O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

56 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010

completamente desequilibrada. O corte do benefício social do abono de família é um tremendo erro. Portugal precisa urgentemente de promover um forte aumento da natalidade; O Governo mantém a obstinação das parcerias público-privadas, como o TGV, comprometendo os orçamentos de muitos e longos anos e secundarizando os investimentos de proximidade, particularmente importantes no interior do País; Discriminam-se de uma forma ignóbil os funcionários públicos. É inconcebível o corte salarial na função pública. Se o momento actual exige sacrifícios, estes devem ser de carácter universal, toda a sociedade deve participar, cidadãos e empresas. Isolar os funcionários públicos é absolutamente injusto. É possível reduzir a despesa pública cortando nas despesas inúteis como a publicidade, colóquios, entre outras; Não é cumprida a Lei das Finanças Locais. De acordo com o artigo 238.º da Constituição, a Lei das Finanças Locais visa a justa repartição dos recursos públicos pelo Estado e pelas autarquias e a necessária correcção de desigualdades entre autarquias do mesmo grau. Com o não cumprimento da Lei das Finanças Locais vão, mais uma vez, acentuar-se as assimetrias regionais. O interior do País, fica também aqui a perder.
Os orçamentos das autarquias do interior dependem fundamentalmente do financiamento proveniente da aplicação da Lei das Finanças Locais. Na execução do Orçamento de 2010 o governo retirou às autarquias 100 milhões de euros. Foram 100 milhões de euros que não foram distribuídos pelo País e o resultado final não foi de poupança, antes pelo contrário, o Governo aumentou a despesa; Acaba a utilização gratuita das vias construídas em regime de SCUT, mas mantém a gratuitidade nas seguintes vias com características de auto-estrada: Eixo Norte-Sul (todo); A1 (entre Lisboa e Alverca); A2 (entre Lisboa e Coina); A5 (entre Lisboa e Porto Salvo/Oeiras); A8 (entre Lisboa e Loures); IC2 (entre Lisboa e Póvoa de Santa Iria); IC20 (entre Almada e a Costa da Caparica); IC17/CRIL(todo); IC19 (todo, entre Lisboa e Sintra); IC21 (todo, entre Coina e Barreiro); IC32 (todo, entre a A2 (Coina) e Alcochete).
Os cidadãos residentes no interior do País, de acordo com o artigo 12.º da Constituição — Princípio da universalidade, gozam dos mesmos direitos e estão sujeitos aos mesmos deveres que os residentes no litoral.
Persistindo troços gratuitos, o princípio da universalidade não é de aplicação universal e mais uma vez os portugueses residentes no interior são penalizados; No interior do País, encerram-se serviços de saúde e desqualificam-se hospitais. O direito constitucional de protecção à saúde (artigo 64.º — Para assegurar o direito à protecção da saúde, incumbe prioritariamente ao Estado garantir uma racional e eficiente cobertura de todo o país em recursos humanos e unidades de saúde) não se aplica de igual forma a todos os portugueses, o interior tem vindo a ficar desprotegido; Diminui a coesão territorial. A Constituição não se cumpre, uma vez que, de acordo com o artigo 81.º da Constituição incumbe ao Estado, promover a coesão económica e social de todo o território nacional, orientando o desenvolvimento no sentido de um crescimento equilibrado de todos os sectores e regiões, eliminando progressivamente as diferenças económicas e sociais entre a cidade e o campo e entre o litoral e o interior. É escandaloso que os investimentos previstos em PIDDAC para o distrito de Vila Real voltem a ser reduzidos em 31,11%, quando já no Orçamento de 2010 sofreram uma redução de 90,14 %. Assume particular gravidade a análise da distribuição per capita, onde para o distrito de Vila Real está previsto um investimento de € 22,15, quando a média nacional ç de € 48,06. O distrito de Vila Real receberá menos de metade do que a média nacional, quatro vezes menos do que o distrito de Lisboa e sete vezes menos do que o distrito de Faro. As grandes obras públicas, novo aeroporto, TGV e terceira travessia do Tejo, vão agravar as assimetrias regionais, o interior vai ficar ainda mais pobre;

Páginas Relacionadas
Página 0007:
7 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Bloco de Esquerda (BE) Ana Isabel Dr
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Plenário da votação de propostas de alte
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 para criar uma cláusula de excepção de m
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — É verdade! O Sr. J
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): —
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do BE: — Muito bem! A Sr.ª
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — A ú
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Vozes do PCP: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O PSD deu ao Governo as condições polít
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Orçamento e Finanças que prepararam cen
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr.ª
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Pausa. Para uma intervenção, tem
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 contribuição de cada um, às grossas mai
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Sr. António Filipe (PCP): — Estava an
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do PCP. E já não restam
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 do domínio do capital estrangeiro sobre
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A injustiça social e o erro económico d
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 impostos. E o que faz Governo? O Govern
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Aplausos do BE. Sr.as e Srs. Depu
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E, para isto, escondeu um défice, que,
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Diz o Governo e o PSD que todos os proj
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 O Governo pode acabar, amanhã, mas o Pa
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Dados recentemente revelados mostram qu
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Para fomentar a competitividade e o din
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Não nos revemos em muitas das opções ne
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Ninguém tolerará mais falhanços.
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 A despesa, que é sempre notícia, sobe n
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 É em nome do presente que deve ser feit
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 E para que tudo funcione é preciso tamb
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 No momento em que o contágio internacio
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 complementada com reformas estruturais
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 025 | 27 de Novembro de 2010 Antes de mais, vamos proceder novamente
Pág.Página 38