O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 85

6

A Sr.ª Presidente: — Tem a palavra, para responder, o Sr. Deputado Altino Bessa.

O Sr. Altino Bessa (CDS-PP): — Sr.ª Presidente, Sr.ª Deputada Heloísa Apolónia, é evidente que aos

olhos de Os Verdes quem fale aqui, nesta Sala, sobre ambiente peca sempre por ser pouco e peca sempre

por ser redutor.

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Não é verdade!

O Sr. Altino Bessa (CDS-PP): — Ontem, foi porque não falámos sobre o ambiente; hoje, é porque falamos

sobre o ambiente, mas, afinal, fomos muito generalistas!

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Altino Bessa (CDS-PP): — Mas, Sr.ª Deputada, como aquela velha frase: «me engana que eu

gosto». Pelos vistos, a Sr.ª Deputada, tal qual estava previsto no plano anterior — de um orçamento de 484

milhões de euros, apenas foram utilizados 84 milhões de euros, ou seja, 17% desta verba —, quer continuar a

que esteja orçamentada uma verba inflacionada para, depois, a concretização dos programas ficar pelos 17%!!

Repare: efetivamente, houve cortes, como houve cortes em todos os ministérios…

Protestos do Deputado do PCP Bruno Dias.

Tenha calma, Sr. Deputado!

Como eu dizia, houve cortes. Porém — e isso já foi verificado, nomeadamente, em Vagos, em Mira e,

também agora, em Moledo —, a preocupação primeira não é ter um plano megalómano, mas, sim, um plano

concreto e que, acima de tudo, tenha em conta a segurança das pessoas.

Esta é a preocupação deste Ministério, dentro da limitação de verbas e dos constrangimentos orçamentais

que, todos sabemos, o Ministério tem.

Aplausos do CDS-PP.

A Sr.ª Presidente: — Tem a palavra, para uma declaração política, a Sr.ª Deputada Cecília Honório.

A Sr.ª Cecília Honório (BE): — Sr.ª Presidente, Sr.as

Deputadas e Srs. Deputados: Porque queríamos pôr

em «pratos limpos» o que aconteceu neste sorvedouro de recursos públicos, faz hoje duas semanas que,

neste mesmo Plenário, o Bloco de Esquerda interpelou os partidos que tinham votado favoravelmente a sua

proposta de criação de uma comissão de inquérito ao BPN.

Pedimos, por isso, que se avançasse obrigatoriamente para uma comissão, mas não estávamos à espera

que nos respondessem a dobrar. Há duas semanas, a maioria de direita não queria nenhuma comissão de

inquérito. Agora há duas. O que vale é que «não há fome que não dê em fartura».

A gigantesca cambalhota do PSD é o dado mais relevante deste súbito interesse no apuramento do que

realmente se passou no BPN.

Há três semanas, o PSD chumbou a proposta do Bloco para constituir uma comissão de inquérito que tinha

exatamente o mesmo objeto da que ontem anunciaram. Na altura, disseram que nunca poderiam aceitar uma

comissão de inquérito antes da auditoria a conduzir pelo Tribunal de Contas.

Reponho aqui, porque são bem claras a este propósito, as palavras do Deputado Hugo Velosa: «Se o

Tribunal de Contas apurar nessa análise que fizer que, efetivamente, há alguma coisa por apurar nesta

matéria, mesmo que tenha a ver com este Governo ou com o PSD, nós aprovaremos essa comissão de

inquérito».

As dúvidas do PSD resultaram, três semanas depois, numa correria com os líderes parlamentares do PSD

e do CDS a tentarem esticar o pescoço para aparecer, em primeiro lugar, na fotografia do photo finish.