O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

64 I SÉRIE — NÚMERO 32

Mas digo aqui: a taxa de execução de pagamentos no apoio às empresas é das maiores de todo o QREN e

situa-se, actualmente, nos 14% do total das verbas do QREN, enquanto que a taxa global do QREN passou

para 10% nos valores referentes ao último ano.

O Sr. José Eduardo Martins (PSD): — 10%?!

O Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento: —É pouco, Sr. Deputado, mas, ao

contrário do que pensam os Srs. Deputados que não têm por hábito consultar as páginas e a informação da

Direcção-Geral do Orçamento da Comissão Europeia, é essa a fonte.

O Sr. José Eduardo Martins (PSD): — 9,1%! Não se engane!

O Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento: —Comparem a execução com os

outros países da União Europeia e verifiquem se o que aconteceu em Portugal não aconteceu na generalidade

dos países da União Europeia.

Vozes do PS: —Muito bem!

O Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento: —A fonte, perguntaram os Srs.

Deputados, é a Direcção-Geral do Orçamento da União Europeia. É simplesmente necessário ter o mínimo de

iliteracia informática para ter acesso a essa fonte de informação.

O Sr. José Eduardo Martins (PSD): — Que lástima!

O Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento: —Como já no último trimestre o

crescimento da execução do QREN foi o maior desde que ele entrou em aplicação, obviamente que a nossa

ambição é que ele cresça mais rapidamente.

Mas, Sr. Deputado, já lhe disse em Comissão e terei todo o prazer, numa próxima reunião da Comissão, de

debater esse tema em profundidade, que o Governo está, de facto, a preparar novas metas de execução do

QREN para os anos 2010 e 2011 e está a resolver com os actores, com os agentes e com os investidores o

essencial dos problemas que marcam este sector.

Temos, pois, a certeza que o QREN vai ser um instrumento fundamental para que possamos aumentar as

exportações, aumentar a produção na nossa economia e recuperar mais rapidamente a situação económica

do nosso país.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: —A Sr.ª Deputada Heloísa Apolónia pediu a palavra para exercer o direito regimental de

defesa da honra da sua bancada.

Tem a palavra, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr. Presidente, julgo que toda a Câmara vai perceber que pedi a

palavra para defesa da honra porque fui apelidada – julgo que não era para mim, pessoalmente, visto que falo

em nome de Os Verdes – de mentirosa.

Vozes do PS: —Oh!…

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sim, sim! Disseram que eu disse uma mentira e quem diz uma

mentira é mentiroso.

Protestos do PS.

Páginas Relacionadas
Página 0052:
52 I SÉRIE — NÚMERO 32 O Sr. Ministro dos Assuntos Parlamentares: — Não é que eu nã
Pág.Página 52
Página 0053:
12 DE FEVEREIRO DE 2010 53 Precisamos, pois, de um investimento privado qualificado
Pág.Página 53
Página 0054:
54 I SÉRIE — NÚMERO 32 Terceiro: o aumento do limite máximo da taxa incremental do
Pág.Página 54
Página 0057:
12 DE FEVEREIRO DE 2010 57 é exportada para Espanha é-o a preço zero, mas, a seguir
Pág.Página 57
Página 0058:
58 I SÉRIE — NÚMERO 32 O Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento
Pág.Página 58
Página 0059:
12 DE FEVEREIRO DE 2010 59 Mas, Sr. Deputado, só quem tenha uma visão paroquial da
Pág.Página 59
Página 0062:
62 I SÉRIE — NÚMERO 32 O Sr. Pedro Saraiva (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Ministro da
Pág.Página 62
Página 0063:
12 DE FEVEREIRO DE 2010 63 Sr.ª Deputada, considera que se está a apoiar as grandes
Pág.Página 63