O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

11 DE FEVEREIRO DE 2010 73

asSr. Presidente, Sr. e Srs. Deputados: Com o Orçamento para 2010, o Governo assume inequivocamente

— e bem! — as políticas sociais como prioridade central da governação na presente Legislatura, visando o

aprofundamento no combate à pobreza e às desigualdades sociais que ainda persistem no nosso país.

Aliás, as Grandes Opções do Plano para 2010-2013 incluem expressamente como eixos centrais da acção

governativa, entre outros, a promoção do emprego e o reforço da coesão social, com vista à redução da

pobreza e à criação de mais igualdade de oportunidades.

Neste contexto, o Governo inscreveu na proposta de Orçamento do Estado para 2010 medidas sociais nas

seguintes áreas: no apoio às famílias; no apoio aos idosos; na melhoria da eficiência da protecção social; no

reforço da protecção no desemprego; na promoção da adaptabilidade dos trabalhadores e das empresas; na

criação de emprego, na prevenção e no combate ao desemprego; na melhoria da política para a deficiência;

no reforço da protecção de crianças e jovens em risco. as

Trata-se, Sr. e Srs. Deputados, de medidas previstas em áreas fundamentais para o desenvolvimento

económico do País e para o reforço da coesão social que importa aqui sublinhar, em particular as que se

referem à criação de emprego, ao combate ao desemprego e à protecção dos cidadãos desempregados.

Todos sabemos que a evolução do desemprego em Portugal acompanhou a tendência europeia, atingindo,

actualmente, valores históricos muito elevados, pelo que, nessa medida, era fundamental que este Orçamento

do Estado elegesse, como efectivamente faz, o combate ao desemprego e a manutenção do emprego como

vectores fundamentais da intervenção do Estado.

Entre o vasto rol de medidas preconizadas cumpre, desde logo, sinalizar a Iniciativa Emprego 2010, que,

visando a manutenção e a criação do emprego, aponta para um investimento total na ordem dos 490 milhões

de euros, destinando-se a um universo de mais de 760 000 pessoas, da qual, pela importância, destaco as

seguintes medidas:

— redução em três pontos percentuais das contribuições para a segurança social por parte do empregador

no caso das micro e pequenas empresas, relativamente a trabalhadores com mais de 45 anos (falamos de

200 000 trabalhadores);

— redução em um ponto percentual das contribuições para a segurança social por parte do empregador

relativamente a trabalhadores que aufiram o salário mínimo nacional (SMN) em 2009 ou salários até 475 euros

resultantes de negociação colectiva e que em 2010 tenham tido um aumento de, pelo menos, 25 euros

(falamos de 350 000 trabalhadores);

— criação de novos programas de qualificação dirigidos a trabalhadores pertencentes a sectores com

maior exposição à crise económica e sazonalidade (falamos de 39 000 trabalhadores);

— apoio à contratação sem termo de jovens à procura do primeiro emprego e desempregados há mais de

seis meses até aos 35 anos, através de apoio financeiro directo de 2500 euros, em acumulação com isenções

para a segurança social (estamos a falar de 10 000 jovens);

— reforço dos programas de estágios profissionais para licenciados e com cursos profissionais e

tecnológicos (estamos a falar de 15 000 jovens);

— criação de um programa de apoio à contratação de jovens que concluem os estágios profissionais

(estamos a falar de 5000 jovens);

— requalificação de jovens licenciados em áreas de baixa empregabilidade (estamos a falar de 5000

jovens);

— apoio à contratação sem termo de desempregados há mais de seis meses através de apoio financeiro

directo de 2500 euros, em acumulação com isenções para a segurança social (estamos a falar de 2000

desempregados);

— apoio à contratação sem termo de desempregados com mais de 40 anos através de apoio financeiro

directo de 2500 euros, em acumulação com isenções para a segurança social;

— apoio à contratação a termo de desempregados há mais de 9 meses, com mais de 40 anos de idade,

através da redução das contribuições para a segurança social (estamos a falar de 6000 desempregados);

— criação de um programa de estágios para desempregados não subsidiados com mais de 35 anos de

idade (estamos a falar de 6500 desempregados);

