O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 49

20

O Sr. Luís Fazenda (BE): — Sr.ª Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados, fiz uma pergunta ao Partido Socialista

sobre uma matéria que o Bloco de Esquerda considera que é um teste absolutamente decisivo sobre a

credibilidade das propostas que o Partido Socialista hoje aqui nos trouxe e essa pergunta não foi respondida.

Perguntámos ao Partido Socialista se, apresentando uma alteração à lei de financiamento das campanhas

que prevê a existência de relatórios intercalares sobre despesas e acerca dos orçamentos apresentados pelos

partidos, não prevendo ao mesmo tempo qualquer sanção sobre violação grosseira dos orçamentos

apresentados pelos partidos — e recordo aqui que quer o PS quer o PSD, nas últimas eleições, gastaram o

dobro daquilo que apresentaram como orçamento ao Tribunal Constitucional —, se faz algum sentido ou se é

um projecto de lei de brincadeira que está a apresentar aos Deputados e ao povo português.

O Partido Socialista, nas últimas eleições, orçamentou 2 milhões, gastou 4 milhões, e não tem nenhum

artigo neste projecto de lei para alterar essa circunstância, não há qualquer tipo de sanção, mas quer trazer

uma outra coisa, que é lateral, que é a apresentação de relatórios intercalares sobre um orçamento que não é

cumprido. Ora, isto é um projecto de lei de brincadeira, Srs. Deputados do Partido Socialista, e, portanto, não

tem credibilidade política.

Em segundo lugar, o Bloco de Esquerda não queria fazer aqui o debate do enriquecimento ilícito, da

tipificação desse crime, pois já foi feito. Voltaremos a ele, a Assembleia está a elaborar uma lei da qual só se

excluiu o Partido Socialista. Mas, Srs. Deputados, a ninguém ouviram aqui dizer que queria prender alguém

sem culpa formada. Isso é uma acusação que não faz qualquer sentido e que é, aliás, bastante desleal em

relação a qualquer outra bancada. Agora, o que podemos perceber é que o Partido Socialista veio a este

debate sem desculpa formada, absolutamente sem desculpa formada! Não tem qualquer justificação para

regressar ao tema e para levantar aqui a bandeira do combate ao enriquecimento injustificado.

Srs. Deputados do Partido Socialista, estamos de acordo com algumas das vossas iniciativas, acerca da

transparência activa, da informação pública, dos processos administrativos, acerca da limitação e de um maior

rigor sobre os outsourcing por parte do Estado — aí está uma boa autocrítica do Partido Socialista,

infelizmente não assumida.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — É verdade! É verdade!

O Sr. Luís Fazenda (BE): — Enfim, teremos uma abstenção violenta sobre alguns dos projectos, que é a

melhor forma de exprimir a nossa simpatia, mas queríamos dizer que acerca de outros temos de manifestar

algumas reservas.

Finalmente, ao fim de tantos anos, vem agora o Partido Socialista entender que deve haver um período de

nojo sem excepções, sem alçapões, para os titulares de cargos políticos não passarem para as empresas,

organismos ou sectores tutelados ou próximos desses titulares de cargos políticos. Esse período sempre foi de

três anos mas as excepções eram tantas que, na realidade, nada disso tinha efectividade e a verdade é que o

Partido Socialista quer agora levantar as excepções e transformar a regra dos três anos numa regra rígida.

O Partido Socialista terá oportunidade, daqui a poucos dias, de votar uma iniciativa do Bloco de Esquerda

que alarga esse período para seis anos, o que nos parece muito mais credível.

Na verdade, ainda não se nos apagaram dos ouvidos os ecos de vários Srs. Deputados do Partido

Socialista e de alguns ex-governantes que nos diziam que éramos frontalmente contra o direito ao trabalho

dos ex-ministros e dos ex-secretários de Estado e dos ex-Deputados, mas, enfim, são coisas que já lá vão.

Sr.as

e Srs. Deputados do Partido Socialista, discordamos de uma solução que aqui é apresentada sobre a

necessidade de, três anos após cessarem funções públicas, políticas ou de interesse público, haver

declaração de rendimentos por parte desses titulares, porquanto, neste momento, estamos a encontrar uma

solução, entre a generalidade dos partidos, bem mais exigente e mais rigorosa, que se aproxima dos cinco

anos. Portanto, a esta hora, parece tardia esta proposta do Partido Socialista, parece insuficiente e claramente

mais frouxa do que todas as propostas que neste momento estão a ser consensualizadas.

Sr.ª Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados, precisamos de credibilidade, de lutar pela transparência, de

encontrar os meios legislativos mas também os meios de eficácia da administração e das funções repressivas,

de todas elas, para que o cidadão comum, todos e todas vejam que a República, realmente, não é um lugar

para o banditismo político, não é um lugar para a opacidade, não é um lugar para que a democracia seja

Páginas Relacionadas
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 49 8 suave e a implementação de medidas que garantam
Pág.Página 8
Página 0009:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 9 actos do Governo e da Administração, neste quadro entendem
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 49 10 O Sr. Alberto Martins (PS): — O Partido
Pág.Página 10
Página 0011:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 11 Todos sabemos que a existência de sistemas fechados e opa
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 49 12 «Vamos gastar 2 milhões na campanha eleitoral»
Pág.Página 12
Página 0013:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 13 Aplausos do PCP. A Sr.ª Presidente:
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 49 14 «mensalão», chamemos-lhe avença não declarada,
Pág.Página 14
Página 0015:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 15 uns estudos, havia um Sr. Secretário de Estado, Dr. João
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 49 16 Aplausos do CDS-PP e do PSD. A S
Pág.Página 16
Página 0017:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 17 A Sr.ª Presidente: — Para responder, tem a palavra o Sr.
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 49 18 particular melindre, é uma matéria de particul
Pág.Página 18
Página 0019:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 19 O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — … para fiscalizar um pro
Pág.Página 19
Página 0021:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 21 diminuída naquilo que deve ser o contacto mais íntimo, ma
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 49 22 Na XI Legislatura, o Partido Socialista, feliz
Pág.Página 22
Página 0023:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 23 A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Para uma intervenção
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 49 24 Por último, há propostas relativamente às quai
Pág.Página 24
Página 0025:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 25 seu Combate), que apreciou mais de uma vintena de iniciat
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 49 26 O aspecto que considero mais importante destac
Pág.Página 26
Página 0027:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 27 O Sr. Ricardo Rodrigues (PS): — Contudo, Srs. Deputados,
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 49 28 Por último, e tentando discutir o que de pouco
Pág.Página 28
Página 0029:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 29 Este é, de facto, um tempo de grandes desafios, um tempo
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 49 30 Por exemplo, no projecto apresentado para a re
Pág.Página 30
Página 0031:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 31 É. Mas, previamente às questões da delicadeza ou da const
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 49 32 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Então, e a Co
Pág.Página 32