O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

30 DE MARÇO DE 2012

45

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. Presidente (António Filipe): — Srs. Deputados, terminado este debate, passamos ao último ponto da

nossa ordem de trabalhos, que consta da discussão, na generalidade, do projeto de lei n.º 33/XII (1.ª) —

Revoga o Decreto-Lei n.º 70/2010, de 16 de junho, alargando o acesso e repondo critérios mais justos na

atribuição dos apoios sociais (PCP).

Para apresentar o projeto de lei, tem a palavra o Sr. Deputado Jorge Machado.

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Numa altura em que se fazem

sentir as gravosas consequências do pacto de agressão e em que o objetivo anunciado pelo Primeiro-Ministro,

Passos Coelho, é o de empobrecimento dos portugueses, verifica-se na sociedade portuguesa um

agravamento das dificuldades de quem vive do seu salário ou da sua pensão.

Há um agravamento brutal da pobreza, há cada vez mais famílias que não conseguem pagar a prestação

da casa, há, como vimos agora mesmo, cada vez mais crianças a passar fome nas escolas, porque não estão

garantidos os salários dignos para o trabalho que os trabalhadores portugueses desempenham.

Há hoje cada vez mais dificuldades entre os idosos, que não têm dinheiro para os medicamentos, para a

alimentação, para terem a casa aquecida durante o ano inteiro, há cada vez mais dificuldades graças às

opções políticas do PSD e do CDS-PP com o apoio do Partido Socialista.

Ao mesmo tempo que o Governo PSD/CDS não só não toma nenhuma medida para combater a pobreza,

consagra uma visão assistencialista e, em vez de direitos, dá umas esmolas de vez em quando, que não

resolvem verdadeiramente o problema, antes perpetuam a situação de pobreza e de fragilidade social.

O governo do PS, com o Decreto-lei n.º 70/2010, que estabeleceu a condição de recurso, desferiu um rude

golpe na proteção social. O objetivo deste Decreto-Lei foi e é o de limitar o acesso a prestações sociais

essenciais para os portugueses, é o de tirar a quem precisa para dar aos mais ricos — foi essa a opção

política do PS e, agora, é a do PSD e do CDS-PP. Cortam nas prestações sociais para dar 12 000 milhões de

euros à banca de mão-beijada!

O Decreto-lei n.º 70/2010, com a sua condição de recurso, alterou os requisitos, incluindo rendimentos que

anteriormente não eram contabilizados, alterando o conceito de agregado familiar e, entre outras medidas,

alterando a fórmula de cálculo dos rendimentos. Tudo para impedir o acesso a prestações sociais.

Refiro, a título de exemplo: a reforma de um avô pode determinar que o seu neto não tenha acesso, por

exemplo, a uma bolsa de estudo.

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — É uma vergonha!

O Sr. Jorge Machado (PCP): — No fundo, alteraram-se artificialmente os rendimentos do agregado

familiar para impedir o acesso e, assim, poupar em prestações sociais.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

O Sr. Jorge Machado (PCP): — A título exemplificativo, refiro algumas prestações sociais: o abono de

família, que abrangia 1,830 milhões crianças e jovens em 2010, passou para 1,147 milhões em 2011, e hoje

são cerca de 800 000 crianças que não têm acesso a esta prestação social.

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — É uma vergonha!

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Além disso — são dados do próprio Ministério da Educação —, no ano

letivo de 2010/2011 tivemos menos 17 000 alunos a receber apoio para os manuais escolares. Hoje, no ensino

superior, mais 11 000 os alunos não têm acesso a bolsas de estudo e 12 000 vêm o seu valor reduzido.

Os titulares de bonificação por deficiência eram 82 000 em 2010 e passaram para 67 000 em 2011, ou

seja, 15 000 pessoas com deficiência viram as suas prestações sociais fundamentais serem cortadas.

Páginas Relacionadas
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 90 36 Queria, em primeiro lugar, agradecer as várias
Pág.Página 36
Página 0037:
30 DE MARÇO DE 2012 37 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr. Presidente, Sr.as
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 90 38 Na altura da discussão do Orçamento do Estado
Pág.Página 38
Página 0039:
30 DE MARÇO DE 2012 39 estamos sobretudo a falar de repor dignidade social e humana
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 90 40 pobreza, para chegar aos idosos de baixo rendi
Pág.Página 40
Página 0041:
30 DE MARÇO DE 2012 41 Eu, que nasci depois do 25 de abril, ouvi sempre da parte da
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 90 42 O Sr. Presidente (António Filipe): — A
Pág.Página 42
Página 0043:
30 DE MARÇO DE 2012 43 O Sr. Amadeu Soares Albergaria (PSD): — Sr. Presidente, Srs.
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 90 44 Também cá estaremos, Sr. Deputado Amadeu Alber
Pág.Página 44