— prolongamento por um período de seis meses de atribuição do subsídio social de desemprego (estamos

a falar de 50 000 desempregados);

Páginas Relacionadas
Página 0007:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 7 Comissão, 148/XI (1.ª) — Altera o regime jurídico dos Con
Pág.Página 7
Página 0008:
8 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Primeiro-Ministro: — … para, com o seu voto, con
Pág.Página 8
Página 0009:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 9 registado nos países da OCDE ou inferior à média do regis
Pág.Página 9
Página 0010:
10 I SÉRIE — NÚMERO 31 Importa agora retomar, de novo, o caminho da consolidação or
Pág.Página 10
Página 0011:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 11 quantidade e qualidade na formação dos estudantes do ens
Pág.Página 11
Página 0012:
12 I SÉRIE — NÚMERO 31 Não me parece possível que o Primeiro-Ministro tenha vindo a
Pág.Página 12
Página 0013:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 13 Protestos do PSD. Do meu ponto de vista, a
Pág.Página 13
Página 0014:
14 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: —Tem
Pág.Página 14
Página 0015:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 15 isso resulta dos nossos compromissos na zona euro, mas t
Pág.Página 15
Página 0016:
16 I SÉRIE — NÚMERO 31 No final de 2009, comparando a queda do Produto em Portugal
Pág.Página 16
Página 0017:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 17 O Sr. Primeiro-Ministro: —Fizemos apenas aquilo que deví
Pág.Página 17
Página 0018:
18 I SÉRIE — NÚMERO 31 Queria pedir-lhe que indicasse uma boa razão que explique ao
Pág.Página 18
Página 0019:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 19 O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Considero que esse compor
Pág.Página 19
Página 0020:
20 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Deputado, considero — e disse isso no meu discurso — a d
Pág.Página 20
Página 0021:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 21 O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — E o PEC?
Pág.Página 21
Página 0022:
22 I SÉRIE — NÚMERO 31 Madeira, ainda há meses, e no ano passado, 129 milhões de eu
Pág.Página 22
Página 0023:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 23 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presidente: —Para
Pág.Página 23
Página 0024:
24 I SÉRIE — NÚMERO 31 Como eu dizia, significa 150 milhões de impacto no Orçamento
Pág.Página 24
Página 0025:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 25 O Sr. Primeiro-Ministro: —O que lamento é que, em todas
Pág.Página 25
Página 0026:
26 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do PSD. O Sr. Presidente: —Também para
Pág.Página 26
Página 0027:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 27 O Sr. Primeiro-Ministro: —Agora dizem que é populismo… <
Pág.Página 27
Página 0028:
28 I SÉRIE — NÚMERO 31 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Muito bem! O Sr. F
Pág.Página 28
Página 0029:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 29 Eu vejo bem o que vem por aí!… Quando se fala do
Pág.Página 29
Página 0030:
30 I SÉRIE — NÚMERO 31 Mas mais lamentável ainda, Sr. Deputado, é a tentativa de in
Pág.Página 30
Página 0031:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 31 costuma confundir, essa matéria de submarinos e de 13.º
Pág.Página 31
Página 0032:
32 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — De facto, Sr. Primeiro-Mini
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 33 O Sr. Primeiro-Ministro gosta muito de estatísticas e di
Pág.Página 33
Página 0034:
34 I SÉRIE — NÚMERO 31 Espero que isto tenha respondido à sua pergunta sobre o que
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 35 Mas fazemo-lo em Trás-os-Montes. O que não fazemos é apr
Pág.Página 35
Página 0036:
36 I SÉRIE — NÚMERO 31 que poderiam estar a ser ocupados por jovens deste País, mas
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 37 … não conheço outro partido que seja contra as en
Pág.Página 37
Página 0038:
38 I SÉRIE — NÚMERO 31 Ora, perante este quadro, que, como o Sr. Primeiro-Ministro
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 39 O PSD e o CDS-PP dizem acreditar neste Orçamento como um
Pág.Página 39
