O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

12 DE FEVEREIRO DE 2010 59

Mas, Sr. Deputado, só quem tenha uma visão paroquial da nossa economia e da nossa vida colectiva, só

quem não seja capaz de olhar o futuro e o presente dos portugueses é que pode ter dúvidas sobre a

importância decisiva que teve para Portugal a adesão à União Europeia e a adesão à zona euro.

Se Portugal não estivesse inserido na zona euro, com a recessão brutal que viveu a economia mundial nos

últimos dois anos, Portugal teria sofrido de uma forma muito mais dura os efeitos dessa crise. Se tiverem

dúvidas, olhem para os países que estão fora da zona euro na União Europeia e verifiquem os impactos que

nesses países, a todos os níveis, a recessão internacional gerou.

Protestos do PCP.

É falso que o euro seja um problema para a economia portuguesa. É um desafio!

Protestos do PCP.

É um desafio exigente, mas é uma vantagem estratégica das mais importantes para o nosso futuro. Só

quem tem medo de enfrentar os desafios desse futuro integrado numa zona económico desenvolvida,

exigente, competitiva, com um sistema social desenvolvido é que pode, alguma vez, pôr em causa a nossa

participação na moeda única europeia.

Protestos do PCP.

Sr. Deputado, seleccionando, perdoe-me, algumas das questões que colocou, gostaria de lhe dizer que se

o Sr. Deputado tem dúvidas, como já várias vezes o ouvi dizer, acerca do investimento nacional nas energias

renováveis, o Governo não tem.

O Sr. Presidente: —Queira concluir, Sr. Ministro.

O Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento: — Vou concluir, Sr. Presidente.

O Sr. Deputado chamou-lhes «ditas renováveis». Sr. Deputado, o investimento nas energias renováveis

não pode ser visto pelos seus efeitos apenas no curto prazo. É uma verdadeira aposta estratégica na redução

da principal fonte da dependência externa no nosso País. Não investir nas energias renováveis neste

momento seria, seguramente, hipotecar o futuro de Portugal e dos portugueses por muitas dezenas de anos!

Aplausos do PS.

Termino, Sr. Presidente, respondendo à Sr.ª Deputada Maria José Gambôa. Basta olhar para os 500

jovens que estão hoje no Programa INOV Contacto, em todo o mundo, a ganhar qualificações que trarão para

as empresas nacionais, para a nossa economia, para perceber qual a dimensão da importância desse

investimento que vai crescer com este Orçamento, com este Governo, porque ele é essencial para o futuro da

economia portuguesa e para o futuro do nosso desenvolvimento.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: —Srs. Deputados, vamos dar início a nova ronda de pedidos de esclarecimento.

Tem a palavra a Sr.ª Deputada Heloísa Apolónia.

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr. Presidente, Sr. Ministro, quero colocar-lhe uma questão sobre

energia.

Nos últimos dias, tenho ouvido vários órgãos de comunicação social a anunciar ao País que este

Orçamento do Estado aumenta as deduções à colecta no que se refere às despesas com equipamentos para

energias renováveis. Penso que ninguém aqui é capaz de dizer que a microprodução não é importante e que o

Páginas Relacionadas
Página 0052:
52 I SÉRIE — NÚMERO 32 O Sr. Ministro dos Assuntos Parlamentares: — Não é que eu nã
Pág.Página 52
Página 0053:
12 DE FEVEREIRO DE 2010 53 Precisamos, pois, de um investimento privado qualificado
Pág.Página 53
Página 0054:
54 I SÉRIE — NÚMERO 32 Terceiro: o aumento do limite máximo da taxa incremental do
Pág.Página 54
Página 0057:
12 DE FEVEREIRO DE 2010 57 é exportada para Espanha é-o a preço zero, mas, a seguir
Pág.Página 57
Página 0058:
58 I SÉRIE — NÚMERO 32 O Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento
Pág.Página 58
Página 0062:
62 I SÉRIE — NÚMERO 32 O Sr. Pedro Saraiva (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Ministro da
Pág.Página 62
Página 0063:
12 DE FEVEREIRO DE 2010 63 Sr.ª Deputada, considera que se está a apoiar as grandes
Pág.Página 63
Página 0064:
64 I SÉRIE — NÚMERO 32 Mas digo aqui: a taxa de execução de pagamentos no apoio às
Pág.Página 64