O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 15

50

Essa é a vossa responsabilidade! Não há aqui «duas caras». Há uma decisão e uma responsabilidade, que

é só esta!!

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — O Sr. Deputado Mendes Bota fez chegar à Mesa um pedido de

defesa da honra, anteriormente à intervenção da Sr.ª Deputada Cecília Honório e que se reporta à intervenção

da Sr.ª Deputada Heloísa Apolónia.

Sr. Deputado, quer fazer o favor de concretizar melhor a razão do seu pedido de defesa da honra?

O Sr. Mendes Bota (PSD): — Sr. Presidente, ao abrigo do artigo 84.º do Regimento, gostaria de fazer a

defesa da minha honra, porquanto o meu nome foi explicitamente citado, quer na intervenção da Sr.ª

Deputada Heloísa Apolónia quer, já antes, na intervenção do Sr. Deputado Paulo Sá.

E porque considero que as referências feitas ao meu nome e ao meu posicionamento político em relação à

matéria em discussão não correspondem à verdade, queria usar o direito de defesa da honra e do meu nome.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Quero informar a Câmara de que o Sr. Deputado fez chegar o seu

pedido antes, isto é, imediatamente a seguir à intervenção da Sr.ª Deputada Heloísa Apolónia, mas que, para

não perturbar a continuidade do debate e nos termos regimentais, uma vez que o Sr. Deputado não faz parte

da direcção do seu Grupo Parlamentar, tinha direito a fazer este pedido da defesa da honra no final do debate.

Chegados ao final do debate e não registando a Mesa mais pedidos de esclarecimento, dou-lhe a palavra.

Faça favor, Sr. Deputado Mendes Bota.

O Sr. Mendes Bota (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Sou um homem de palavra e não

tenho «duas caras», como disse a Sr.ª Deputada Cecília Honório. E o Sr. Deputado Paulo Sá, quando referiu

as minhas afirmações quando eu era, então, presidente do PSD/Algarve, a propósito da Via do Infante e da

colocação de portagens, deveria ter tido a hombridade, devia ter tido a dignidade, e a verdade também, de

dizer que, hoje, já não sou dirigente do PSD/Algarve, mas também de dizer que não encontra em lado algum

nenhuma intervenção minha, nem escrita nem oral, onde tenha alguma vez contradito tudo aquilo que eu

disse, na altura.

Vozes do PSD: — Muito bem!

O Sr. Mendes Bota (PSD): — Sou, fui e continuo a ser adversário da colocação de portagens na Via do

Infante! Mas os senhores «penduram-se», agarram-se à questão das portagens da Via do Infante como um

náufrago se agarra a uma bóia de salvação e andam a tentar instrumentalizar os protestos. Por isso, meus

caros Deputados e Deputadas, é que eu não aderi aos protestos dessas manifestações de utentes, porque

elas não representam significativamente as forças vivas do Algarve — não estão lá as associações de

empresários, não estão lá as autarquias que estiveram no ano de 2004, quando foi, essa sim, a grande e a

maior manifestação de sempre no Algarve. Eu nunca contradisse aquilo que disse!

Agora, tenho de dizer aqui também que portagens devem ser pagas por aqueles que não utilizam a «via

aberta» da verdade, que utilizam a Via…

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Queira concluir, Sr. Deputado.

O Sr. Mendes Bota (PSD): — … como uma portagem para faltarem à verdade e para tirarem apenas

dividendos políticos.

Eu disse em plena campanha eleitoral, à frente do meu líder, que não era a favor das portagens, e os

senhores ignoram também que o meu líder foi ao Algarve dizer que era pela introdução de portagens…

Protestos do PCP.