O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

40 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010

A Sr.ª Teresa Morais (PSD): — Portanto, o que temos para dizer é o seguinte: a proposta que o Governo aqui, hoje, traz, ao sugerir duas alterações pontuais e específicas ao Estatuto do Ministério Público, designadamente que o facto de se atingir a idade da reforma não implica a cessação da comissão de serviço do Vice-Procurador-Geral da República e que o Conselho Superior do Ministério Público pode nomear magistrados jubilados para o exercício de funções, a proposta do próprio Procurador-Geral da República, é incompreensível.
Na exposição de motivos, fundamenta-se o Governo em razões de interesse público e diz que, designadamente por via da manutenção dos mais habilitados, «no momento em que se fazem sentir necessidade de recursos na magistratura do Ministério Público, esta é a boa proposta».
Porém, as razões de interesse público aqui invocadas e as supostas soluções que esta proposta constituiria para problemas aqui enunciados da justiça portuguesa são absolutamente falsas.
O PSD compreende bem quais são os reais fundamentos desta proposta.

Vozes do PSD: — Sim, sim!

A Sr.ª Teresa Morais (PSD): — Contudo, não pode deixar de manifestar estranheza perante o que é proposto. É que, na verdade, há necessidade de recursos humanos no Ministério Público. Isso toda a gente sabe. Só que não é no topo de hierarquia, é na base, é no ingresso, é nos tribunais inferiores! Não há falta de procuradores-gerais adjuntos, há falta, sim, de procuradores adjuntos e de procuradores da República nos tribunais inferiores.
Portanto, o que isto significa é que esta proposta não resolve rigorosamente nada no que se refere à falta de magistrados, porque, evidentemente, os tais mais habilitados em final de carreira não seriam nunca colocados em funções nos tribunais inferiores. É absolutamente falacioso este argumento!

Vozes do PSD: — Muito bem!

A Sr.ª Teresa Morais (PSD): — É ainda verdade que o Estatuto do Ministério Público justifica uma revisão; porém, não é com certeza esta a revisão que o Estatuto precisa.
É extraordinário que o grupo de trabalho constituído para estudar e propor alterações ao Estatuto do Ministério Público, durante dois anos, não tenha sequer conseguido que esta discussão fosse iniciada e agora venha o Gabinete do Sr. Procurador-Geral da República reconhecer publicamente a necessidade de se proceder à revisão desse Estatuto. Mas pergunta-se: esta é a revisão necessária? É esta a revisão que o Sr.
Procurador-Geral da República quer? É esta a revisão de que o Ministério Público precisa? É óbvio que não! O Governo tem, aliás, estabelecido um paralelo, que o Sr. Secretário de Estado mais uma vez referiu, entre a norma que vem nos é aqui proposta e uma norma que existe no Estatuto dos Magistrados Judiciais desde 2008.
Todavia, é bom lembrar que essa norma não entrou pontual e cirurgicamente no Estatuto dos Magistrados Judiciais mas, sim, no contexto de uma revisão mais alargada do Estatuto dos Magistrados Judiciais, concretamente sobre a possibilidade de nomear juízes conselheiros jubilados para o Supremo Tribunal de Justiça.
Ora, não é isso que aqui vem proposto. O que aqui vem proposto é que seja possível a colocação de magistrados jubilados do Ministério Público em qualquer função, nomeados pelo Conselho Superior, por proposta do Sr. Procurador-Geral da República.
Acresce que esta proposta só pode agravar as dificuldades de progressão na carreira dos procuradores adjuntos e dos procuradores da República, cuja progressão já é, neste momento, extremamente difícil.
Portanto, Sr. Presidente e Sr.as e Srs. Deputados, o PSD estará sempre disponível para discutir uma revisão séria do Estatuto do Ministério Público, feita com tempo, feita com ponderação, e resolvidas que estejam as dúvidas ainda pendentes acerca da constitucionalidade de algumas normas do Estatuto do Ministério Público, cuja apreciação foi suscitada e ainda não está decidida pelo Tribunal Constitucional.
O PSD estará sempre disponível para uma discussão aberta e participada com os seus especiais interessados. Não está é disponível para viabilizar uma proposta desgarrada, apressada, descontextualizada,

Páginas Relacionadas
Página 0052:
52 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Isso é pa
Pág.Página 52
Página 0053:
53 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 Tem a palavra o Sr. Deputado José Moura Soe
Pág.Página 53
Página 0054:
54 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 Em primeiro lugar, com a suspensão de execu
Pág.Página 54
Página 0055:
55 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 A Sr.ª Margarida Almeida (PSD): — Senhor P
Pág.Página 55
Página 0056:
56 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 dos Intermitentes do Espectáculo e do Audio
Pág.Página 56
Página 0057:
57 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 O PS apresentou um projecto de resolução qu
Pág.Página 57
Página 0058:
58 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 Protestos do Deputado do PS Jorge Strecht.<
Pág.Página 58
Página 0059:
59 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 O Sr. Jorge Strecht (PS): — Para a defesa
Pág.Página 59
Página 0060:
60 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 Digam, Srs. Deputados, como é que resolvem
Pág.Página 60
Página 0061:
61 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 Gostava de passar à discussão política dess
Pág.Página 61
Página 0062:
62 | I Série - Número: 078 | 9 de Julho de 2010 Quanto ao projecto de resolução do PS, diss
Pág.Página 62