Página 0040:
40 I SÉRIE — NÚMERO 31 Primeira, ficámos a saber que para si, Sr. Primeiro-Ministro
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 41 unidose numa única. Nem uma, Sr. Primeiro-Ministro! Mas
Pág.Página 41
Página 0042:
42 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Miguel Frasquilho (PSD): — Eu disse da democrac
Pág.Página 42
Página 0043:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 43 Finalmente, quanto à unidose, Sr. Deputado, quero dizer-
Pág.Página 43
Página 0044:
44 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Presidente: —Os Srs. Deputados Miguel Frasquilho e Ped
Pág.Página 44
Página 0045:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 45 O Sr. Miguel Frasquilho (PSD): — Não foi! Foi de 8,6%! <
Pág.Página 45
Página 0046:
46 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Primeiro-Ministro, como é habitual, este Orçamento traz-
Pág.Página 46
Página 0047:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 47 Gostaria de lhe fazer uma pequena nota sobre a questão d
Pág.Página 47
Página 0048:
48 I SÉRIE — NÚMERO 31 nos possam dar uma visão apropriada, fiel, rigorosa e total
Pág.Página 48
Página 0049:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 49 O Sr. Primeiro-Ministro: —Sr. Presidente, Sr. Dep
Pág.Página 49
Página 0050:
50 I SÉRIE — NÚMERO 31 A Sr.ª Assunção Cristas (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr. Prim
Pág.Página 50
Página 0051:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 51 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presidente: —Par
Pág.Página 51
Página 0052:
52 I SÉRIE — NÚMERO 31 Mais: o Governo quer penalizar os trabalhadores no activo e
Pág.Página 52
Página 0053:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 53 Segunda questão, Sr. Primeiro-Ministro: há pouco, notei
Pág.Página 53
Página 0054:
54 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Não, isso é falso! Nós íamo
Pág.Página 54
Página 0055:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 55 O Sr. Primeiro-Ministro: —… uma avaliação que não é aval
Pág.Página 55
Página 0056:
56 I SÉRIE — NÚMERO 31 asO Sr. Presidente: —Sr. e Srs. Deputados, há ainda mais ci
Pág.Página 56
Página 0057:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 57 Ora, o que é que aconteceu, Sr. Primeiro-Ministro? Nem u
Pág.Página 57
Página 0058:
58 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Primeiro-Ministro, o seu Orçamento não responde, sobretu
Pág.Página 58
Página 0059:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 59 o Governo a discriminar, de forma tão grosseira, os muni
Pág.Página 59
Página 0060:
60 I SÉRIE — NÚMERO 31 do Ministro das Obras Públicas. Ele não disse que estava de
Pág.Página 60
Página 0061:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 61 mostrou disponível para falar ou negociar com o Governo,
Pág.Página 61
Página 0062:
62 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: —Srs. Deputa
Pág.Página 62
Página 0063:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 63 E era tão necessário e importante que o fizéssemo
Pág.Página 63
Página 0064:
64 I SÉRIE — NÚMERO 31 Não é o défice, Sr. Primeiro-Ministro, que nos pressiona, é
Pág.Página 64
Página 0065:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 65 Vozes do PSD: —Muito bem! A Sr.ª Manuela F
Pág.Página 65
Página 0066:
66 I SÉRIE — NÚMERO 31 No meio deste panorama, o Primeiro-Ministro teve sort
Pág.Página 66
Página 0067:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 67 Protestos do PSD. Foi um discurso d
Pág.Página 67
Página 0068:
68 I SÉRIE — NÚMERO 31 E é exactamente oposto porque, quando o senhor diz qu
Pág.Página 68
Página 0069:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 69 No entanto, a minha pergunta quase ficava sem objecto qu
Pág.Página 69
Página 0070:
70 I SÉRIE — NÚMERO 31 é que as normas que o Ministro das Finanças agora invoca par
Pág.Página 70
Página 0071:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 71 Aplausos do PSD. O Sr. Presidente: —Para p
Pág.Página 71
Página 0072:
72 I SÉRIE — NÚMERO 31 A Sr.ª Manuela Ferreira Leite (PSD): — Sr. Presidente
Pág.Página 72
Página 0074:
74 I SÉRIE — NÚMERO 31 — alargamento do número de pessoas abrangidas pelos contrato
Pág.Página 74
