O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

11 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011

Aplausos do PS.

Sr. Deputado Paulo Portas, se realmente esta é a razão do colapso do PEC 4, gostaria de lhe dizer que está muito mal explicado, porque o que se verificou ontem foi a união dos Srs. Deputados e de todas as oposições desta Câmara para participar no colapso deste País no que diz respeito ao PEC 4.

A Sr.ª Conceição Casa Nova (PS): — Exactamente!

A Sr.ª Isabel Coutinho (PS): — O Sr. Deputado sabe, já foi explicado, que as pensões mínimas não serão congeladas nos próximos anos.
De facto, o CDS-PP tem vindo a insistir neste tema, apresentando, de quando em vez, várias iniciativas neste sentido.
Através deste projecto de lei, o CDS pretende garantir que o valor das pensões mínimas, incluindo as do regime não contributivo e as das actividades agrícolas, indexadas ao IAS (indexante dos apoios sociais) será actualizado, pelo menos, pelo valor correspondente ao IPC (índice de preços do consumidor) nos casos em que exista a manutenção do valor do IAS, argumentando que o chamado «PEC 4» aponta para o congelamento do IAS e que por isso as pensões mínimas não terão qualquer aumento entre 2011 e 2013.
Na nossa opinião, com este projecto de lei, vem o CDS, de novo, de forma demagógica e, desta vez, mesmo inconsequente, levantar um falso problema.
Em primeiro lugar, é importante salientar que nunca a actualização das pensões mais baixas deixou de se verificar por condicionalismos resultantes do IAS — já para não falar em todos os outros apoios que o Governo do Partido Socialista tem no que diz respeito aos idosos.
Em segundo lugar, e contrariamente ao que o CDS-PP refere, o PEC 4 prevê a actualização das pensões mais baixas em termos a definir no respectivo enquadramento orçamental.
Em terceiro lugar, o CDS não tem consciência de que o seu projecto, ao contrário do que disse o Sr. Deputado Paulo Portas, viola frontalmente a lei-travão»

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Não viola, não!

A Sr.ª Isabel Coutinho (PS): — » que impede que os Deputados apresentem projectos de lei que envolvam aumento de despesas ou diminuição de receitas no ano em curso. Basta ler o vosso projecto de lei.
Ex.mo Sr. Presidente, Srs. Deputados: Numa deriva eleitoral, o CDS traz uma iniciativa que sabe que não pode ser aprovada e que não tem em conta a situação do País.
Neste contexto, gostaria de colocar algumas questões ao CDS.
O que leva o CDS a apresentar um projecto tecnicamente mal feito e que viola a lei-travão?

Vozes do PS: — Muito bem!

A Sr.ª Isabel Coutinho (PS): — É assim que o CDS vê os mais desfavorecidos? Dando sobras nas cantinas? Dando «valezinhos» de medicamentos? Onde é que estão as reformas estruturais de apoios sociais aos mais idosos? Essa é uma lição que o Partido Socialista deu ao longo destes últimos anos! Os Srs. Deputados não se podem apoderar destas mesmas medidas!

Vozes do PS: — Muito bem!

A Sr.ª Isabel Coutinho (PS): — Não considera também o CDS, tendo em conta as circunstâncias que hoje se vivem, que se imponha a este Parlamento grande prudência relativamente às medidas de impacto financeiro para o Estado?

Páginas Relacionadas
Página 0006:
6 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Bloco de Esquerda (BE) Ana Isabel Drago
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Para apresentar o projecto de lei, tem a pa
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 em Portugal, não podem ficar congeladas e q
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Foi por isso que, em três anos de política
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Queria, fi
Pág.Página 10
Página 0012:
12 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Por último, no recente congresso do CDS, o
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Tem a palavra, para uma intervenção, o Sr.
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 No dia 18 de Março — todos nos recordamos
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Adão Silva (PSD): — O Partido Socia
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 em 2011 e vir agora dizer que, para diante
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Sabemos também que, hoje, a campanha do PS
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Ontem, Ma
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Adão Silva (PSD): — Mas aquilo esta
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Aplausos do PSD. Sobre a questão, qu
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Miguel Laranjeiro (PS): — Suspender
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Já conhecíamos, aliás, a agenda neoliberal
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 É ou não verdade que o custo de vida para
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Aplausos do CDS-PP. Como já esclarec
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Nós reje
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O CDS-PP apresentou hoje uma iniciativa le
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Tenho aind
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 numa segunda versão, actualizar moderadame
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Jorge Machado (PCP): — E não foi só
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 A Sr.ª Mariana Aiveca (BE): — Indo agora
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Chegámos a esta gravíssima crise económica
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 Nesta gravíssima situação económica e soci
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Jorge Strecht (PS): — » atç porque,
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 068 | 25 de Março de 2011 O Sr. Jorge Machado (PCP): — Diz todos os
Pág.Página 34