O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 49

26

O aspecto que considero mais importante destacar prende-se com a atribuição de competências ao

Conselho Coordenador do Sistema de Controlo Interno da Administração Financeira do Estado — aliás, tal

como já foi referido, duvidamos destas competências tendo em conta que existe o Conselho para a Prevenção

da Corrupção, que por sua vez também já tem competências reconhecidas para a elaboração dos códigos.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

A Sr.ª Teresa Anjinho (CDS-PP): — Portanto, na elaboração e aprovação dos modelos de código de

conduta e de ética o que está em causa é, efectivamente, a criação dos modelos.

Parece-nos ser não apenas de difícil aplicação (porque no projecto de diploma se estabelece,

inclusivamente, um prazo de 120 dias para a sua aprovação), como perfeitamente inadequado aos objectivos.

Os códigos de conduta e ética devem ser dinâmicos e adaptados a cada instituição. A criação de modelos,

se pode ser um incentivo à adopção de códigos, compreensível até numa perspectiva de harmonização, pode

muito bem ser um factor prejudicial à aprovação de códigos eficazes, porquanto desadequados à realidade de

cada instituição.

Sr.ª Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Em suma, o CDS está disponível, como sempre esteve, para

debater propostas que tenham por intenção, e fundamento, a prevenção e o combate à corrupção, o aumento

e a melhoria da transparência,

Não iremos, por isso mesmo, inviabilizar a maioria das propostas que hoje apresentam, mas, em nome da

transparência de intenções e de uma boa prática política, devo dizer que temos sérias e fundadas dúvidas

sobre muitas das propostas.

Aplausos do CDS-PP e do PSD.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — A Mesa também não regista pedidos de esclarecimentos à oradora.

Para uma intervenção, está inscrito o Sr. Deputado Ricardo Rodrigues, a quem dou a palavra.

O Sr. Ricardo Rodrigues (PS): — Sr.ª Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Depois dos ímpetos iniciais, em

que parecia que a Câmara «chumbava» todas as propostas apresentadas pelo Partido Socialista, verificamos

que há alguma serenidade e que, de facto, esse debate é útil ao Parlamento, ao País e aos portugueses.

Nesse sentido, consideramos razoável que a maior parte das nossas propostas possa baixar à

especialidade para termos um diálogo sereno e consensual, e aprovarmos aquilo que ainda falta ao País para

que tenhamos uma sociedade mais transparente e mais justa.

Vou referir duas questões que me parecem merecer mais esclarecimento, sendo uma delas a questão do

acesso à base de dados. Ora, o que acontece, hoje, num processo cível?

O juiz pede ao Banco de Portugal que o Banco de Portugal oficie a todos os bancos e a todos os balcões,

para averiguar se determinado Fulano, o A, tem conta nesse banco; depois de remeter esses ofícios a todos, é

recolhido no Banco de Portugal que manda para o tribunal.

O que nós pretendemos, pura e simplesmente, é que esse processo seja mais célere, porque, abrangendo

todos os processos judiciais, o Banco de Portugal fica habilitado a dizer se o senhor A ou o senhor B tem ou

não tem conta. Não me refiro à conta em concreto, ou seja, o que está em causa não é o sigilo bancário, mas

é saber se tem, ou não, conta, para as acções judiciais decorrerem com normalidade. Parece que essa parte

ficou mais esclarecida.

Relativamente ao financiamento dos partidos e das campanhas eleitorais, quero dizer o seguinte: o Partido

Socialista propôs, pura e simplesmente, aquilo que o GRECO fez no seu último relatório, ou seja, mais

transparência nas contas, mais publicidade nas contas e, inclusivamente, aquilo que diz o GRECO é que

temos mesmo de ter um parecer intercalar durante as campanhas eleitorais.

Sr. Deputado, limitámo-nos a transcrever aquilo que é…

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — O quê?!…

Páginas Relacionadas
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 49 8 suave e a implementação de medidas que garantam
Pág.Página 8
Página 0009:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 9 actos do Governo e da Administração, neste quadro entendem
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 49 10 O Sr. Alberto Martins (PS): — O Partido
Pág.Página 10
Página 0011:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 11 Todos sabemos que a existência de sistemas fechados e opa
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 49 12 «Vamos gastar 2 milhões na campanha eleitoral»
Pág.Página 12
Página 0013:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 13 Aplausos do PCP. A Sr.ª Presidente:
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 49 14 «mensalão», chamemos-lhe avença não declarada,
Pág.Página 14
Página 0015:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 15 uns estudos, havia um Sr. Secretário de Estado, Dr. João
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 49 16 Aplausos do CDS-PP e do PSD. A S
Pág.Página 16
Página 0017:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 17 A Sr.ª Presidente: — Para responder, tem a palavra o Sr.
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 49 18 particular melindre, é uma matéria de particul
Pág.Página 18
Página 0019:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 19 O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — … para fiscalizar um pro
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 49 20 O Sr. Luís Fazenda (BE): — Sr.ª Preside
Pág.Página 20
Página 0021:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 21 diminuída naquilo que deve ser o contacto mais íntimo, ma
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 49 22 Na XI Legislatura, o Partido Socialista, feliz
Pág.Página 22
Página 0023:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 23 A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Para uma intervenção
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 49 24 Por último, há propostas relativamente às quai
Pág.Página 24
Página 0025:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 25 seu Combate), que apreciou mais de uma vintena de iniciat
Pág.Página 25
Página 0027:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 27 O Sr. Ricardo Rodrigues (PS): — Contudo, Srs. Deputados,
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 49 28 Por último, e tentando discutir o que de pouco
Pág.Página 28
Página 0029:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 29 Este é, de facto, um tempo de grandes desafios, um tempo
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 49 30 Por exemplo, no projecto apresentado para a re
Pág.Página 30
Página 0031:
15 DE DEZEMBRO DE 2011 31 É. Mas, previamente às questões da delicadeza ou da const
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 49 32 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Então, e a Co
Pág.Página 32