Página 0075:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 75 Triste Partido Socialista que, contrariando as melhores
Pág.Página 75
Página 0076:
76 I SÉRIE — NÚMERO 31 … é uma decepção porque revela uma fraca capacidade de diálo
Pág.Página 76
Página 0077:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 77 Aplausos do CDS-PP. Neste momento, com resp
Pág.Página 77
Página 0078:
78 I SÉRIE — NÚMERO 31 O corte na despesa é feito, pois, essencialmente, à custa da
Pág.Página 78
Página 0079:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 79 E, nas receitas não fiscais, será crível um aumento de 2
Pág.Página 79
Página 0080:
80 I SÉRIE — NÚMERO 31 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presidente: —P
Pág.Página 80
Página 0081:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 81 rasgar os seus próprios compromissos e mudar as regras a
Pág.Página 81
Página 0082:
82 I SÉRIE — NÚMERO 31 conseguiu uma, não conseguiu a outra, mas vai viabilizar o O
Pág.Página 82
Página 0083:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 83 a precariedade porque punia o recurso a recibos verdes c
Pág.Página 83
Página 0084:
84 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. José Gusmão (BE): — Apresentámos a mesma resolução a e
Pág.Página 84
Página 0085:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 85 Uma proposta que acentua a desigualdade na distribuição
Pág.Página 85
Página 0086:
86 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Presidente, Srs. Deputados: Com esta proposta de Orçamen
Pág.Página 86
Página 0087:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 87 O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Mas também na ár
Pág.Página 87
Página 0088:
88 I SÉRIE — NÚMERO 31 Sr. Presidente, Srs. Deputados: Portugal precisa de concreti
Pág.Página 88
Página 0089:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 89 potencial de crescimento do País. Só assim podemos, efec
Pág.Página 89
Página 0090:
90 I SÉRIE — NÚMERO 31 controlo das admissões. Passam ainda pelo controlo da despes
Pág.Página 90
Página 0091:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 91 e viáveis, nos curto, médio e longo prazos, que promovam
Pág.Página 91
Página 0092:
92 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Afonso Candal (PS): — Sr. Presidente, Sr. Minis
Pág.Página 92
Página 0093:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 93 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Muito bem!
Pág.Página 93
Página 0094:
94 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Deputado lembrou que 2009 foi um ano pródigo em engano
Pág.Página 94
Página 0095:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 95 As verbas inscritas pelos vários serviços, com o resulta
Pág.Página 95
Página 0096:
96 I SÉRIE — NÚMERO 31 Se estiver, Sr. Ministro, gostaria que nos dissesse se vai c
Pág.Página 96
Página 0097:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 97 Sr. Ministro, gostaria que me dissesse se o Governo está
Pág.Página 97
Página 0098:
98 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Bruno Dias (PCP): — Estava guardado! O S
Pág.Página 98
Página 0099:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 99 O Sr. Honório Novo (PCP): — Corte-lhe as cativaçõ
Pág.Página 99
Página 0100:
100 I SÉRIE — NÚMERO 31 que forma é que este acerto ou esta repartição deve ser fei
Pág.Página 100
Página 0101:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 101 Vai o Governo apresentar brevemente a este Parlamento u
Pág.Página 101
Página 0102:
102 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Tribunal de Contas, como eu disse, reconheceu que esses c
Pág.Página 102
Página 0103:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 103 para além de ter consequências sobre o emprego, também
Pág.Página 103
Página 0104:
104 I SÉRIE — NÚMERO 31 O Sr. Ministro de Estado e das Finanças: —Sr. Presidente, c
Pág.Página 104
Página 0105:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 105 Não há aqui qualquer perdão de 600 milhões.
Pág.Página 105
Página 0106:
106 I SÉRIE — NÚMERO 31 A norma que tem constado na lei, nesta matéria, a nível com
Pág.Página 106
Página 0107:
11 DE FEVEREIRO DE 2010 107 Como verificam no quadro electrónico, há saldos de temp
Pág.Página 107