O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

15 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010

O PSD deu ao Governo as condições políticas e as condições orçamentais para poder desenvolver o seu trabalho. Se o Governo falhar será, naturalmente, da sua responsabilidade.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais (Sérgio Vasques): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Hoje é avocada a Plenário uma proposta do PCP relativa à tributação das transacções e transferências financeiras»

O Sr. Honório Novo (PCP): — Uma boa proposta!

O Sr. Secretário de Estrado dos Assuntos Fiscais: — » sobre a qual, julgo, importa aclarar ideias.
Ao nível comunitário estão, hoje em dia, a ser discutidas diversas soluções sobre esta matéria e uma delas é a da contribuição financeira incidindo sobre o passivo dos bancos, que o Governo decidiu integrar na proposta do Orçamento do Estado para este ano.
Esta contribuição, que corresponde, no essencial, às banking levies introduzidas no Reino Unido e na Alemanha, é uma contribuição cujos contornos essenciais estão já fixados na proposta orçamental e cuja regulamentação mais fina remeteremos para portaria, mas que, temos desde já consciência, virá produzir uma receita em torno dos 100 milhões de euros conscientes como estamos de que importa reforçar a participação do sector financeiro no esforço fiscal que o País tem vindo a fazer.
Uma segunda solução é a da criação de impostos sobre a actividade, sobre as transacções financeiras e também aqui existem soluções técnicas com contornos diversos.
Neste caso, o caminho ainda não está inteiramente percorrido a nível comunitário, sendo que o Governo está a acompanhar a discussão que tem vindo a ser feita a nível da Comissão e do grupo de alto nível que foi constituído para o efeito. Seguramente, não fechamos a porta a nenhuma das soluções em jogo, mas parecenos que a criação, pura e simples, de uma taxa de 0,2% sobre as transacções é uma solução romba e, sobretudo, é uma solução prematura. Importa chegar a acordo nesta matéria a nível comunitário para não criarmos soluções perversas e perniciosas para Portugal.
Finalmente, uma nota sobre o imposto relativo a transferências financeiras para offshore. O Governo tem vindo a fazer um esforço importante, em primeiro lugar, na celebração de acordos e troca de informações com estes paraísos fiscais com vista a controlar mais de perto os pagamentos que para eles são feitos; em segundo lugar, através da análise e controlo da informação que, hoje em dia, as instituições financeiras comunicam à administração fiscal nesta matéria. Mas a proposta do PCP é sobre este tema verdadeiramente surpreendente, porque sugere a criação de um imposto de 20% sobre estes pagamentos feitos em offshore, quando hoje em dia o Código do IRC já prevê que no caso de serem feitos pagamentos a offshores sem que estejam subjacentes operações materiais haja aplicação de uma taxa que é de 35% ou de 55%.
Srs. Deputados, o Governo recusa em absoluto a redução da taxa aplicável aos pagamentos feitos a offshore dos actuais 55% para 20%.
Por esse caminho, Srs. Deputados, não vamos, com toda a certeza!

Aplausos do PS.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — É, ç» Não brinque com coisas sçrias!

O Sr. Paulo Mota Pinto (PSD): — Sr. Presidente, peço a palavra.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr. Deputado.

O Sr. Paulo Mota Pinto (PSD): — Sr. Presidente, antes do início das últimas votações na especialidade, gostaria de fazer uma referência ao trabalho que foi efectuado pelos funcionários de apoio à Comissão de

Páginas Relacionadas
Página 0007:
7 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Bloco de Esquerda (BE) Ana Isabel Dr
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Plenário da votação de propostas de alte
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 para criar uma cláusula de excepção de m
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — É verdade! O Sr. J
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): —
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — Muito bem! A Sr.ª
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — A ú
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do PCP: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 14
Página 0016:
16 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Orçamento e Finanças que prepararam cen
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr.ª
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Pausa. Para uma intervenção, tem
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 contribuição de cada um, às grossas mai
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. António Filipe (PCP): — Estava an
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do PCP. E já não restam
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 do domínio do capital estrangeiro sobre
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A injustiça social e o erro económico d
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 impostos. E o que faz Governo? O Govern
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do BE. Sr.as e Srs. Depu
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E, para isto, escondeu um défice, que,
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Diz o Governo e o PSD que todos os proj
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Governo pode acabar, amanhã, mas o Pa
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Dados recentemente revelados mostram qu
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Para fomentar a competitividade e o din
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Não nos revemos em muitas das opções ne
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Ninguém tolerará mais falhanços.
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A despesa, que é sempre notícia, sobe n
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 É em nome do presente que deve ser feit
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E para que tudo funcione é preciso tamb
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 No momento em que o contágio internacio
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 complementada com reformas estruturais
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Antes de mais, vamos proceder novamente
Pág.Página 38