O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

51 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010

Não havendo pedidos de palavra, vamos votá-lo.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Peço a palavra, Sr. Presidente.

O Sr. Presidente: — Para que efeito, Sr. Deputado?

O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Sr. Presidente, sei que foi um longo dia de trabalho, mas, se me permitir, gostaria de fazer, muito rapidamente, uma interpelação à Mesa para saudar, em nome do meu grupo parlamentar e pessoalmente, o Sr. Deputado Afonso Candal, que hoje participa na sua última sessão.
Tivemos oportunidade de trabalhar, ao longo de algum tempo, com o Sr. Deputado Afonso Candal e, como é normal entre Deputados de bancadas diferentes, muitas vezes tivemos divergências e até divergências muito profundas, mas a verdade é que, olhando para a bancada do PS, reconheço ao Sr. Deputado Afonso Candal um conjunto de qualidades e, por isso, a sua saída empobrece o Parlamento.
O Deputado Sr. Afonso Candal falava, há pouco, do trabalho invisível que muitas vezes é feito no Parlamento. Ora, fui testemunha directa do trabalho, muitas vezes invisível, que ele, na bancada do PS, muito especialmente em períodos orçamentais, sempre fez de uma forma séria, leal, empenhada e muito convicta daqueles que são os seus valores.
Por isso mesmo, no dia de hoje, não ficaria bem comigo próprio se não desejasse ao Sr. Deputado Afonso Candal a melhor das sortes nas tarefas que agora, certamente, irá desempenhar.
Deixa, de certo, saudades no Parlamento, mas deixa, acima de tudo, uma imagem de trabalho, que acho que é muito importante reconhecer hoje, aqui.
Para terminar, Sr. Presidente, só tenho pena, até pessoal, que o Sr. Deputado Afonso Candal, que foi responsável, na bancada do Partido Socialista, pela condução de muitos orçamentos do Estado, só hoje, neste último Orçamento do Estado, tenha estado muito preocupado com o tema do endividamento. É pena que agora, que finalmente se preocupa com isso, se vá embora. Espero, no entanto, que deixe esse reconhecimento e essa lição aos outros Sr.as e Srs. Deputados do Partido Socialista.

Aplausos do CDS-PP, de Deputados do PS, do PSD, do BE, do PCP, de Os Verdes.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Peço a palavra, Sr. Presidente.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr. Deputado.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Sr. Presidente, é também para interpelar a Mesa — por uma vez uma interpelação do CDS se justifica, Sr. Presidente! —»

Risos.

» para dizer, com toda a amizade (e ainda bem que há esta oportunidade), que o Sr. Deputado Afonso Candal teve um desempenho, enquanto parlamentar, que prestigia o Parlamento.
Bem me lembro, como ele referiu, quando entrámos em 1995 nesta Assembleia. Se calhar, até posso dizer, porque não é menorizar, que não foi o Deputado Afonso Candal aquele que, de entre os jovens Deputados do Partido Socialista de então, mais apareceu logo na primeira linha do combate parlamentar, mas o certo é que, pela perseverança e pela seriedade do trabalho que tem vindo a fazer, naturalmente com as discordâncias que temos em relação às posições políticas, ele foi ficando e, provavelmente, não foi por acaso. Melhor: tenho a certeza de que isso não foi por acaso.
É certo que continuará, com certeza, na sua vida profissional e pessoal, a defender as posições do Partido Socialista — nada me leva a crer o contrário — e, portanto, continuaremos a estar em campos opostos deste

Páginas Relacionadas
Página 0007:
7 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Bloco de Esquerda (BE) Ana Isabel Dr
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Plenário da votação de propostas de alte
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 para criar uma cláusula de excepção de m
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — É verdade! O Sr. J
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): —
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — Muito bem! A Sr.ª
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — A ú
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do PCP: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O PSD deu ao Governo as condições polít
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Orçamento e Finanças que prepararam cen
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr.ª
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Pausa. Para uma intervenção, tem
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 contribuição de cada um, às grossas mai
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. António Filipe (PCP): — Estava an
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do PCP. E já não restam
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 do domínio do capital estrangeiro sobre
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A injustiça social e o erro económico d
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 impostos. E o que faz Governo? O Govern
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do BE. Sr.as e Srs. Depu
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E, para isto, escondeu um défice, que,
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Diz o Governo e o PSD que todos os proj
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Governo pode acabar, amanhã, mas o Pa
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Dados recentemente revelados mostram qu
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Para fomentar a competitividade e o din
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Não nos revemos em muitas das opções ne
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Ninguém tolerará mais falhanços.
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A despesa, que é sempre notícia, sobe n
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 É em nome do presente que deve ser feit
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E para que tudo funcione é preciso tamb
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 No momento em que o contágio internacio
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 complementada com reformas estruturais
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Antes de mais, vamos proceder novamente
Pág.Página 38