O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

5 DE NOVEMBRO DE 2011

27

pela população de Odivelas — esta é uma petição já da anterior Legislatura — é que o Ministério da Defesa

Nacional, que tem sob a sua responsabilidade a tutela deste edifício, permita esse acesso.

Acompanhamos os peticionários nesta exigência, mas não podemos deixar de aproveitar esta petição para

também fazer um grande apelo ao Governo, nomeadamente ao CDS-PP. Esta petição foi promovida pela

concelhia do CDS-PP — e se, muitas vezes, não estamos de acordo, desta vez estamos: é preciso que a

população tenha acesso ao Mosteiro —, sendo subscrita, inclusive, por dois actuais Ministros deste Governo,

um Governo que tem o orçamento para a cultura mais baixo das últimas duas décadas. Até diria desde que há

Ministério da Cultura, mas como agora não existe…

Trata-se de um orçamento que põe em causa o acesso da população à cultura, a criação artística e a

manutenção do património, porque não só é o orçamento mais baixo de sempre como, com as reformulações

que são feitas, toda a tutela do património está em causa: deixamos de ter uma tutela técnica que possa,

realmente, analisar e proteger o nosso património.

Esta petição faz também um apelo à consciência do CDS-PP para que faça agora o que defendeu na

anterior Legislatura. Este orçamento não pode passar! É da vossa responsabilidade serem consequentes com

o que andaram a defender e conseguirem que este orçamento seja diferente, que a posição de Portugal para a

cultura seja uma outra.

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Inês Teotónio

Pereira.

A Sr.ª Inês Teotónio Pereira (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Gostava de, em nome

do Grupo Parlamentar do CDS, começar por cumprimentar os membros do Grupo Pensar Odivelas, que foram

os autores desta iniciativa e, em nome deles, os 6476 peticionários.

A petição aqui em debate, apesar de ter dado entrada na Assembleia da República no passado mês de

Abril, é bastante pertinente, tendo em conta que ainda há poucas semanas, no dia 9 de Outubro, se

celebraram os 750 anos do nascimento do rei D. Dinis, que é uma figura central do monumento em apreço

nesta petição.

Entendem os peticionários que o Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, mais conhecido por Mosteiro de

Odivelas, deve ser aberto ao público, que o monumento onde se encontram os túmulos de D. Dinis e de sua

filha D. Maria Afonso, e que tem uma parte classificada como património nacional, possa ser visitado aos

sábados, domingos e feriados, durante todo o dia, pela população de Odivelas e por todos os portugueses.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Muito bem!

A Sr.ª Inês Teotónio Pereira (CDS-PP): — Consideram, ainda, que o encerramento do Mosteiro,

considerado uma peça rara do estilo gótico, representa um elevado prejuízo para a valorização da vida cultural

e social da Zona Metropolitana de Lisboa.

Ora, esta parece ser uma pretensão simples, que não justificaria uma petição para ser satisfeita. Mas não!

O facto de o Mosteiro de Odivelas estar sob a alçada do exército e de ali funcionar uma escola tem sido a

razão invocada para o seu encerramento. Alega-se, legitimamente, que a abertura poderia prejudicar o normal

funcionamento das actividades ali desenvolvidas pelos militares e pela escola.

No entanto, cerca de 6500 pessoas, provenientes de todas as áreas políticas e profissionais, insistem que

este Mosteiro, que é de todos, deve poder ser visitado por todos.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

A Sr.ª Inês Teotónio Pereira (CDS-PP): — E que as dificuldades que existem devem ser equacionadas,

mas devem também ser ultrapassadas.

Páginas Relacionadas
Página 0037:
5 DE NOVEMBRO DE 2011 37 Para a apresentação do voto n.º 24/XII (1.ª), tem a palavr
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 38 38 Por isso, seria bom que o Governo português e
Pág.Página 38
Página 0039:
5 DE NOVEMBRO DE 2011 39 A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Bem lembrado!
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 38 40 Por essa razão, não podemos concordar com esta
Pág.Página 40