O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

32 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010

Ninguém tolerará mais falhanços.

Vozes do PSD: — Muito bem!

O Sr. Miguel Frasquilho (PSD): — Sr. Primeiro-Ministro, o seu Governo não pode voltar a falhar!

Aplausos do PSD.

Se isso acontecer, é Portugal inteiro que sofre e as consequências serão ainda mais dramáticas do que aquelas que já hoje os portugueses estão a sentir.
Nós cá estaremos a vigiar o cumprimento da palavra deste Governo em 2011 com o mesmo sentido de responsabilidade a que os portugueses já se habituaram e que não dispensam porque sabem que Portugal poderá sempre contar com o PSD. Esse é um factor fundamental que, mesmo nos tempos que correm, ainda lhes permite ter esperança e sonhar com uma luz ao fundo do túnel.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Afonso Candal.

O Sr. Afonso Candal (PS): — Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados: O momento é difícil. O quadro global em que o País se encontra é, de facto, extremamente difícil.
Para sairmos dele serão necessários, em qualquer circunstância, tempo e determinação, porque após anos de esforço de consolidação das finanças públicas, entre 2005 e 2008, em que se atingiu o mais baixo défice de sempre com reformas estruturais conseguidas com um ambiente de concertação, com medidas justas e equitativas de distribuição dos sacrifícios que também já na altura eram necessários, temos hoje um quadro difícil. Mas quem hoje temos aos comandos é quem também na altura conseguiu esse feito: o mais baixo défice de sempre foi conseguido sob a liderança deste Primeiro-Ministro e deste Ministro das Finanças.

Aplausos do PS.

Muitos têm ideias, propostas, análises, mas não têm estes resultados, e tiveram oportunidade de os ter. Há uma grande convergência na análise do histórico, mas é preciso reconhecer também que não era fácil fazê-lo.
E não vai ser fácil fazer também o que temos pela frente.
A crise que sobre nós se abateu é uma crise global, é uma crise profunda, é a crise das nossas vidas, é a maior crise dos últimos 80 anos. É preciso ter consciência da dimensão dessa mesma crise para poder gerar energia e os consensos necessários para ultrapassarmos as suas consequências.
O défice do Orçamento do Estado aumentou em 2009 fruto dessa mesma crise, com certeza que sim. Foi necessário acudir às situações mais dramáticas das famílias e das empresas portuguesas, pelo que não foi possível fazer uma redução de despesa. Mesmo assim a despesa não aumentou. O deslizamento do défice das contas públicas deve-se, como hoje já aqui foi dito, e bem, a uma diminuição das receitas e não ao descontrolo da despesa.
Hoje temos um novo quadro político que torna também esse desafio bastante mais exigente. Exige de todos mais sentido de responsabilidade e busca de convergências. A concertação de esforços é uma condição absolutamente fundamental, sem a qual não poderá haver sucesso.
As exigências que temos pela frente devemo-las ao País, mas devemos também aos nossos parceiros internacionais as exigentes medidas que temos de tomar, o percurso que tem de ser feito.
Felizmente, houve entendimento já no Orçamento do Estado para 2010. A execução desse Orçamento tem sido muito atacada, mas tem sido mal atacada, porque o Orçamento do Estado para 2010 só entrou em vigor muitos meses depois de o ano já ter começado e o ponto de partida que tínhamos era dos piores e dos mais difíceis dos últimos anos. A verdade também é que nos relatórios dos dados da execução orçamental se vê que, paulatina mas consistentemente, temos vindo a recuperar desses momentos mais difíceis para outros igualmente difíceis mas com outra dimensão.

Páginas Relacionadas
Página 0007:
7 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Bloco de Esquerda (BE) Ana Isabel Dr
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Plenário da votação de propostas de alte
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 para criar uma cláusula de excepção de m
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — É verdade! O Sr. J
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): —
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — Muito bem! A Sr.ª
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — A ú
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do PCP: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O PSD deu ao Governo as condições polít
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Orçamento e Finanças que prepararam cen
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr.ª
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Pausa. Para uma intervenção, tem
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 contribuição de cada um, às grossas mai
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. António Filipe (PCP): — Estava an
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do PCP. E já não restam
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 do domínio do capital estrangeiro sobre
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A injustiça social e o erro económico d
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 impostos. E o que faz Governo? O Govern
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do BE. Sr.as e Srs. Depu
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E, para isto, escondeu um défice, que,
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Diz o Governo e o PSD que todos os proj
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Governo pode acabar, amanhã, mas o Pa
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Dados recentemente revelados mostram qu
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Para fomentar a competitividade e o din
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Não nos revemos em muitas das opções ne
Pág.Página 31
Página 0033:
33 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A despesa, que é sempre notícia, sobe n
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 É em nome do presente que deve ser feit
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E para que tudo funcione é preciso tamb
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 No momento em que o contágio internacio
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 complementada com reformas estruturais
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Antes de mais, vamos proceder novamente
Pág.Página 38