Pág.Página 94
Página 0095:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 95 As verbas inscritas pelos vários serviços, com o resulta
Pág.Página 95
Página 0096:
96 I SÉRIE — NÚMERO 31 Se estiver, Sr. Ministro, gostaria que nos dissesse se vai c
Pág.Página 96
Página 0097:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 97 Sr. Ministro, gostaria que me dissesse se o Governo está
Pág.Página 97
Página 0098:
98 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Bruno Dias (PCP): — Estava guardado! O S
Pág.Página 98
Página 0099:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 99 O Sr. Honório Novo (PCP): — Corte-lhe as cativaçõ
Pág.Página 99
Página 0100:
100 I SÉRIE — NÚMERO 31 que forma é que este acerto ou esta repartição deve ser fei
Pág.Página 100
Página 0101:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 101 Vai o Governo apresentar brevemente a este Parlamento u
Pág.Página 101
Página 0102:
102 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Tribunal de Contas, como eu disse, reconheceu que esses c
Pág.Página 102
Página 0103:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 103 para além de ter consequências sobre o emprego, também
Pág.Página 103
Página 0104:
104 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Ministro de Estado e das Finanças: —Sr. Presidente, c
Pág.Página 104
Página 0105:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 105 Não há aqui qualquer perdão de 600 milhões.
Pág.Página 105
Página 0106:
106 I SÉRIE — NÚMERO 31 A norma que tem constado na lei, nesta matéria, a nível com
Pág.Página 106
Página 0107:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 107 Como verificam no quadro electrónico, há saldos de temp
Pág.Página 107